Renaissance: Impressionante jornada sinfônica ao vivo

Resenha - A Symphonic Journey - Renaissance

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Rillo Bíscaro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

Dá para contar nos dedos as bandas de rock progressivo que cravaram álbuns em posições top nas paradas de sucesso. Genesis, Yes, Jethro Tull, Pink Floyd, Emerson, Lake and Palmer; alguma mais? Vários grupos do subgênero são lembrados até hoje, mas seu sucesso comercial não passou do circuito cult.

Milho Wonka: quem são os Posers do Rock hoje em dia?Linkin Park: Chester Bennington abre o jogo sobre seu vício

O britânico Renaissance encaixa-se nessa categoria. Tiveram seus álbuns lançados no Brasil nos anos 70, eram conhecidos por fãs de prog ou música mais sofisticada, mas, sucesso comercial nunca tiveram. Nos EUA ainda atraiam multidões na superpovoada região industrializada do nordeste, mas na nativa Inglaterra passaram quase batido a não ser por um modesto número 10 na parada de singles, com Northern Lights, em 1978.

A luxuriante mistura de folk, música erudita, rock e jazz, os vocais agudos de Annie Haslam produziram grandes discos: Prologue (1972), Ashes Are Burning (1973) e Scheherazade and Other Stories (1975). A guinada New Wave e brigas internas desmancharam o frágil Renaissance, que passou anos na geladeira ou fraturado em dois.

Desde que Annie Haslam e Michael Dunford revitalizaram o Renaissance, em 2009, a banda não parou mais de fazer shows. O falecimento de Dunford não deteve a veterAnnie, que até lançou material inédito de estúdio, em 2014.

Ano passado, os britânicos excursionaram pelo norte dos EUA e em diversos espetáculos tocaram com a Renaissance Chamber Orchestra. Mediante crowdfunding (vaquinha) entre fãs, conseguiram verba para financiar que uma das performances fosse filmada e lançada em CD duplo e DVD.

Assim, há algumas semanas saiu A Symphonic Journey, registro da apresentação no Keswick Theater, na cidade de Glenside, na Pennsylvania, dia 27 de outubro, de 2017. Este texto trata do CD duplo apenas.

Com carreira de décadas e repertório imenso, ficam lacunas, como a ausência de Northern Lights. Talvez pudesse estar no lugar de Island.

O Renaissance é o protótipo da banda de rock progressivo, que serve de alvo perfeito para detratores que sempre se queixaram da ausência de rock na fórmula. De fato, o único momento mais roqueirinho é a derradeira Ashes Are Burning e mesmo assim, porque é a hora em que cada músico tem seus segundos de brilho individual, então, há uma guitarra mais proeminente. Mas, o piano é jazz e o predomínio, claro, é orquestral.

Fãs do lado estritamente sinfônico não terão do que reclamar. A instrumentação é suiçamente precisa e a voz da setentona Annie Haslam impressiona pelo alcance e cristalinidade. A folky At The Harbour, com seu delicado arranjo, destaca à perfeição essa voz. Para quem gosta de virtuosismo aqui e acolá, Haslam ainda tem fôlego, como no apoteótico final de Mother Russia. Essas canções foram feitas com pretensões orquestrais, então os oboés e cordas caem perfeitamente. Mother está imperial, assim como A Song For All Seasons, Prologue e A Trip To The Fair, esta última também alvo perfeito para os acusadores das letras do prog sinfônico não passarem de desculpa para variações instrumentais. Que seja, mas é lindo.

Felizmente, foram incluídas faixas do renascimento desse milênio e que se encaixam muito bem aos clássicos sinfônicos dos 70's. A longa e variada Symphony Of Light e a maviosa Grandine Il Vento demonstram que o Renaissance deveria lançar mais material inédito de estúdio. Sem se preocupar em ser "acessível". Os fãs que restaram esperam outro Scheherazade & Other Stories.

Até porque já tentaram ser mais concisamente pop e de nada adiantou em termos de vendagens e paradas de sucesso. Há quarenta anos, um par de álbuns trouxe umas coisas mais tocáveis em rádio, tentativas que A Symphonic Journey não esquece, porque produziu gostosuras folk como Carpet Of The Sun e Kalynda, delicada balada pescada do desnorteado Azure d'Or (1979), no qual o Renaissance buscava em vão um novo rumo, após o terremoto disco music e o tsunami punk.

Ainda é muito prazeroso jornadear com o Renaissance.

Tracklist:

CD 1 (49:19)
1. Prologue (7:25)
2. Trip To The Fair (10:54)
3. Carpet Of The Sun (3:45)
4. At The Harbour (7:42)
5. Grandine Il Vento (6:48)
6. Symphony Of Light (12:45)

CD 2 (47:00)
7. Kalynda (3:55)
8. Island (5:57)
9. Mother Russia (9:55)
10. Song For All Seasons (10:58)
11. Ashes Are Burning (16:15)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Renaissance"


Milho Wonka: quem são os Posers do Rock hoje em dia?Milho Wonka
Quem são os Posers do Rock hoje em dia?

Linkin Park: Chester Bennington abre o jogo sobre seu vícioLinkin Park
Chester Bennington abre o jogo sobre seu vício

Lemmy: Eddie Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!Lemmy
"Eddie Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!"

Listed: TV americana elege os maiores bad boys da músicaListed
TV americana elege os maiores bad boys da música

U2: as 10 melhores músicas de todos os tempos da bandaU2
As 10 melhores músicas de todos os tempos da banda

The Big 4: como as quatro bandas elaboraram sua jamThe Big 4
Como as quatro bandas elaboraram sua jam

Pra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 1994Pra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 1994


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336