Aske: uma banda que já está madura o suficiente

Resenha - Broken Vow - Aske

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ivison Poleto dos Santos
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

EPs são muito legais de resenhar. São geralmente curtos o suficiente para dar uma ideia do que a banda tem a apresentar e não levam muito tempo para resenhar. Este Aske "Broken Vow" tem apenas cinco faixas e mais ou menos dezessete minutos de duração, o que foi suficiente para perceber que o Aske é uma banda que já está madura o suficiente e no caminho exato para ganhar o mundo metálico. "Broken Vow" é o resultado sonoro de apenas dois músicos, algo que graças à tecnologia está ficando cada vez mais comum. Os dois músicos do Aske trilham em "Broken Vow" um caminho bastante peculiar dentro do metal extremo, e é bastante difícil encaixá-los em qualquer um dos subgêneros existentes. Nós todos sabemos o quanto é difícil para uma banda fazer isso.

Paixão nacional: o futebol e os roqueiros britânicosSeguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundo

"Broken Vow" é um álbum que quebra muitas regras dentro do metal extremo. O Aske teve a coragem de incluir nas cinco faixas referências que vão desde o thrash oitentista furioso, mas cheio de groove com o poder e a fúria do death metal dos anos 1990.

A primeira faixa "Meadows in Shade" começa com claras referências do thrash oitentista com o groove característico de bandas como o Pantera e o Sepultura. É uma faixa bastante caracterizada pelas palhetadas quebradas tão comuns nos riffs do gênero. Começa bem o massacre sonoro que ainda está por vir. A segunda faixa é um death metal dos anos 1990 bastante furioso e rápido. O Aske não deixa nada a desejar novamente, mas o melhor ainda está para vir.

Se você já ficou impressionado com a mistura de estilos realizada nas duas primeiras faixas, esta terceira "Broken Vows" vai te deixar embasbacado. Eu ainda ouso sugerir que você começa a audição por ela. A música traz um riff de guitarra cativante, daqueles que te dá vontade de balançar a cabeça o tempo todo aliado a um vocal que se encaixa tão bem que dá vontade de cantar junto. Veja bem! Uma banda de metal extremo que produz uma música que dá vontade de cantar junto! É pouco isso! Eu realmente não esperava. E digo que se houvesse justiça neste mundinho besta, "Broken Vow" estaria tocando em todas as rádios deste mundo.

Tendo atingido o topo em "Broken Vow", o Aske faz o caminho de volta. As faixas "Mardi Gras" e "Übermensch" repetem a fórmula de uma música om influência thrash para cair em outra que desembesta em um death metal furioso. Não posso dizer que não gostei.

O Aske em "Broken Vows" nos faz lembrar de uma regra muito importante do mundo do Metal: não há regras! Ah, e mais uma coisa muito importante. Na faixa "Übermensch" a banda brinca com conceitos filosóficos apresentados por Nietzsche em "E assim falou Zaratustra". E ainda tem gente por aí achando que no Metal só existem cabeças de vento. Tsc, tsc, tsc.

Lista de músicas:

1 - Meadows in Shade
2 - Menschwerdung
3 - Broken Vows
4 - Mardi Gras
5 - Übermensch

"Broken Vow"'só está disponível digitalmente. Você pode ouvir e adquirir em diversas mídias sociais como Spotify, Deezer, Napster, iTunes e outros.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por escolha do autor os comentários foram desativados nesta nota.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Aske"


Paixão nacional: o futebol e os roqueiros britânicosPaixão nacional
O futebol e os roqueiros britânicos

Seguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundoSeguidores do Demônio
As 10 bandas mais perigosas do mundo

Jim Morrison: ele está vivo e criando cavalos nos EUA?Jim Morrison
Ele está vivo e criando cavalos nos EUA?

Megadeth: Mustaine fala sobre satanistas, gays e gatosTradução - Dark Side Of The Moon - Pink FloydLinkin Park: Warner tentou se livrar de Shinoda nos anos 2000Korn: "fiquei puto com a conversão de Brian, odeio esta coisa cristã", diz Jonathan Davis

Sobre Ivison Poleto dos Santos

Veterano das guerras metálicas. Pesquisador, escritor, resenhista, músico frustrado (por isso tudo o anterior). Ao contrário da opinião comum, acho que o melhor do Metal ainda está por vir e que existem grandes bandas novas por aí. Só procurar. No meu caso elas vêm até mim.

Mais matérias de Ivison Poleto dos Santos no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336