Matérias Mais Lidas

imagemBill Hudson diz que tatuagem pode ter sido entrave para entrar no Megadeth

imagemMarcos Mion conta história de encontro (e manjada) com Bon Jovi no banheiro

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones

imagemO que mais impede Kiko Loureiro de voltar ao Angra? (Não tem nada a ver com o Megadeth)

imagemBeatles: Paul McCartney conta a história por trás de "Ob-La-Di, Ob-La-Da"

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemPhil Campbell conta como era fácil "comprar" Lemmy pra fazer qualquer coisa

imagemRage Against The Machine vem ao Brasil em dezembro, diz José Noberto Flesch

imagemApós viralizar com anúncio, Harppia revela identidade do novo baixista

imagemAutor de "God Save The Queen", Johnny Rotten diz que sente orgulho da Rainha Elizabeth

imagemA curiosa opinião de Ozzy sobre cover do Metallica para "Sabbra Cadabra"

imagemJimmy Page dá opinião sobre streaming e enaltece desconhecido herói dos músicos

imagemBruce Dickinson diz o que o surpreendeu quando retornou ao Iron Maiden

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemChad Smith chama matéria sobre Taylor Hawkins de "sensacionalista e enganosa"


PRB

Foo Fighters: Medicine at Midnight é divertidamente eficiente

Resenha - Medicine at Midnight - Foo Fighters

Por Jorge Felipe Coelho
Em 01/02/21

Nota: 8

Em declarações recentes à NME e à rádio WMMR, Dave Grohl já havia dito que Medicine at Midnight seria o "álbum de festa" do Foo Fighters. E ele não estava blefando. O álbum, inicialmente programado para ser lançado em 2020 como parte das comemorações pelo 25º aniversário da banda, é realmente alto astral.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Muitos fãs haviam estranhado a musicalidade R&B impressa em "Shame Shame", primeiro single do álbum, divulgado em novembro passado. No entanto, após tanto tempo de carreira, milhões de discos vendidos, diversos prêmios conquistados no cenário do rock e um batalhão de fãs ao redor do mundo, o jogo está ganho. Desafiar-se fazendo algo novo com qualidade deve ser exatamente o que mantém o combustível de Grohl e sua trupe na estrada musical, o que não deveria soar estranho.

O líder do Foo Fighters também manifestou que jamais gostaria de tentar repetir seus mega hits do passado como "The Pretender", "Best of You" ou "Learn to Fly". Nesse contexto de criação com busca por novos elementos, ao longo de 36 minutos e nove faixas, o décimo álbum do grupo trouxe de volta um pouco do som rock alternativo dos anos 90, mas com pitadas cavalares de pop e groove.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Já na abertura do álbum, "Making a Fire" mostra que chegou a hora do baixista Nate Mendel assumir o protagonismo em uma canção de humor otimista regada por um coro feminino cantando "na-na-na" no refrão. Na verdade, a filha adolescente de Dave, Violet Grohl, fez participação nesse acompanhamento entusiasmado.

A já conhecida "Shame Shame" talvez seja a faixa mais melancólica de todo o trabalho e é sucedida por "Cloudspotter", uma das melhores faixas do disco. A canção é uma ótima mostra resultante do encontro entre o Foo Fighters da fase incial, em 1995/1996, com a banda de hoje. O som abre com um riff cheio de swing, evolui para uma batida dançante marcada pelo baixo de Nate Mendel, até desaguar em um refrão de guitarras raivosas e distorcidas, com Dave Grohl se esguelando. Sim, como nos velhos tempos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

É chegada a hora de baixar a bola com os violões na balada "Waiting on a War" até chegar outro ponto alto do álbum: "Medicine at Midnight". A canção que dá nome ao disco é interessantíssima sob diversos aspectos. Uma faixa melódica, cadenciada por um groove em clima de suspense até a chegada de uma luz em forma de backing vocals com elementos de soul music. E o maior destaque é um solo de guitarra de Chris Shiflett, que poderia estar em um álbum de David Gilmour tamanha semelhança com o timbre usado pelo ícone do Pink Floyd.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Avançamos para a parte final com duas ótimas faixas. O rock mais pesado de "No Son of Mine" e "Holding Poison" com um refrão meio "filme de comédia". "Chasing Birds" é outra balada do álbum, porém muito mais inspirada e sonhadora que a anterior. Tendo como destaque o batera Taylor Hawkins, "Love Dies Young" chega dando as cartas finais em forma de uma canção divertida e esperançosa que contrapõe sua própria letra com os versos "amor morre jovem e não há reanimação/uma vez que se foi, sem regeneração". O riff inicial, inclusive, remete ao de "Barracuda", do Heart.

O Foo Fighters sempre trabalhou com esmero em estúdio. Novamente recrutado para a produção, Greg Kurstin conseguiu fazer o que Grohl queria: colocar as guitarras ligeiramente para trás, dando destaque ao vigor pop swingueiro que a cozinha da banda conseguiu proporcionar para fazer seu disco mais dançante, inspirado por Let’s Dance de seu ídolo David Bowie. Medicine at Midnight trouxe um repertório eficiente, muito mais coeso que o último trabalho Concrete e Gold e explorou lugares onde a banda nunca esteve. Porém, tudo isso sem perder sua própria essência e familiaridade. Esse é o segredo de mestres que sabem o que fazem, como é o caso de Dave Grohl.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Álbum: Medicine at Midnight
Lançamento Oficial: 5 de fevereiro de 2021
Gravação: 2019–2020
Gênero(s): Rock
Duração: 36:32
Gravadora(s): RCA
Produção: Foo Fighters/Greg Kurstin

Tracklist:
1."Making a Fire"
2."Shame Shame"
3."Cloudspotter"
4."Waiting on a War"
5."Medicine at Midnight"
6."No Son of Mine"
7."Holding Poison"
8."Chasing Birds"
9."Love Dies Young"

Foo Fighters:
Dave Grohl: vocal, guitarra
Taylor Hawkins: bateria
Rami Jaffee: teclado, piano
Nate Mendel: baixo
Chris Shiflett: guitarra
Pat Smear: guitarra

Técnica:
Greg Kurstin: produção musical
Randy Merrill: masterização
Alex Pasco: assistência de engenharia
Spike Stent: mixagem
Darrell Thorp: engenharia de áudio
Matt Wolach: assistência de engenharia

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

FONTE: Rádio Catedral do Rock

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Jorge Felipe Coelho

Quando criança, lia as letras dos encartes e ouvia discos de vinil na saleta de casa antes e depois de ir pra escola. Aos 9 anos de idade já tinha ido ao seu primeiro show guitarreiro. Hoje, administrador de formação, colaborou com a Rádio Cult FM, faz o Boletim do JF na Rádio Catedral do Rock e o Podcast Faixa a Faixa do Rock, continuando a ouvir, falar e escrever sobre a sua paixão: o rock n' roll.

Mais matérias de Jorge Felipe Coelho.