Matérias Mais Lidas

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemRobert Trujillo conta como uma abelha e "migué" quase causaram treta com James Hetfield

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemSe vira nos 30: Andre Matos tomou cano de produtor e fez milagre pra agradar fãs

imagemMalmsteen ameaça cancelar show por que vocalista Jeff Scott Soto estava no local

imagemMascote do Iron Maiden pode aquecer sua casa nesse inverno

imagemDaniel Cavanagh, do Anathema, sobrevive a tentativa de suicídio

imagemJonathan Davis, do Korn, explica qual seu problema com o Cristianismo

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba

imagemGeddy Lee fala sobre tragédia na história do Rush; "Foi um momento chocante e terrível"


Stamp

Alarion: estreia sólida, mas não espetacular

Resenha - Waves of Destruction - Alarion

Por Victor de Andrade Lopes
Em 07/11/16

Nota: 7

E temos aqui mais uma metal opera holandesa, desta vez comandada por Bas Willemsen (guitarra base e rítmica, violão, teclados, orquestrações e - ufa! - baixo). Um projeto com uma formação relativamente enxuta e desconhecida: de relevantes, temos os vocalistas Damian Wilson (Threshold, Headspace, Star One) e Irene Jansen (Ayreon, Gary Hughes, Star One, irmã de Floor Jansen); e o violinista Ben Mathot (Epica, Revamp, Ayreon).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Seu cartão de visitas atende pelo nome de Waves of Destruction: como o título e a capa sugerem, um álbum com toques épicos e explosivos - mas nem tanto quando se esperaria. Começamos bem com "Chains of the Collective" e as duas partes da faixa título, com Damian Wilson mostrando novamente por que é sempre uma boa pedida para uma participação especial, seja ela serena ou agressiva.

"Estrangement" parece dar sinais de desaceleração, mas era só a preparação do terreno para as duas melhores faixas: "Turn of Fate" e "Colourblind". Pesadas, densas e marcantes. Vamos da água para o vinho em "Clash With Eternity", tocada e cantada com a emoção de quem aguarda um ônibus lotado numa manhã de segunda-feira.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Voltamos ao alto nível com a forte "A Life Less Ordinary" e as duas partes de "The Whistleblower", sendo a segunda a mais longa canção do álbum, enaltecendo os elementos power e sinfônicos do projeto, com um tempero progressivo muito bem vindo. Por fim, uma agradável versão acústica de "Turn of Fate" encerra Waves of Destruction.

A sensação que fica ao encerrar uma audição do primeiro lançamento do Alarion é a de que eles são bons, mas não espetaculares. Para se destacarem no mar de metal operas que estamos vivenciando hoje, precisarão oferecer algo mais. Talvez revelem-se o achado do ano para alguns , mas para quem já é calejado nos gêneros, não traz muitas novidades, nem muitos medalhões.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

O começo satisfatório do Alarion faz dele um projeto merecedor de uma continuação, mas ela terá a obrigação de soar mais marcante que Waves of Destruction. O caminho está certo e estou confiante de que eles chegam lá.

Abaixo, o lyric video de "Chains of the Collective":

Track-list:
1. "Chains of the Collective"
2. "Waves of Destruction - I - Rising Tide"
3. "Waves of Destruction - II - Struggle for Survival"
4. "Estrangement"
5. "Turn of Fate"
6. "Colourblind"
7. "Clash with Eternity"
8. "A Life Less Ordinary"
9. "The Whistleblower - I - Devastation"
10. "The Whistleblower - II - Vindication"
11. "Turn of Fate (versão acústica)"

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Fonte:
Sinfonia de Ideias
http://bit.ly/alarion

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes.