Powerwolf: Mais do mesmo, só que melhor

Resenha - Sacrament of Sin - Powerwolf

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Franklin Monteiro
Enviar Correções  

9

Em seu sétimo álbum de estúdio, "The Sacramento of Sin", lançado em 20 de julho de 2018 pela Napalm Records, apesar de seguir a mesma linha de seus álbuns anteriores, com um certo experimentalismo e influências diversificadas, mantém a qualidade dos mesmos. A capa continua excelente, dessa vez com mais elementos, cores, detalhes e mais conceitual.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O álbum inicia com "Fire &Forgive", épica, sombria e corais na introdução, preparando o ouvinte para o próximo ato, riffs certeiros e refrões bem elaborados, bem estilo Powerwolf.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Demons Are A Girl’s Best Friend", talvez a mais ‘’hard rock’’ das músicas do álbum, direta, com poucos coros e refrão simples, mas não deixa a desejar.

"Killer With the Cross" com uma pegada mais simples, mas sem perder o peso característico da banda, é uma faixa onde podemos notar uma clara influência da sonoridade do SABATON.

"Incense & Iron" é mais uma que passeia por sonoridades atípicas a banda, com uma influência folk e uma pegada mais SABATON novamente, o que não tira o mérito do grupo ao meu ver.

Em "Where the Wild Wolves Have a Gone", uma música com estilo diferente das anteriores. Soando mais épica e lenta com um instrumental excelente e um vocal sempre bem trabalhado de Atilla Dorn.

"Stossgebet" com letra em alemão e latim, bem criativo por sinal, é uma faixa realmente incrível e leve.

"Nightside of Siberia" faixa bem trabalhada lembrando muito a sonoridade de AMON AMARTH é a minha preferida do disco. O peso aliado as boas melodias das guitarras, que seguem a linha do refrão, são destaque nessa faixa excelente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"The Sacramento of Sin" faixa-título do álbum, não poderia ser a melhor escolhida. Aqui ouvimos o velho e bom POWERWOLF, veloz, um poderoso refrão e o órgão de tubos, um tanto ausente no álbum.

"Venon of Venus" está faixa continua com a pegada característica da própria banda, abusando dos corais tão notáveis no seu trabalho.

"Nighttime Rebel" soa bem diferente, mostra mais uma experimentação da banda tentando novos rumos em relação a sonoridade. É uma faixa boa que pode servir de ponto de partida para novos conceitos dentro do POWERWOLF.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O álbum finaliza com "First by First (Sacralize or Strike), com corais, melodias, velocidade, refrão cativante, tudo dentro do script, mas contendo novamente elementos novos em relação a sonoridade que estávamos acostumando a ouvir até aqui, ao longo de sua discografia.

No fim das contas, é um álbum excelente, que mostra que a banda tentou até certo ponto expandir seus horizontes sonoros, mas sem perder sua essência original.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

publicidade

Powerwolf – The Sacramento f Sin
1. "Fire & Forgive"
2. "Demons Are a Girl's Best Friend"
3. "Killers with the Cross"
4. "Incense and Iron"
5. "Where the Wild Wolves Have Gone"
6. "Stossgebet"
7. "Nightside of Siberia"
8. "The Sacrament of Sin"
9. "Venom of Venus"
10. "Nighttime Rebel"
11. "Fist by Fist (Sacralize or Strike)"
Total

Banda:
Attila Dorn – vocais
Matthew Greywolf – guitarra
Charles Greywolf – guitarra, baixo
Roel van Helden – bateria, percussão
Falk Maria Schlegel – órgão, teclados

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1986Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1986


Sobre Franklin Monteiro

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

WhiFin Cli336 CliIL Cli336 Cli336 Cli336 WhiFin Cli336