Age of Artemis: o início de uma nova fase com um disco excelente

Resenha - Monomyth - Age of Artemis

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A banda brasiliense Age of Artemis inicia uma nova etapa na carreira com o seu terceiro disco, "Monomyth". O álbum, que foi lançado no início de abril, é o sucessor de "The Waking Hour" (2014) e marca a estreia do vocalista Pedro Campos, também integrante do Hangar e do Soulspell. A banda conta ainda com os fundadores Gabriel Soto (guitarra) e Giovanni Sena (baixo), mais Riccardo Linassi (bateria, desde 2014) e Jeff Castro (guitarra, desde 2015) - ambos estão também gravando o seu primeiro CD com o grupo.

Age of Artemis: faixa do Virgo em tributo a Andre MatosDave Mustaine: "Kiko é o primeiro que me intimida desde Friedman"

"Monomyth" teve a produção assinada por Giovanni Sena e é um álbum temático que explora o conceito do monomito, a definição para os doze passos que uma pessoa deve executar para se transformar em um herói. O disco conta com doze músicas em pouco menos de uma hora e é o trabalho mais maduro do grupo.

A cena brasileira sempre foi pródiga em produzir ótimas bandas que unem elementos de power e prog metal, e o Age of Artemis se enquadra nessa categoria. O álbum apresenta uma abordagem moderna para ambos os estilos, mantendo a energia, a melodia e os andamentos acelerados do power metal e os arranjos complexos do prog, tudo executado com técnica e precisão.

Entre as músicas, meus destaques vão para os momentos mais speed presentes em "The Calling" (com uma certa influência de Kamelot), "Helping Hand" (para fãs da limpidez cristalina do Conception) e para a paulada certeira que é "Reborn", a minha preferida. Mas essas escolhas são apenas pessoais, uma vez que o tracklist inteiro é fortíssimo e resulta em um disco muito bonito, que agradará em cheio fãs de bandas desde Angra até Symphony X.

Com "Monomyth", o Age of Artemis retorna em grande estilo. E essa é uma das melhores notícias - e um dos melhores álbuns - que o metal brasileiro poderia ouvir em 2019.


Outras resenhas de Monomyth - Age of Artemis

Age of Artemis: banda chega ao ápice de criatividade com Monomyth




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Age Of Artemis"


Age of Artemis: faixa do Virgo em tributo a Andre MatosAge of Artemis: ouça cover de "No Need To Have An Answer" do Virgo

Vocalistas: alguns que poderão ser os novos ídolos do nosso MetalVocalistas
Alguns que poderão ser os novos ídolos do nosso Metal


Dave Mustaine: Kiko é o primeiro que me intimida desde FriedmanDave Mustaine
"Kiko é o primeiro que me intimida desde Friedman"

Vícios: As 10 melhores músicas sobre drogasVícios
As 10 melhores músicas sobre drogas

Slipknot: Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy MetalSlipknot
Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy Metal

Iron Maiden: o equipamento de palco da World Slavery TourAs regras do New Metal/Nu-metalWacken: o que sobrou da edição de 2016 do festivalCrianças: veja como cresceram as de "Nevermind", "War" e outras

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGooILQ