[an error occurred while processing this directive]

Matérias Mais Lidas


Stamp

Riverwood: Egito agora tem uma banda de folk metal para chamar de sua

Resenha - Shadows and Flames - Riverwood

Por Victor de Andrade Lopes
Postado em 27 de janeiro de 2022

Nota: 8

Para um país com uma música típica tão característica, o Egito não colocou grandes nomes do folk metal/metal oriental no mapa ainda, ao contrário de outros integrantes do Oriente Médio como Argélia, Tunísia, Israel ou Líbano.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas um interessante quinteto tenta deixar o país em maior evidência. O Riverwood começa 2022 com seu segundo disco, Shadows and Flames, e mostra que cresceu notavelmente em qualidade e maturidade. Uma ótima maneira de estrear o baixista Mohannad Ahmed e o baterista Abdallah Hesham.

Dependendo do quão fechada a sua mente for, você pode talvez negar o parágrafo acima logo ao dar play no lançamento, pois a abertura é um cover de "The Dragonborn Comes (Dovahkiin)", do lendário jogo The Elder Scrolls V: Skyrim.

Mas depois do interlúdio sinfônico "A Haunting Lullaby", a obra começa pra valer em "Blood and Wine", um épico de 12 minutos e meio em que a banda aparece em todo o seu esplendor e mostra que aprendeu bastante desde sua estreia Fairytale (2018). A qualidade do som, a maturidade da produção, a mixagem e o balanceamento dos instrumentos, tudo soa acima do antecessor.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Curioso notar que o disco é meio 8 ou 80: ouvimos ora interlúdios breves, ora faixas épicas; raras são as que apresentam uma duração "convencional". Também ressalto que só depois de algumas escutadas é que eu descobri que o álbum é duplo (uma parte Shadows e outra Flames), mas não notei nenhuma diferença óbvia entre as duas metades.

No time dos interlúdios, além daquele já mencionado acima, temos a misteriosa "The Shadow", a empolgante "Babylon" (o momento mais metal oriental do trabalho), e a emocionante "Another World".

Já do lado épico, "Sands of Time", "Dying Light", "Lustful Temptation", "Queen of the Dark" e "Rise of the Fallen" superam os sete, às vezes até dez minutos, cada qual com seu próprio grau de sucesso. A mais compacta deste grupo, "Queen of the Dark", vem com um memorável e envolvente solo de hurdy gurdy por Annie Hurdy Gurdy que a ajuda a ficar mais interessante que a relativamente burocrática "Dying Light" (que ganhou vídeo).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - DEN
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Dentre as faixas de duração mais convencional, além do já mencionado cover, temos a instrumental "The Flame" (ou seria ela um longo interlúdio?), com o flautista Hüseyin Pulant, e o encerramento "Solitude" (poderia ser um cover da melhor música do Skyrim, mas é inédita mesmo).

Se a estreia Fairytale soava um tanto engessada e escondia o talento dessa rapaziada egípcia, Shadows and Flames passa com folga na tal da "prova do segundo disco" e começa a desenhar a presença do Riverwood no panteão do metal oriental.

Abaixo, o clipe de "Dying Light:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

FONTE: Sinfonia de Ideias
https://sinfoniadeideias.wordpress.com/2022/01/26/resenha-shadows-and-flames-riverwood/

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze 2024

Perc3ption: a arte levada ao extremo

Resenha do Álbum do Insânia ao vivo no Underground Nativa III

Sentença de Morte: Death Metal para quem curte Death Metal bem executado

Triumph Of Death, projeto de Tom Warrior, resgata ao vivo parte do passado do Hellhammer

Spiritual Cramp acerta a fórmula, mas álbum satura em 26 minutos

Estreia do Superbloom traz de volta o grunge protagonista dos anos 1990

Stratosphere Project: O eco estrondoso da Via-Láctea fundindo-se nas dimensões ocultas

Osbourne: pesado, mas antes de tudo moderno

Resenha - Dark Side of The Moon - Pink Floyd

Resenha - Vovin - Therion

Resenha - P.U.L.S.E. - Pink Floyd


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.
Mais matérias de Victor de Andrade Lopes.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS