Resenha - Third Degree - Flying Colors

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

Cinco anos separam Third Degree, terceiro lançamento de estúdio do supergrupo estadunidense Flying Colors, de seu antecessor, o estupendo Second Nature.

Flying Colors: Ouça a discografia do supergrupo progressivoAxl Rose: como ele pegava todas as garotas que Slash conquistava

A desvantagem dos supergrupos costuma ser justamente essa falta de tempo para manter o projeto funcionando regularmente. Especialmente um que envolve Casey McPherson (vocais, guitarra base), Steve Morse (guitarras), Neal Morse (teclados, vocais, sem parentesco com o anterior), Dave LaRue (baixo) e Mike Portnoy (bateria, vocais). Todos envolvidos em múltiplas outras bandas em plena atividade. Não por um acaso, a primeira sessão do álbum aconteceu em dezembro de 2016 e a segunda só ocorreria exatos dois anos depois.

A vantagem, pelo menos no caso do Flying Colors, é que não importa o que eles façam, você sabe que vai ser bom. E aqui não foi diferente. Third Degree não impressiona tanto quanto Second Nature, cujo "exibicionismo" melódico e harmônico foi de tirar o fôlego, e demora um pouco mais para agradar, mas ele ainda tem lugar garantido em qualquer lista de melhores do ano que se preze.

Uma característica que sempre os marcou é a improbabilidade de um grupo destes ter surgido e ainda por cima dado certo. Porque ele põe cinco bagagens musicais bem distintas em rota de colisão. Mas eles sempre encontram um meio de fazer tudo fluir bem, alternando trabalhos mais agressivos e progressivos com outros mais leves e acessíveis. Tiveram êxito em reforçar como a sofisticação do rock progressivo pode casar com a simplicidade e a comercialidade do pop.

Em Third Degree, isso fica bem em evidência. As primeiras faixas, "The Loss Inside" e "More", exploram o lado mais agressivo e pesado do quinteto. Depois, temos "Cadence" e "Guardian", que estão longe de serem baladas, mas adotam uma sonoridade relativamente mais pacífica. A segunda tem uma pegada que lembra "Kayla", pérola da estreia autointitulada deles.

O lado mais rebuscado deles voltará a ser explorado na cativante e rítmica "Geronimo", enquanto que "Love Letter" é, podemos dizer, a surpresa do álbum. Uma canção com fortíssimos temperos sessentistas/setentistas que, muito apropriadamente, recebeu um vídeo com estética psicodélica e colorida.

A balada de fato do disco é "You Are Not Alone", escrita após Casey vivenciar o furacão Harvey em sua cidade (Austin, Texas) e testemunhar a subsequente onda de solidariedade entre os moradores da região atingida.

Para equilibrar os mundos que o Flying Colors representa, nada melhor que faixas épicas, com espaço para muito material musical. E para isso temos "Last Train Home" e "Crawl", com a última sendo bem melhor que a primeira ao explorar de forma mais completa o talento do qual a banda como um todo dispõe.

A edição especial do álbum vem com um segundo CD com algumas simpáticas versões instrumentais e alternativas de "Last Train Home", "Geronimo", "You Are Not Alone" e "Crawl"; uma versão acústica de "Love Letter"; e aquilo que sozinho já compensaria a compra do disco adicional inteiro: a faixa bônus "Waiting for the Sun", que é simplesmente boa demais para ficar de fora da edição regular.

Third Degree tem como único defeito não ser superior ao seu antecessor, mas chegou tão perto, e estamos falando de uma banda que já é a princípio tão acima da média, que isso não me impedirá de conceder nota máxima a esta belezinha.

Abaixo, o clipe de "The Loss Inside":

Track-list:
1. "The Loss Inside"
2. "More"
3. "Cadence"
4. "Guardian"
5. "Last Train Home"
6. "Geronimo"
7. "You Are Not Alone"
8. "Love Letter"
9. "Crawl"

Faixas bônus da edição de luxo:
1. "Waiting for the Sun"
2. "Geronimo" (versão instrumental alternativa)
3. "You Are Not Alone" (versão instrumental alternativa)
4. "Love Letter" (versão acústica)
5. "Last Train Home" (versão instrumental alternativa)
6. "Crawl" (versão instrumental alternativa)

Fonte: Sinfonia de Ideias
http://bit.ly/thirddegreefc




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Flying Colors"


Flying Colors: Ouça a discografia do supergrupo progressivoFlying Colors: Revelada nova música e detalhes de novo álbum

Axl Rose: como ele pegava todas as garotas que Slash conquistavaAxl Rose
Como ele pegava todas as garotas que Slash conquistava

Dinho Ouro Preto: É assustador ver todo o rock ficar de direitaDinho Ouro Preto
"É assustador ver todo o rock ficar de direita"

Top 500: as melhores de todos os tempos segundo a Rolling StoneTop 500
As melhores de todos os tempos segundo a Rolling Stone

Lemmy Kilmister: A vida dele fazia Keith Richards parecer uma menininhaLemmy Kilmister
A vida dele fazia Keith Richards parecer uma menininha

Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosRolling Stone
As melhores músicas com mais de sete minutos

Slash: Adele é uma injeção no braço da indústriaSlash
"Adele é uma injeção no braço da indústria"

Ozzy Osbourne: quem manda no Black Sabbath é o Tony IommiOzzy Osbourne
Quem manda no Black Sabbath é o Tony Iommi


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336