RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemDeep Purple: David Coverdale revela quem quis como substituto de Ritchie Blackmore

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemProdutor da turnê de Paul Di'Anno explica problemas no primeiro show

imagemVocalista do Fleshgod Apocalypse é pedida em casamento durante show da banda

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemTony Iommi conta quais são os riffs preferidos que ele escreveu

imagemO motivo nada musical que fez Bruce Dickinson querer se juntar aos hippies

imagemZelador viraliza após incrível semelhança com voz de Steve Perry em "Don't Stop Believin'"

imagemEm disputa acirrada, fãs batem recorde e elegem melhores discos de metal de 2022

imagemEloy Casagrande repete o feito sendo eleito melhor baterista de metal do mundo

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemShane Hawkins, filho de Taylor Hawkins, ganha prêmio de melhor performance do ano

imagemOs 20 melhores álbuns lançados em 1993, segundo a Revolver Magazine


Asmodeus: Fragmentos de uma época em que tudo era mais difícil e apaixonante

Resenha - Parabellum - Asmodeus

Por Ricardo Cunha
Postado em 29 de março de 2020

Nota: 8

A BANDA

Inspirada na primeira geração de bandas de metal extremo internacional, Asmodeus é uma banda de Death Metal surgida em Fortaleza/Brasil no começo dos anos 80. A banda é adepta de uma vertente que se convencionou chamar de Old School, mas o som é Thrash / Death Metal com influências de nomes como Venon, Possessed, Celtic Frost e Sepultura (antigos). Sobre este último, podemos relacionar o fato de as letras serem cantadas em portguês. Fizeram algumas apresentações na época de sua fundação, mas decidiram parar as atividades e se mantiveram ausentes por todo o período compreendido entre 1986 e 2015, ou seja, quase 30 anos. Pelo simbolismo que o nome representa, nada seria mais digno do que retornar num momento em que a música, de um modo geral, sofre um processo de intoxicação tecnológia. E o maldito retorno se deu com a seguinte formação: Elineudo Morais (vocal), Fábio Morcego (guitarra), Anderson Frota (baixo) e Acacio Vidal (bateria).

O ÁLBUM

Contendo oito faixas e aproximadamente 30 minutos, Parabellum deve agradar bastante aos fãs do metal praticado por Bathory, Venon e Apocalyptic Raids. Mas o dito vale para o amantes do Heavy Metal em geral. O som dos caras é agressivo, sujo, baixo e com uma forte tendência para o lado necro da força. A despeito da simplicidade das composições, as músicas têm variação e grande apelo junto aos adeptos daquele tipo de metal original dos anos 80. Sobre isto, é notório que o grupo quis manter a atmosfera daquela época presente neste lançamento e assim o fez estabelecendo, portanto, uma marca sonora. Se você costuma adotar referências como forma de se introduzir nos aspectos mais íntimos de uma obra nova, deve notar que Parabellum guarda muitas similaridades como Sonho Maníaco, do Korzus e Antes do Fim, do Dorsal Atlântica, seja por ser cantado em nossa língua materna, seja por cauda dos timbres ou da produção. O que aqui se ouve/vê é metal old school em todas as suas cores e tons, por isso, afirmo que é impossível que o ouvinte não se sinta imediatamente transportado para uma época em que tudo era mais difícil, mas também, mais apaixonante. Na opinião deste que vos escreve os destaques, em ordem de importância, são: 1) Pobre Diabo, 2) Guerra e 3) Escravos do Mal.

O QUE TEM DE BOM?

1) A atmosfera oitentista, que é a marca dessa nova fase da banda;

2) A duração do álbum foi assertiva em tempos de Streaming.

O QUE PODERIA SER MELHOR?

1) A escolha dos timbres graves somada a sujera sonora, embora proposital, fez com que a banda perdesse em termos de potência;

2) A produção/gravação é média.

SPOTIFY:

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais

LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Ricardo Cunha

Editor no site Esteriltipo - Marketing de Conteúdo.
Mais matérias de Ricardo Cunha.