publicidade

Charles Bradley: Presente para os ouvidos (e para fãs do Sabbath)

Resenha - Changes - Charles Bradley

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A história de Charles Bradley parece um filme. Em 1962, após assistir a uma das performances incendiárias de James Brown no Apollo Theater, o jovem Bradley sentiu o impacto e começou a cantar e a desenvolver uma linguagem corporal inspirada em seu ídolo. Pobre pra caramba, conseguiu espaço e tocou algumas vezes em clubes, mas viu o sonho acabar quando foi convocado para a Guerra do Vietnã.

Heaven & Hell: divulgado vídeo raro de última sessão de autógrafos de DioIron Maiden: a tragédia pessoal do baterista Clive Burr

Então voltou para os Estados Unidos após o fim do conflito, seguiu perseguindo o objetivo de ser um cantor de soul, mas era preciso conseguir viver. E, aos poucos, o sonho foi ficando de lado. Charles acabou se estabilizando como cozinheiro de um restaurante nova-iorquino, e viveu durante anos assim. Mas aquela pulga sempre esteve atrás da orelha, e o cara foi conseguindo espaço cantando em bandas tributo a James Brown aqui e ali.

Até que, em uma dessas noites que parecem saídas da cabeça de um roteirista, a vida deu uma virada quando Gabriel Roth, um dos fundadores da Daptone Records, assisti e ficou impressionado com Bradley, tanto que o levou para a gravadora, apresentou-o ao produtor Tom Brenneck e ao pessoal da Menahan Street Band. A turma fez um ensaio, Charles soltou a voz e deixou todos de queixo caído.

Foi só aí, aos 62 anos, que Charles Bradley viu o sonho de viver de música se transformar em realidade. Seu primeiro disco, "No Time for Dreaming", foi lançado em 2011. O segundo, "Victim of Love", saiu em 2013. E "Changes", seu terceiro trabalho, acaba de vir ao mundo.

Batizado com a clássica canção do Black Sabbath - e que está no disco em uma releitura simplesmente sensacional -, "Changes" segue a sonoridade apresentada por Bradley nos álbuns anteriores, ou seja, um soul orgânico e cru, com forte presença de metais e doses de funk pra fechar o tempero. Com 11 faixas, o álbum mantém viva a tradição da música negra em um resultado pra lá de bonito, construído com canções contemplativas e fortemente emocionais.

Com "Changes", Charles Bradley segue sua tardia e deliciosa carreira musical, e mais uma vez deixa uma lição: nunca é tarde pra acreditar e, sobretudo, viver nossos sonhos.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Charles Bradley"Todas as matérias sobre "Black Sabbath"


Heaven & Hell: divulgado vídeo raro de última sessão de autógrafos de DioBlack Sabbath: em 1990, Tony Martin mostra todo seu potencial

Solos de guitarra estendidosSolos de guitarra estendidos
Os melhores feitos em shows ao vivo

Black SabbathBlack Sabbath
Banda na trilha sonora da nova temporada de Peaky Blinders

Black SabbathBlack Sabbath
25 anos de um álbum subestimado

Black SabbathBlack Sabbath
Cena em Ultimato com "Iron Man" fica épica

Bill McClintock: Metallica + Black Sabbath + Dokken + Herb Alpert

Black SabbathBlack Sabbath
Os crucifixos surgiram por causa de uma maldição

Black Sabbath: Gastão Moreira analisa o Master of Reality

SpotifySpotify
As bandas de hard rock e metal mais ouvidas no último mês

Black SabbathBlack Sabbath
Box-set com 9 discos sai em setembro

Collectors Room: os discos que marcaram a carreira de Dio (vídeo)

Black SabbathBlack Sabbath
Tony Martin fala de Iommi em trecho de autobiografia

Collectors Room: um papo sobre resenhas de discos (vídeo)

Geezer ButlerGeezer Butler
Quando ele quase perdeu a visão mas guardou lembrança

Tony IommiTony Iommi
Glenn Hughes era muito mais drogado que Ozzy Osbourne

Black SabbathBlack Sabbath
Iommi topa reunião para Commonwealth 2022

PilaresPilares
O início do Heavy Metal em 1969


Iron MaidenIron Maiden
A tragédia pessoal do baterista Clive Burr

MirandaMiranda
"Um monte de roqueirinho que só quer ser da Globo"

Black MetalBlack Metal
Banda brasileira faz clipe mais bizarro do universo

Filmes sobre rock: A história do gênero no cinemaAve, Satan!: As dez melhores músicas sobre o InfernoAC/DC: 10 ótimas músicas da banda além dos clássicos "óbvios"Newsted: "Ninguém poderia substituir Cliff e eu sabia disso"

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336