Triumph: Entre um rock mais cru e pesado ou pelas terras do blues

Resenha - Just a Game - Triumph

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Terceiro álbum do Triumph, "Just a Game" é mais um dos discos da banda canadense relançados no Brasil pela Hellion Records. Vamos, então, falar um pouco a seu respeito.

King Diamond: Alguém já o viu sem a maquiagem?Curiosidades: 40 fatos inacreditáveis do rock

"Just a Game" (1979) sucedeu a estreia auto-intitulada (que saiu em 1976) e "Rock & Roll Machine" (1977), e antecedeu aquela que é considerada a melhor fase do grupo, com a trinca "Progressions of Power" (1980), "Allied Forces" (1981) e "Never Surrender" (1982). Musicalmente, o que ouvimos é o trio formado por Rik Emmett (guitarra e vocal), Michael Levine (baixo e teclado) e Gil Moore (bateria e vocal) ainda em busca de seu próprio som, que seria apresentado ao mundo de maneira efetiva a partir de 1980. O que quero dizer com isso é que em "Just a Game" ainda podemos ouvir uma banda que deixa claras as suas influências e, muitas vezes, acaba bastante presa a elas. Isso fica muito claro em "Lay It on the Line", por exemplo, que pode ser facilmente confundida com uma canção desconhecida do Rush.

Emmett e Moore alteram-se nos vocais principais das canções. E aqui há de se mencionar que as músicas com Gil Moore geralmente variam entre um rock and roll mais cru e pesado ou pelas terras do blues, como "Young Enough to Cry", uma das melhores do disco. Já Emmett, que para mim possui a voz mais associada ao Triumph (talvez por ser a dominante em grande parte dos hits do grupo), é o protagonista das composições que apresentam as estruturas mais elaboradas e soam mais ambiciosas, com o trio equilibrando elementos de rock progressivo com a melodia onipresente em seu universo musical. É daí que vem ótimas faixas como a que batiza o disco, majestosa e grandiosa e, sem dúvida, um dos grandes momentos da carreira do Triumph.

A parte final de "Just a Game" ainda reserva a bonita "Hold On", com seu arranjo crescente e que traz Emmett brilhando, e a inusitada "Suitcase Blues", que na verdade é a banda brincando com um jazz descontraído e muito legal.

"Just a Game" foi o início do processo que levou o Triumph a gravar clássicos como "Allied Forces". Suas oito músicas revelam uma banda que já mostrava os ingredientes que iriam aflorar nos anos seguintes, levando o trio canadense a ser um dos mais bem sucedidos nomes do hard rock da primeira metade dos anos 1980.


Outras resenhas de Just a Game - Triumph

Resenha - Just A Game - Triumph




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Triumph"


King Diamond: Alguém já o viu sem a maquiagem?King Diamond
Alguém já o viu sem a maquiagem?

Curiosidades: 40 fatos inacreditáveis do rockCuriosidades
40 fatos inacreditáveis do rock


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGooILQ