Matérias Mais Lidas

imagemO mega sucesso do Led Zeppelin que era pra ser uma piada mas se tornou um hino

imagemDave Mustaine perde a compostura e xinga membro da equipe do Judas Priest

imagemA banda de hard rock dos anos 1970 que é a queridinha de Xande de Pilares

imagemMorre Patricia Kisser, esposa do guitarrista Andreas Kisser

imagemMetallica em "Stranger Things" deixa fãs preocupados com a "popularização" da banda

imagemKirk Hammet, Zakk Wylde e Dave Mustaine falam sobre Randy Rhoads

imagemGuns N' Roses: A crítica de Portnoy ao trabalho de Matt Sorum

imagemLed Zeppelin ou Pink Floyd, qual dos dois vendeu mais discos de estúdio?

imagemAerosmith: Steven Tyler deixa reabilitação e morre esposa de Joey Kramer

imagemAxl Rose teria sofrido ataque de ansiedade antes de show, diz jornal

imagemO que Lemmy Kilmister aprendeu trabalhando como roadie de Jimi Hendrix

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemFilho de Trujillo fez guitarra na "Master of Puppets" que toca em Stranger Things

imagemAngra: vídeos e setlist de show celebrando "Rebirth" em SP, com convidada especial

imagemMédico que tratou câncer de Mustaine escreveu letra de faixa do Megadeth


Airbourne 2022

Judas Priest: banda soa atualizada e intensa em "Firepower"

Resenha - Firepower - Judas Priest

Por Igor Miranda
Fonte: IgorMiranda.com.br
Em 09/03/18

Nota: 8

Admito: nunca fui grande fã de Judas Priest. Poderia selecionar apenas alguns de discos da extensa discografia da banda - 18 álbuns no total - como grandes destaques aos meus ouvidos, como os clássicos "British Steel" (1980) e "Screaming For Vengeance" (1982), os pesados "Painkiller" (1990) e "Jugulator" (1997) e os registros iniciais "Sad Wings of Destiny" (1976) e "Stained Class" (1978). Não significa, de forma alguma, que seja uma banda ruim: apenas não sou admirador de carteirinha.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Dito isso, já posso destacar que "Firepower" entra para a galeria dos meus discos preferidos do Judas Priest. É, ainda, o melhor trabalho lançado pela banda neste século. "Demolition" (2001), ainda com Tim "Ripper" Owens, não tem fôlego; "Angel of Retribution" (2005), que marca o retorno de Rob Halford, não mostra a que veio; "Nostradamus" (2008), exagera no épico e é cansativo; e "Redeemer of Souls" (2014) soa como um registro de banda de garagem - até os membros do Priest já revelaram, pelas entrelinhas, que não gostaram de como o disco soou.

Demorou um bom tempo para o Judas Priest voltar a acertar a mão. Todavia, antes tarde do que nunca: "Firepower" é um registro de qualidade e mostra não só uma banda pouco disposta a se aposentar, como, também, um grupo que está buscando atualizar sua sonoridade sem esquecer de sua história.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Alguns destaques entre as músicas de "Firepower":

- A faixa título, que abre o disco, é, sem exageros, uma das melhores da carreira do Judas Priest. O adjetivo "feroz" é perfeito para descrevê-la, pois é pesada e veloz além da conta. As bases de guitarra bem construídas por Glenn Tipton e Richie Faulkner e a bateria intensa de Scott Travis são os destaques.

- "Children Of The Sun" também aposta na cadência, mas de uma forma mais pulsante. O peso da cozinha, formada por Travis e pelo baixista Ian Hill, é uma verdadeira aula para quem quer praticar heavy metal bem tocado.

- "Rising From Ruins", muito melódica, tem passagens instrumentais que grudam na cabeça. É incrivelmente bem composta, uma música completa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- "Flame Thrower", quase hard rock, conta com riffs incríveis e um groove que sai do lugar comum. É performática e deve agradar nos shows, caso seja tocada.

- "Spectre", que aposta no heavy tradicional, tem batida mais cadenciada e riffs bem puristas - Halford chega a incorporar King Diamond no meio da canção.

- "Lone Wolf" impressiona por sua influência doom. É uma das canções mais pesadas do disco e, provavelmente, dos últimos álbuns do Priest.

Comentários sobre todas as 14 faixas do disco estão no texto integral, disponível no link abaixo.

http://www.igormiranda.com.br/2018/03/resenha-judas-priest-firepower-review.html

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No geral, além de ser o melhor disco do Judas Priest em 20 anos, "Firepower" mostra que a banda não está disposta a repetir fórmulas - muitas delas, criadas pelo próprio grupo e repetidas por sucessores no heavy metal. Aqui, o Priest explora diversos momentos de sua carreira - o speed metal de "Painkiller", o heavy clássico de "British Steel" e até o hard n' heavy dos anos 1970 - e inclui até referências externas, como passagens típicas de doom metal e insights semelhantes aos de álbuns da carreira solo de Rob Halford.

As composições soam renovadas, a produção de Tom Allen e Andy Sneap - que será guitarrista da turnê de divulgação após o Mal de Parkinson de Glenn Tipton ter avançado - tem muitos méritos e a performance técnica de cada integrante, incluindo o jovem Richie Faulkner, é digna de aplausos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com exceção de uma ou duas faixas, lá para o meio do disco, que não convenceram tanto e de algumas letras que poderiam ir além do ficcional, "Firepower" é consistente por completo. Tem cara de clássico. Quem gosta de heavy metal não pode deixar esse disco passar.

Rob Halford (vocal)
Glenn Tipton (guitarra)
Richie Faulkner (guitarra)
Ian Hill (baixo)
Scott Travis (bateria)

1. Firepower
2. Lightning Strike
3. Evil Never Dies
4. Never the Heroes
5. Necromancer
6. Children of the Sun
7. Guardians
8. Rising from Ruins
9. Flame Thrower
10. Spectre
11. Traitors Gate
12. No Surrender
13. Lone Wolf
14. Sea of Red

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Firepower - Judas Priest

Resenha - Firepower - Judas Priest

Resenha - Firepower - Judas Priest

Resenha - Firepower - Judas Priest

Resenha - Firepower - Judas Priest

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Judas Priest: Ripper Owens não entende porque rejeitavam fazer turnê com o Iron Maiden


Garimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda.