Accept: O primeiro passo, de uma longa caminhada

Resenha - Accept - Accept

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Sobreira
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A região da Germânia foi registrada pelos romanos ainda antes do ano 100, e desde 03 de outubro de 1990, é conhecida como República Federal da Alemanha (Bundesrepublik Deutschland). Ao longo dos séculos, foi palco de inúmeras mudanças de sistemas governamentais e guerras, bem como se tornou o centro da Europa, durante a maléfica ditadura de Adolf Hitler e seu Partido Nazista... Tais linhas, nem sequer de longe resumem a história dessa nação, mas talvez seja o suficiente, para relacionarmos com a força do Metal/Heavy Rock vindo de lá, que conquistaria o mundo, com suas centenas de bandas.

U.D.O.: turnê pela América Latina em 2020Music Radar: Os maiores frontmen de todos os tempos

Umas das bandas, que fez história e até hoje é prestigiada, é sem dúvidas o Accept, que teve seu início no final dos anos 60, sob o nome Band X, e a partir de 1976 assumiu de vez o nome que os levaria para além de sua terra natal.

Contando com Udo Dirkschneider (vocal), Wolf Hoffmann (guitarra), Jörg Fischer. (guitarra), Peter Baltes (baixo e vocal) e Frank Friedrich (bateria), o Accept lançou em janeiro de 1979 o seu primeiro disco - de muitos - auto intitulado 'Accept', pela gravadora Metronome Music GmbH, totalmente cantado em inglês e com uma imagem de capa bem curiosa, exibindo uma mulher bem vestida, empunhando uma serra elétrica(!).

Do ponto de vista (e audição) da sonoridade, o Heavy Metal com ecos do Hard Rock da época, energético e inspirado pelos ingleses do Judas Priest, ainda dava seus primeiros passos em busca de uma identidade mais definida, mas o trabalho em questão, pode ser descrito facilmente como um estréia interessante, bem executado e audacioso, e com boas músicas - fruto do trabalho de composição de todos os integrantes.

Com uma pegada envolvente, e um refrão fácil que causa uma impressão mais "comercial", "Lady Lou" é o ponto de partida, que logo cede espaço para "Tired of Me", que também não abre mão de um refrão pegajoso, mas apresenta uma cara mais Metal. Em "Seawinds", o baixista Peter Baltes assume os vocais em um clima até meio melancólico, e com uma letra (que dali em diante ficaria) um pouco melhor elaborada. Levantando os ânimos novamente "Take Him in My Heart" apresenta um pouco do que se ouviria na NWOBHM, enquanto que "Sounds of War" (a segunda cantada por Baltes) fala dos receios das guerras, com solos sendo despejados em profusão, mostrando o talento não apenas dos guitarristas, mas da banda em si.

Entrando a todo vapor, "Free Me Now" espanta pela sua constante velocidade, onde o disco só é abrandado temporariamente com a seguinte "Glad to be Alone", na mesma linha de "Seawinds", no entanto mais diversificada. "That's Rock'n'Roll" traz de volta a velocidade, mas com uma dose extra de agressividade. Essa por sua vez, guardadas as devidas proporções, foi mantida em "Helldiver" e "Street Fighter", que encerram com classe 'Accept'.

Para finalizar, como o baterista Frank Friedrich não queria continuar sua carreira como músico, profissional, saiu da banda antes do lançamento oficial, e foi substituído por Stefan Kaufmann, que tocaria nos próximos 9 'full lengths', e só sairia definitivamente em 1994, por problemas de saúde. Em suma: dê uma boa conferida neste registro, pois vale muito a pena!

Banda:
Udo Dirkschneider (vocal);
Wolf Hoffmann (guitarra);
Jörg Fischer (guitarra);
Peter Baltes (baixo e vocal nas faixas 3 e 5);
Frank Friedrich (bateria)

Músicas:
1. Lady Lou
2. Tired of Me
3. Seawinds
4. Take Him in My Heart
5. Sounds of War
6. Free Me Now
7. Glad to Be Alone
8. That's Rock 'n' Roll
9. Helldriver
10. Street Fighter.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Accept"


U.D.O.: turnê pela América Latina em 2020

AC/DC: Udo diz que ninguém o chamou e comenta atuação de Axl RoseAC/DC
Udo diz que ninguém o chamou e comenta atuação de Axl Rose

Accept: Accept
"Por que a banda não reconhece Eat The Heat?", pergunta David Reece

Accept: quando a banda criou polêmica com marcha nazistaAccept
Quando a banda criou polêmica com marcha nazista


Music Radar: Os maiores frontmen de todos os temposMusic Radar
Os maiores frontmen de todos os tempos

Metal contra o câncer: festival aceita Metal contra o câncer
Festival aceita "cabelo" como ingresso

King Diamond: As opiniões do rei sobre SatanismoKing Diamond
As opiniões do rei sobre Satanismo

Fotos de Infância: Ozzy OsbourneBackmasking: Existem mensagens ao inverso em discos de rock?Jason Newsted: Ele abandonou o colegial e lavou pratos antes de ser famosoMax Cavalera: relembrando vomitada em Eddie Vedder

Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336