Dixie Heaven: Heavy Metal puro e simples

Resenha - Riding the Thunder - Dixie Heaven

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo M. Brauna
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Muito legal ver que bandas brasileiras estão atingindo patamares de qualidade muito grandes em suas composições. A DIXIE HEAVEN que se formou em 2011 em Duque de Caxias/RJ, é um dos grupos que possuem essa moral.

Chris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morteLars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' Roses

Em 2016, Villu Castelo (vocal), Anderson Lima e Fran Castelo (guitarras), Cesar Tavares (baixo) e Murilo Marinho (bateria) debutaram com este "Riding the Thunder" e o que se vê em suas dez músicas é muita técnica, peso e entrosamento.

Apesar de o grupo fazer power metal, um estilo conhecido pela melodia afiada e pela fúria dosada, a complexidade existente em alguns trechos não ofusca a simplicidade, ou seja, quando os riffs assumem uma direção mais reta como em "The Wicked", o que se tem é música pesada sem cerimônia, ou se o ouvinte prefere variações, "No Pain, No Gain" com seu ritmo cadenciado pode completar o seu interesse. E atenção para o vocal de Villu (como canta, essa menina!).

Partes em que os arranjos dão a tônica podem ser encontradas em canções como "Under the Mirror of Dreams", que divide seus mais de oito minutos em partes pesadas e progressivas, mas calma! Não é nada do tipo DREAM THEATER, quanto a isso não se preocupe que seu pâncreas está a salvo. Portanto, você também pode ouvir "When the Eagle Flies" com a mesma intensidade, porque neste CD o heavy metal com "H" maiúsculo é quem dita as regras.

Além das influências da "alegórica" banda norte-americana citada, o álbum conta com referências de nomes como IRON MAIDEN em "Running from Reality" e uma pegada "priestiana" em "Blind War" de tirar o fôlego. Vida longa ao batera que não perdoa as peles nesta canção e em outras como na faixa título e em "The Wicked".

São nove músicas que fazem ferver o sangue com tantos riffs e solos, mas o décimo tema, "Waste of Time", se resume na leveza que ninguém podia esperar. É a calmaria através da tormenta cantada em voz suave e acompanhada pelos teclados de Álvaro Santos, músico convidado.

Com produção dirigida pelo próprio Fran Castelo, "Riding the Thunder" foi gravado no Kolera Studios, sendo que a mixagem e masterização foram feitas por Celo Oliveira. A capa do álbum foi desenvolvida por Jean Michel da DSNS - Designations Artwork. Heavy metal bem tocado, bem cantado e bem produzido. É disso que o Brasil precisa.

Track list:

1-Allohria
2-The Wicked
3-Riding the Thunder
4-Skies Will Fall
5-No Pain, No Gain
6-Under the Mirror of Dreams
7-When the Eagle Flies
8-Running from Reality
9-Blind War
10-Waste of Time




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dixie Heaven"


Chris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morteChris Cornell
Relatório policial descreve últimas horas e morte

Lars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' RosesLars Ulrich
Jucando no camarim do Guns N' Roses

Porn Metal: Filmes para inspirar os headbangers solitáriosPorn Metal
Filmes para inspirar os headbangers solitários

G.G. Allin: o extremo dos extremosG.G. Allin
O extremo dos extremos

Musos do Heavy Metal: Agora é a vez das garotas!Musos do Heavy Metal
Agora é a vez das garotas!

Slipknot: Corey Taylor treta com fã e expulsa o cara do showSlipknot
Corey Taylor treta com fã e expulsa o cara do show

Warrel Dane: Jeff Loomis lamenta morte e revela conversa sobre reuniãoWarrel Dane
Jeff Loomis lamenta morte e revela conversa sobre reunião


Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336