Caligula's Horse: Mistura de Pomegranate Tiger e City and Colour

Resenha - In Contact - Caligula's Horse

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Cunha
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Formado em meados de 2011, o grupo de Brisbane (Austrália), liderado por Sam Vallen e Jim Gray, se define como uma banda de rock "progressivo/alternativo" com cardápio para públicos de paladares diversificados dentro do universo musical. Porém, na minha tentativa pessoal de situá-los, os definiria como uma mistura perfeita de "Pomegranate Tiger" e "City and Colour", o que contudo NAO clarifica muito as coisas, mas que delimita uma linha de pensamento para a compreensão da música feita pela banda.

Max Cavalera: A opinião de Lemmy, Kiko Loureiro, Vinnie Paul e outrosSons Of Anarchy: a obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!

"In Contact" (2017) quarto disco, é um trabalho conceitual que discursa sobre "a natureza da arte e da criatividade" que atua como "uma celebração do que nos conecta como seres humanos nos espaços por nós compartilhados em nossas muitas formas de manifestar-mo-nos. O conceito se divide em quatro histórias profundamente pessoais nas quais figuram personagens com cargas particulares de esperança e de tragédia". Salientando que este é o primeiro trabalho com os recém-chegados Adrian Goleby (guitarras) e Josh Griffin (bateria) que substituem Zac Greensill e Geoff Irish, respectivamente.

O conceito do álbum gira em torno da tragédia, a mesma tragédia que parece ter me guiado para os momentos que considero mais marcantes do álbum: "Capulet", que alude a Romeu e Julieta, de Shakespeare; "Inertia and the Weapon of the Wall", que consiste de um solilóquio de três minutos, cujo tom dramático evoca instantaneamente o Bardo (confesso que achei um pouco longa e chata, mas que se justifica no disco pelo o poder do discurso); e "The Cannon's Mouth", que talvez seja o momento de maior profusão de sentimentos do disco. Quanto a "Graves", faixa de quase 16 minutos... Bem, ouça e tire suas conclusões.

Tracklist:
To The Wind
01-Dream The Dead (8:11)
02-Will's Song (Let The Colours Run) (4:42)
03-The Hands Are The Hardest (4:26)
04-Love Conquers All (2:21)

The Caretaker
05-Songs For No One (7:43)
06-Capulet (3:23)

Ink
07-Fill My Heart (6:42)
08-Inertia And The Weapon Of The Wall (2:57)
09-The Cannon's Mouth (5:56)

Graves
10-Graves (15:31)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Caligula's Horse"


Max Cavalera: A opinião de Lemmy, Kiko Loureiro, Vinnie Paul e outrosMax Cavalera
A opinião de Lemmy, Kiko Loureiro, Vinnie Paul e outros

Sons Of Anarchy: a obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!Sons Of Anarchy
A obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!

Guns e Sabbath: semelhança entre Zero the Hero e Paradise CityGuns e Sabbath
Semelhança entre Zero the Hero e Paradise City

Andre Matos declara: O Angra tinha que acabar!Andre Matos declara
"O Angra tinha que acabar!"

Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaHetfield
Egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica

Steven Tyler: Há algo mais estranho no pé dele do que as unhas pintadasSteven Tyler
Há algo mais estranho no pé dele do que as unhas pintadas

Kerry King: velho, gordo e careca? Está falando de mim, seu babaca?Kerry King
Velho, gordo e careca? Está falando de mim, seu babaca?


Sobre Ricardo Cunha

Apaixonado por música e estudante de Filosofia, juntou os interesses para escrever principalmente sobre rock e metal.

Mais matérias de Ricardo Cunha no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336