Deafheaven: Mas, o que diabos é blackgaze?

Resenha - New Bermuda - Deafheaven

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Deafheaven fez história em 2013. "Sunbather", segundo disco da banda norte-americana, foi aclamado pela crítica e pelo público. O álbum legitimizou e foi fundamental para a popularização do blackgaze.

5000 acessosRock e Heavy Metal: E se as capas dos álbuns fossem honestas?5000 acessosRock In Rio 2017: ausência do "Dia do Metal" é compreensível

Mas, o que diabos é blackgaze? O gênero ganhou força nos últimos anos, e tem a sua origem em bandas francesas como o Alcest. Musicalmente, pode ser traduzido como a união entre elementos do black metal atmosférico de nomes como Burzum e Ulver a estilos de fora do metal, como o post-punk e o darkwave. É uma mistura entre a estética do black metal e texturas mais suaves e sonhadoras, que tem entre suas principais características a predominância de uma parede sonora de guitarras não muito distante das bandas de shoegaze, como o My Bloody Valentine. Fazem parte da receita os tradicionais vocais guturais, aliados a uma presença maior de trechos melódicos e acústicos - e essas passagens mais contemplativas são, invariavelmente, repletas de beleza harmônica. Deu pra entender? Resumindo com um certo ranço headbanger, seria uma espécie de “black metal pra indie” - tem gente que define o estilo como post-black metal.

Independente de adjetivos e tentativas de tradução, a verdade é que o Deafheaven se destaca nessa história toda. O sucessor de Sunbather, "New Bermuda", foi lançado no início de outubro e mostra que a aclamação em torno da banda é justificada. Com apenas cinco faixas, o álbum dá um passo além em relação ao trabalho anterior, inserindo uma dose um pouco maior de aspectos metálicos - isso fica evidente no fato de as guitarras não se limitarem apenas à construção de texturas sonoras, mas também despejarem uns riffs de tempos em tempos - ao mesmo tempo em que consegue soar ainda mais belo e melancólico nas passagens mais calmas. As melodias entregues pela banda são lindas, imprimindo uma consistência sólida ao trabalho.

Confesso que "Sunbather" passou meio que batido pelos meus ouvidos, muito pela exacerbada aclamação recebida. Passados dois anos e com a poeira já baixa, "New Bermuda" me parece um disco mais maduro e adulto, mantendo a identidade do Deafheaven mas sabendo caminhar adiante, em composições fortes e que resultam em um trabalho dono de uma beleza inquestionável.

"Sunbather" colocou os holofotes sobre o Deafheaven. "New Bermuda" constrói a escada que leva a banda cada vez mais para o topo. E, a julgar pela qualidade mostrada, o destino já está definido: ao infinito, e além.

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Pra convencerPra convencer
Dez álbuns de metal para quem não gosta de metal

Heavy MetalHeavy Metal
10 bandas/artistas que mesclaram o gênero com outros

RockRock
Top 10 bandas que estão definindo o futuro do gênero

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Deafheaven"

Rock e MetalRock e Metal
E se as capas dos álbuns fossem honestas?

Rock In Rio 2017Rock In Rio 2017
Ausência do "Dia do Metal" é compreensível

SlayerSlayer
O que acontece quando tentam tocar com um violão?

5000 acessosBaixistas: Os 10 maiores segundo os leitores da Rolling Stone5000 acessosSex Pistols: "Sid Vicious não matou Nancy Spungen"5000 acessosHumor involuntário: as resenhas de discos da Rock Brigade na década de 805000 acessosAxl Rose: a culpa pelo atraso no show foi das Tartarugas Ninjas!5000 acessosEdguy: uma explicação para o nome da banda5000 acessosMetallica: os riffs de 141 músicas em um único vídeo

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online