Dark Avenger: Uma obra prima do Metal Nacional

Resenha - Beloved Bones - Dark Avenger

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Celso Alves de Freitas
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

"Em um clima beligerante e desesperado, RACIONAL e EMOCIONAL se confrontam tentando manter suas posições na batalha pelo EU. O EMOCIONAL encara o RACIONAL como um obscuro inimigo interno. Por outro lado, o RACIONAL enxerga o EMOCIONAL como a parte frágil da personalidade que está conduzindo o EU para sua própria destruição..."

Dark Avenger: a despedida precoce de uma lenda do metal brasileiroSlash: Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?

Todos que me conhecem sabem o quanto eu amo música, eu não ouço apenas por ouvir, eu sinto a música, eu me envolvo fisicamente, psicologicamente e espiritualmente.

Quando comecei a ouvir Heavy Metal há quase 20 anos atrás, houve um motivo especial para tal. E não foi com o intuito de me tornar um adolescente rebelde, ou para ter um visual obscuro, nem para me enturmar ou buscar um novo ciclo de amigos, e muito menos para aparentar ser mais diferente do que eu já era de todos os meus colegas, amigos e familiares à minha volta (como todos à minha volta pensaram). Quando lemos determinado livro, criamos todo um roteiro da história em nossa mente, moldamos os personagens, os cenários, as situações e criamos um "filme particular" no nosso consciente, como se entrássemos dentro do livro e passássemos de meros leitores à expectadores de perto de tudo que acontece ali, assim, criando o nosso ponto de vista.

Ao ouvir Heavy Metal pela primeira vez, foi como se eu tivesse sido arrebatado do mundo, e o principal motivo que me fez me encantar com este estilo é que as músicas nos levam pra outra atmosfera... nos fazem desligar do mundo e viajar para outra dimensão... nos fazem criar um "filme particular", assim como nos livros... É algo que somente quem aprecia o estilo tanto quanto eu consegue compreender e explicar, é algo muito particular. Mas um detalhe importante é que não são todas as músicas que provocam essa sensação em mim, na verdade são poucas músicas e poucos discos, como Operation: Mindcrime do Queensryche, Temple of Shadows do Angra, The Black Halo do Kamelot, Symphony of the Enchanted Lands Part II do Rhapsody, Scenes from a Memory do Dream Theater, o homônimo do Masterplan, Abigail do King Diamond, Symbolic do Death... dentre outros. Mas um disco à partir de agora passa a fazer parte desta lista: "THE BELOVED BONES" do experiente e competente Dark Avenger, liderado por Mario Linhares e Glauber Oliveira.

The Beloved Bones é um trabalho conceitual consistente, com um instrumental extremamente pesado, harmonioso, melódico e técnico no ponto certo, linhas vocais fortes com uma interpretação majestosa de um dos melhores vocalistas da história do Metal Nacional. Com pleno domínio da voz, Mario Linhares, um guerreiro que escreveu essa obra enquanto lutava contra um Câncer na coluna, dá um show de interpretação, técnica e feeling, mesclando técnicas de canto lírico, drives com power creaky voice, screams, guturais e backings muito bem elaborados e empregados. Letras muito bem escritas, que nos causam uma reflexão sobre o nosso próprio EU, um solilóquio abordando a eterna batalha entre a RAZAO e a EMOÇAO. E um dos pontos altos do disco: uma produção CINEMATOGRÁFICA.

O disco já começa nos "teleportando" para outra dimensão com a faixa título, um Heavy Metal primoroso com uma introdução maravilhosa com um violino e muitos elementos de música erudita, um clima obscuro bem no estilo do "Savatage", e um refrão sensacional, todos os ingredientes necessários para que o disco nos convide à escutarmos toda a obra por inteiro, e ao longo da audição deste trabalho, pude ouvir e sentir tudo o que espero ao "dar o play" em um album de Heavy Metal.

Enfim, sem mais delongas, o disco em si é uma Obra Prima por completo, vou optar por não expor as canções que considero como pontos altos na obra, na verdade o disco em si já é o ponto alto da carreira do Dark Avenger, e tem tudo para trazer novamente o reconhecimento que o Metal Nacional merece tanto fora como dentro do país. É um disco que une várias vertentes, como Death, Thrash, Power e Prog, e os autores merecem respeito e prestígio por terem conseguido fazer isso sem soar como um amontoado de sons e técnicas que juntas costumam não fazer sentido algum, e na maioria dos casos, acabam se tornando "informações demais" para o ouvinte processar, o que não ocorre neste caso.

THE BELOVED BONES é, na minha opinião, a melhor produção do estilo no metal nacional desde Temple of Shadows do Angra (2004).

Vale o play, vale ter esse trabalho na sua coleção!

Dark Avenger - The Beloved Bones (2017)
[Independente]

01 - The Beloved Bones
02 - Smile Back To Me
03 - King For A Moment
04 - This Loathsome Carcass
05 - Parasite
06 - Breaking Up Again
07 - Empowerment
08 - Nihil Mind
09 - Purple Letter
10 - Sola Mors Liberat
11 - When Shadow Falls


Outras resenhas de Beloved Bones - Dark Avenger

Dark Avenger: Um disco riquíssimo de detalhes




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dark Avenger"


Dark Avenger: a despedida precoce de uma lenda do metal brasileiro

Mario Linhares: Mario Linhares
"Obrigado Carlinhos Brown, você se tornou um gigante"

Covers: quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributoCovers
Quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributo


Slash: Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?Slash
Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?

Slash: chapação, a louca e atraente Fergie e Axl RoseSlash
Chapação, a louca e atraente Fergie e Axl Rose

Metallica: sobre o que fala Metallica
Sobre o que fala "For Whom The Bell Tolls"

Queen: uma interpretação da letra de "Bohemian Rhapsody"Guitar Hero: veja como o jogo desgraçou uma geração inteiraElvis Presley: cantor estava quase cego quando morreu?Guns N' Roses: a história das tours, de 85 a 2007

Sobre Celso Alves de Freitas

Natural de Belo Horizonte MG, começou a se interessar por Rock quando ouviu um disco do Scorpions, emprestado pelo cunhado quando ainda era criança, daí em diante buscou conhecer as melhores bandas da história do Rock se tornando Fã declarado de Rock e Metal Clássico e de bandas como Queen, Pink Floyd, Bon Jovi, Queensrÿche e Whitesnake. Celso é vocalista de Heavy Metal e atualmente lançou um CD com sua banda de Metal Cristão, Allos.

Mais matérias de Celso Alves de Freitas no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336