Jailor: Thrash rápido e pesado com agressividade vocal

Resenha - States of Tragedy - Jailor

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Gabriele Moura
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

Fazer thrash metal no brasil virou tradição, a cada canto que se olha tem dezenas de bandas thrash, por isso o som já está tão assimilado e desgastado que nem tem mais tanta graça de ouvir. A Jailor apostou em um thrash rápido e pesado, com agressividade vocal que lembra um pouco o thrash old school do Slayer e Exodus com elementos speed metal, uma mistura clássica, tão clássica como o próprio thrash metal no Brasil, a questão é que, mesmo apostando em algo que já virou rotina, a banda executa tão bem como os próprios Slayer e Exodus. A maestria com que a banda apresenta seu som é madura, o que, mesmo sendo algo já desgastado, dá gosto de ouvir.

Rock in Rio: Os cachês e exigências dos artistas na edição de 1991Andreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


A abertura do disco é desnecessária, aqueles 34 segundos não agregam absolutamente nada, então é meio estranho coloca-los ali. "Human Unbeing" é a faixa que verdadeiramente abre o álbum, ela é rápida, pesada, com um vocal agressivo, com "paradinhas" em momentos estratégicos para quebrar um pouco a agressividade para em seguida retornar com a mesma, típica canção de thrash, mas é uma boa música, uma boa execução e gostei muito do vocal, pois ele faz um agudos que mudam um pouco o que se espera.

Elejo a melhor canção do álbum a "Jesus Crisis", ela me lembra muito Slayer, o vocal se assemelha muito e a velocidade na bateria e guitarra também, e como Slayer é uma das minhas bandas favoritas, automaticamente está canção me agradou muito. Gosto do refrão dela, que é, de certa forma, mais parada, mas isso agrega movimento à música, e é uma tática inteligente para acalmar a pancadaria e em seguida retomar com mais agressividade. A faixa "Merciless Punishment" também merece destaque, justamente pela introdução diferenciada. O disco se encerra com "Six Six Sickness", mais uma clássiquinha thrash bem feita e executada.

Mesmo com uma execução impecável, onde tudo se encaixa muito bem, com uma harmonia fantástica e um vocal agressivo, potente e bem treinado, eu não ouvi nada de mais. Thrash é algo natural, muitas bandas fazem, e muitas acertam como o Jailor acertou, não há aquele diferencial que torne a banda e o disco especial.

NOTA: 10 (Nota dada pela execução impecável, pois se fosse levar em conta a mesmice a nota seria muito inferior).

Tracklist

1 - G.O.D.
2 - Human Unbeing
3 - Stats of Tragedy
4 - Throne of Devil
5 - Merciless Punishment
6 - Jesus Crisis
7 - The Need of Perpetual Conflict
8 - Ephemeral Property
9 - Six Six Sickness

Line - Up

Flávio Wyrwa - Vocal
Alessandro Guima - Guitarra/ Backvocal
Daniel Hartkopf - Guitarra
Ermeson Niederauer - Baixo
Jefferson Verdani - Bateria




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Jailor"


Rock in Rio: Os cachês e exigências dos artistas na edição de 1991Rock in Rio
Os cachês e exigências dos artistas na edição de 1991

Andreas Kisser: Eloy Casagrande talvez não seja humanoAndreas Kisser
"Eloy Casagrande talvez não seja humano"


Sobre Gabriele Moura

Gabriele Moura, 17 anos, dona do site The Metal World e membro da equipe da Black Legion Produções!

Mais matérias de Gabriele Moura no Whiplash.Net.

adGoo336