Sioux 66: MMXIX é o divisor de águas na carreira da banda

Resenha - MMXIX - Sioux 66

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Tavares
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em 2012, quando a Sioux 66 lançou seu primeiro EP, eu disse que eles eram "um suspiro de alívio" em um cenário que não tinha nada de relevante criativamente. Disse que "não estavam aqui pra brincadeira" e que "queriam mostrar sua personalidade e ousadia para se destacarem do resto".

Sioux 66: banda aumenta o calibre em disco curto e grossoMotley Crue: Atriz pornô comenta sua relação com Tommy Lee

"MMXIX" (2019) é o primeiro trabalho da banda depois que Yohan Kisser (Guitarra) se juntou à tribo de Bento Mello (Guitarra), Fabio Bonnies (Baixo), Igor Godoi (Vocal) e Gabriel Haddad (Bateria). Este é o terceiro disco da banda e, de longe, o mais maduro, o mais pesado e mais bem produzido de sua carreira.

O álbum abre com "Laico", uma introdução sombria, com muitos elementos instrumentais que dão a tônica do que está por vir nesse disco que, se não foi feito pra ser conceitual, foi uma bela coincidência. As temáticas abordadas nas músicas são o retrato de 2019 (a escolha por algarismos romanos foi uma influência do Van Halen), um ano em que se você não deu uma surtada básica, você não o viveu direito.

"Paralisia" tem uma pegada fortíssima, com uma escolha de palavras chaves marcando a melodia vocal que lembra os a fase de "Titanomaquia" dos Titãs ("Agonizando" vem em mente), um refrão pegajoso, um solo enfurecido e uma levada digna de levar o público às grades dos shows pra participarem do espetáculo.

"Resposta" é a música que define o clima do disco e as mensagens que a banda quer levar ao ouvinte. Com a cozinha afiadíssima de Fabio Bonnies e Gabriel Haddad e um riff que remete ao Judas Priest, a música cresce trazendo a angústia que as perguntas que tomaram conta desse ano causaram em qualquer um que não optou por ficar em cima do muro (seja lá qual "lado" escolheu), pois alguma resposta pra essas perguntas deve ser dada. Mas qual resposte te convence? Qual resposta você aceita? "Penso, logo sou", em MMXIX "Quem você pensa que é?" Use a bossa no final pra tentar achar essa resposta.

"O Corre" pode facilmente ser a música que descreve a carreira da banda. Vários altos e baixos, mudança de formação, shows pra grandes públicos abrindo pra Aerosmith e Papa Roach assim como shows "rolê do fim de semana em algum barzinho de rock totalmente aleatório na noite de São Paulo." Essa música é a definição do "Suspiro de alívio" que veio lá em 2012.

"Virtual/Realidade" é uma pedrada na cara pra te tirar do mundinho virtual e colocar seus pés no chão. Destaque pros vocais de Igor Godoi, se mostrando cada dia mais versátil, sabendo dosar com precisão melodia e agressividade. A música conversa com "Resposta" e até com "Seu destino", do álbum "Caos" (2016), ao trazer uma reflexão: qual é a sua essência, a que você mostra por trás de filtros ou a com sua cara limpa? Afinal, "O que vale mais é o que você faz quando está sozinho".

Assim como em "Caos", a banda faz uma releitura de uma banda clássica do rock nacional, os homenageados dessa vez são os Titãs com essa maravilhosamente pesada versão de "Diversão" com participação de Cyz Mendes, Gabriel Martins (Mattilha) e Branco Mello (Titãs).

"Jaz" chega num clima sombrio, você espera que um vocalize do Dio apareça a qualquer momento - é esse o nível do clima em que a faixa começa. De longe a música onde a Sioux 66 mais se arriscou em sua carreira, certamente a banda estava ouvindo alguma ópera rock quando começou a composição dessa faixa - caminho que não seria nada mal seguir num futuro, diga-se.

"Aqui Estamos", single lançado em Agosto, fecha o álbum com a temática que poderia facilmente ser a tônica do disco: empatia. Esse sentimento maluco de se colocar no lugar dos outros antes de fazer ou falar alguma coisa, uma habilidade cada vez mais escassa nos dias de hoje e praticamente em extinção.

Sete anos e dois meses depois daquele EP eu digo: A Sioux 66 não apenas cumpriu o papel de mostrar ousadia e personalidade, mas hoje também devem ser tratados como referência de trabalho a ser seguido, admirado e vistos como fonte de inspiração pras bandas que estão começando.

"MMXIX" está disponível em todas as plataformas digitais.

Facebook:
https://www.facebook.com/sioux66oficial/

Clipe de "Aqui Estamos"


Outras resenhas de MMXIX - Sioux 66

Sioux 66: banda aumenta o calibre em disco curto e grosso




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Sioux 66"


Sioux 66: banda aumenta o calibre em disco curto e grossoSioux 66: banda paulista de hard rock lança o álbum MMXIX; ouça

Metal SP: documentário sobre Heavy Metal em São PauloMetal SP
Documentário sobre Heavy Metal em São Paulo


Motley Crue: Atriz pornô comenta sua relação com Tommy LeeMotley Crue
Atriz pornô comenta sua relação com Tommy Lee

Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaHetfield
Egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica


Sobre Rafael Tavares

Nascido em 1987, descobri o rock and roll já cedo, aos 6 anos de idade, quando ouvi "I Don't Care About You" com o Guns N' Roses em algum momento de 1993. De lá pra cá minha paixão pela música pesada e, especialmente pelo Guns N' Roses (que estará para sempre marcado em minha pele, alma e coração) cresceu exponencialmente. Sebastian Bach me fez querer virar cantor e o resto é história. Produtor fonográfico, formado em Letras e professor. Tão diversificado quanto o Rock and Roll, essa é minha vida, esse é meu clube. =D

Mais informações sobre Rafael Tavares

Mais matérias de Rafael Tavares no Whiplash.Net.

adGoo336