Matérias Mais Lidas

imagemO hit da Legião Urbana cuja letra fala sobre esperança de Renato em se curar da AIDS

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio

imagemFãs de Stranger Things do Tik Tok querem cancelar o Metallica

imagemPrika: "Já esperava saída da Fernanda, mas só em longo prazo e não naquele momento"

imagemPodcast diz que prática comum no black metal hoje seria "coisa de esquerdomacho"

imagemA canção do Rush que tira sarro de balada clássica do Kiss

imagem"Babá de Artista" do Rock in Rio diz que Iron Maiden não dá trabalho e são "gentleman"

imagemIngressos para o Wacken 2023 se esgotam em tempo recorde

imagemA lenda do Rock que se arrepende de nunca ter dormido com Jimi Hendrix

imagemBlack Sabbath: Ozzy e Iommi sobem ao palco para tocar clássicos na final do Commonwealth

imagemNando Reis e a enigmática música que ele queria usar para seduzir Marisa Monte

imagemO hit dos Engenheiros do Hawaii com citação de canção soviética sobre defender a pátria

imagem"Farsa" da Mobile Fidelity abre crise no conceito de "áudio puramente analógico"

imagemDinho lembra quando entrevistou Robert Plant sem poder falar sobre Led Zeppelin

imagemTom Morello explica por que o RATM se reúne, mas não lança novas músicas


Stamp

Erasure: mantendo a chama do synthpop oitentista

Resenha - Violet Flame - Erasure

Por Roberto Rillo Bíscaro
Em 30/05/17

Nota: 8

O Erasure é da geração synth-pop da segunda metade dos anos 80. Andy Bell e Vince Clark cravaram diversos sucessos; trintões em diante se recordarão de Oh L’Amour, Give a Little Respect e Blue Savannah.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Como ocorre com todo artista, passado o período áureo de exposição na mídia e execução radiofônica, apenas a base de fãs leais conquistada durante o apogeu saberá que fulano ou beltrano ainda lança álbuns. Com o Erasure não é diferente: nunca realmente pararam de produzir material, ainda gravam pela Mute Records, mas seus álbuns passam batido do grande público. Mesmo assim, o álbum de 2014, The Violet Flame, conseguiu um quarto lugar na parada indie britânica. Mas, na oficial não passou do vigésimo.

Os concisos 38 minutos dentro dos quais se distribuem as dez canções do décimo-sexto LP dos britânicos provam duas coisas já na primeira audição.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

1) a idade apurou os vocais de Andy Bell, outrora propensos à cabritice;

2) o tecladista Vince Clark não tem mais necessidade ou criatividade de/para ser bombástico. Numa lista de riffs de teclado mais marcantes dos anos 80, ele facilmente paparia duas entradas devido aos divinos sintetizadores de Don’t Go e Situation, de sua fase Yazoo. Agora, ainda há momentos gostosos, mas integrados à estrutura das canções, bastante parecida uma das outras, aliás.

The Violet Flame é predominantemente dançável, mas sem o nervosismo e a zoação electro da atualidade; é synth pop tradicional safra virada dos 80’s para os 90’s. Mas, como as tias não vivem numa bolha de plástico, há respingos de contemporaneidade, como as frações de segundo quando os teclados assumem som de videogame vintage, em Promises, lembrando a dupla canadense Crystal Castles.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O álbum jamais será acusado de original; todos os ritmos e sonoridades já foram ouvidos e testados/dançados pelos mais antigos, mas isso não significa falha em despertar interesse. The Violet Flame é muito agradável, exceto pela lentosa Smoke and Mirrors que pretende ser sombria, mas tem produção leve demais para tal. O Erasure acertou em continuar sendo mais dançante, forte do duo.

Confortável como um sapato velho, The Violet Flame não tocou em rádios (pena, a grudenta Dead of Night merecia exposição) nem deve ter atraído novos fãs. Mas, manteve a chama dos admiradores antigos que ganharam mais material para dançar nas turnês de Bell e Clark.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Tracklist
1. "Dead of Night" 3:16
2. "Elevation" 4:17
3. "Reason" 3:43
4. "Promises" 3:46
5. "Be the One" 3:43
6. "Sacred" 4:06
7. "Under the Wave" 3:46
8. "Smoke and Mirrors" 3:48
9. "Paradise" 3:23
10. "Stayed a Little Late Tonight" 3:51

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Kiss: como foi demitir Eric Carr em seu leito de morte

O Whiplash.Net protege algumas bandas e prejudica outras?


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro.