Camisa de Venus: Inteligência e sarcasmo já no debut

Resenha - Camisa de Venus - Camisa de Venus

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mário Orestes Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

O próprio Marcelo Nova admite em entrevistas que a sonoridade da banda incomodava no início de carreira. Interessante que quanto mais se conhece da Camisa de Venus, maior é a atração por ela. As letras inteligentes, os timbres das guitarras, o sarcasmo explícito e o tom de voz debochado são tão cativantes que não se demora pra se tornar fã.

Marcelo Nova: "Através de Raul Seixas eu tive noção do que fazer na vida"Separados no nascimento: Joe Satriani e Lord Voldemort

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Este primeiro disco pode soar punk rock, mas a própria banda nega o rótulo, não querendo prender-se a causas adolescentes ou movimentos idealistas. "Passamos Por Isso" abre a bolacha demonstrando para os executivos da gravadora que tentar mudar o som e o nome da banda não foi uma boa ideia, como se achava. Infelizmente a versão digitalizada que se encontra disponível sofreu censura nos comentários finais da música que teve a palavra "ridículo" (dirigida para o tema "Brasileirinho"), literalmente cortada. "Metástase" é a segunda e tem uma das letras mais inteligentes que do rock nacional. "Bete Morreu" é um punk rock trágico e sempre cantado em uníssono pelo público. "Correndo Sem Parar" expõe a psiquiatria da rotina urbana de uma forma bem bukowiskiana. A versão de "Negue" que fecha o lado A do disco, é uma das paródias mais debochadas já registradas. "O Adventista" é outra pérola de letra que leva à reflexão. "Dogmas Tecnofacistas" é outro punk rock com letra direta. "Homem Não Chora" explora com ironia o machismo de nossa sociedade. "Passatempo" é totalmente atemporal e estará sempre atualizada pela loucura da vida urbana, inspirada em "That's Entertainment" do The Jam. "Pronto Pro Suicídio" é uma das mais trágicas já feitas em toda carreira do grupo. E "Meu Primo Zé", inspirada na canção "My Perfect Cousin" dos norte-irlandeses The Undertones, fecha o álbum que marca a estreia em LP da Camisa de Venus no ano de 1983.

O fato de estar fora de catálogo, o álbum homônimo à banda e a versão lançada em CD não fazer jus ao legado, torna este disco uma pérola esquecida. O "arquivo morto" pelos diretores da gravadora que não aguentaram por muito tempo o gênio dos membros, que eram irredutíveis naquilo que se propunham. Vale lembrar que tal garantia de que sabiam o que estavam fazendo, está na confirmação de que Marcelo Nova não mudaria hoje palavra alguma de nenhuma das letras. Vale conferir.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Camisa De Venus"


Marcelo Nova: "Através de Raul Seixas eu tive noção do que fazer na vida"Camisa de Vênus: veja entrevista com Marcelo Nova na TV EstadãoMarcelo Nova: analisando sua carreira em conversa com Gastão Moreira

André Midani: morre lendário produtor de Mutantes, Raul, Titãs e muitos outrosAndré Midani
Morre lendário produtor de Mutantes, Raul, Titãs e muitos outros

Camisa de Vênus: Marcelo Nova em entrevista ao Rock Cast da Kiss FMCamisa de Vênus: "Dançando na Lua" é o segundo single do DVD/CD ao vivoCamisa de Vênus: banda lança single do novo DVD/CD ao vivoCamisa de Vênus: veja capa do novo DVD e CD duplo

Marcelo Nova: a obra de Raul é atemporal, válida hoje e provavelmente daqui a 200 anosMarcelo Nova
"a obra de Raul é atemporal, válida hoje e provavelmente daqui a 200 anos"

Camisa de Vênus: com "Toca Raul" no Dia Mundial do Rock em POA

Anos 80: canções nacionais com nomes de garotasAnos 80
Canções nacionais com nomes de garotas

Marcelo Nova: Na música brasileira existem belas bundas!Marcelo Nova
"Na música brasileira existem belas bundas!"


Separados no nascimento: Joe Satriani e Lord VoldemortSeparados no nascimento
Joe Satriani e Lord Voldemort

Sabaton: Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda suecaSabaton
Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda sueca


Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.

Mais matérias de Mário Orestes Silva no Whiplash.Net.

adClio336 adClioIL