Darkside: Uma banda pra se ver e ouvir ao vivo

Resenha - Fragments of Madness... At The Gates of Time - Darkside

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Cunha
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9

A BANDA

Fundada em 1991, a banda é uma das pioneiras do heavy metal no estado do Ceará. No mesmo ano de sua formação, no qual o país ensaiava sua abertura econômica, - e isso mudaria muito as coisas no micro-cosmos do rock local. Numa época marcada por uma espécie de romantismo insipiente (as coisas eram mais difíceis, mas isso era compensado com doses cavalares de paixão pela arte e de amor pelo Heavy Metal. Nesses quesitos, a Darkside sempre se destacou e, hoje, prestes a completar seus 30 anos de história, a banda pode ser considerada uma das melhores do país no estilo. Umas da coisas mais importantes sobre os músicos é que são uma banda pra se ver ao vivo. A qualidade, agressividade e energia de suas performances é quase palpável.

Darkside: bem oitentista, lembrando a fase áurea do Iron MaidenMetallica: ouça apenas o baixo de Cliff Burton em clássicos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O ÁLBUM

Gates of Time... and Fragments of Madness , o álbum, que coroa os esforços despendidos em três décadas de atividades pode muito bem simbolizar um tributo à superação das adversidade e à persistência de Tales Groo, líder e fundador da banda. O álbum trás releituras atualizadas das músicas gravadas em duas demo-tapes que circularam o país na primeira metade dos anos 90. Uma das coisas mais curiosas sobre esse álbum é que o seu processo de gravação foi marcado pela participação de vários ex integrantes da banda. Até ser concluído, as seções de estúdio foram executadas por nada menos do que 3 bateristas, 3 baixistas e 5 guitarristas que ajudaram a dar uma cara nova para as canções do passado. Com relação às músicas, a primeira demo Fragments of Time (1991), continha as músicas Hare Krishna, Suicide, Spiral Zone e Fragments of Time. A segunda, Gates to Madness (1993), Intro/Storms, Gates to Madness, Inferno, The Guardian e Blessed by the Dark. O resultado final é um heavy/thrash executado de forma muito competente e energética, sendo por isso, um dos melhores lançamentos do ano de 2018. A formação que gravou o disco contou com Marcelo Falcão (Voz), Tales Groo (Guitarra), Anderson Menezes (Guitarra), Kaio Castelo (Baixo) e Bosco Lacerda (Bateria). Após a gravação, Vinicius Dorneles substituiu Anderson Menezes numa das guitarras.

O QUE TEM DE BOM?

1) As composições são excelentes;

2) A qualidade da gravação é boa e

3) O álbum serviu para manter a banda na ativa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O QUE PODERIA SER MELHOR?

1) Ao tracklist poderia ter sido adicionado pelo menos uma música inédita. Nem que fosse á título de faixa bonus.

SPOTIFY:




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dark Side"


Darkside: bem oitentista, lembrando a fase áurea do Iron MaidenDarkside: banda lança álbum com regravaçõesDarkside: três décadas a serviço da música pesada no BrasilDark Syde: qual a causa da mudança de nome da bandaRussas Metal Fest: Como foi o evento na cidade cearenseRock Cordel: Show com quatro veteranas do público cearenseDarkside: Bosco Lacerda é o novo baterista da bandaDarkside: Som equilibrado e abrangenteDarkside: vídeo ao vivo de Born for War no ForCaos 2013GRAB: Muito Speed e Thrash Metal em Fortaleza

Melhores de 2012: as escolhas do redator Leonardo Daniel TavaresMelhores de 2012
As escolhas do redator Leonardo Daniel Tavares


Metallica: ouça apenas o baixo de Cliff Burton em clássicosMetallica
Ouça apenas o baixo de Cliff Burton em clássicos

AC/DC: A origem do nome da bandaAC/DC
A origem do nome da banda


Sobre Ricardo Cunha

Editor no site Esteriltipo - Marketing de Conteúdo.

Mais matérias de Ricardo Cunha no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280