Charles Bradley: Presente para os ouvidos (e para fãs do Sabbath)

Resenha - Changes - Charles Bradley

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A história de Charles Bradley parece um filme. Em 1962, após assistir a uma das performances incendiárias de James Brown no Apollo Theater, o jovem Bradley sentiu o impacto e começou a cantar e a desenvolver uma linguagem corporal inspirada em seu ídolo. Pobre pra caramba, conseguiu espaço e tocou algumas vezes em clubes, mas viu o sonho acabar quando foi convocado para a Guerra do Vietnã.

295 acessosDoom Metal: os 25 maiores álbuns do gênero5000 acessosLemmy Kilmister: A vida dele fazia Keith Richards parecer uma menininha

Então voltou para os Estados Unidos após o fim do conflito, seguiu perseguindo o objetivo de ser um cantor de soul, mas era preciso conseguir viver. E, aos poucos, o sonho foi ficando de lado. Charles acabou se estabilizando como cozinheiro de um restaurante nova-iorquino, e viveu durante anos assim. Mas aquela pulga sempre esteve atrás da orelha, e o cara foi conseguindo espaço cantando em bandas tributo a James Brown aqui e ali.

Até que, em uma dessas noites que parecem saídas da cabeça de um roteirista, a vida deu uma virada quando Gabriel Roth, um dos fundadores da Daptone Records, assisti e ficou impressionado com Bradley, tanto que o levou para a gravadora, apresentou-o ao produtor Tom Brenneck e ao pessoal da Menahan Street Band. A turma fez um ensaio, Charles soltou a voz e deixou todos de queixo caído.

Foi só aí, aos 62 anos, que Charles Bradley viu o sonho de viver de música se transformar em realidade. Seu primeiro disco, "No Time for Dreaming", foi lançado em 2011. O segundo, "Victim of Love", saiu em 2013. E "Changes", seu terceiro trabalho, acaba de vir ao mundo.

Batizado com a clássica canção do Black Sabbath - e que está no disco em uma releitura simplesmente sensacional -, "Changes" segue a sonoridade apresentada por Bradley nos álbuns anteriores, ou seja, um soul orgânico e cru, com forte presença de metais e doses de funk pra fechar o tempero. Com 11 faixas, o álbum mantém viva a tradição da música negra em um resultado pra lá de bonito, construído com canções contemplativas e fortemente emocionais.

Com "Changes", Charles Bradley segue sua tardia e deliciosa carreira musical, e mais uma vez deixa uma lição: nunca é tarde pra acreditar e, sobretudo, viver nossos sonhos.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 18 de abril de 2016

Black SabbathBlack Sabbath
"Podemos fazer alguns shows pontuais", diz Iommi

295 acessosDoom Metal: os 25 maiores álbuns do gênero12 acessosEm 18/09/1970: Black Sabbath lança o álbum Paranoid0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

Queensryche e outrosQueensryche e outros
Lavação de roupa suja em público

Motion DeviceMotion Device
"Heaven And Hell" com vocalista de 11 anos

Ronnie James DioRonnie James Dio
"Ozzy não canta como eu, Ian Gillan ou Rob Halford!"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Charles Bradley"0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"

Lemmy KilmisterLemmy Kilmister
A vida dele fazia Keith Richards parecer uma menininha

Alice In ChainsAlice In Chains
Publicada a última foto de Staley com vida?

QueenQueen
10 coisas que você não sabe sobre Bohemian Rhapsody

5000 acessosA História da New Wave Of British Heavy Metal5000 acessosSeparados no nascimento: Cazuza e Lauro Corona5000 acessosSeparados no nascimento: Eddie e Seu Madruga5000 acessos2016: Os 10 melhores discos de rock/metal do ano, por Igor Miranda5000 acessosChris Holmes: "Lemmy não me quis no Motörhead por minha altura"5000 acessosThe Rev: Músico é declarado imortal pela Wikipedia

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online