Matérias Mais Lidas

Rodolfo Abrantes: O sonho da minha mãe era eu voltar aos RaimundosRodolfo Abrantes
"O sonho da minha mãe era eu voltar aos Raimundos"

Snowy Shaw: ex-King Diamond se oferece para substituir Marko Hietala no NightwishSnowy Shaw
Ex-King Diamond se oferece para substituir Marko Hietala no Nightwish

Soul Station: projeto de Paul Stanley com guitarrista brasileiro lança músicaSoul Station
Projeto de Paul Stanley com guitarrista brasileiro lança música

Metallica: TikToker que calou haters na guitarra agora tem patrocínio da Sully GuitarsMetallica
TikToker que calou haters na guitarra agora tem patrocínio da Sully Guitars

Carlinhos Brown: ele diz que provocou garrafadas no Rock in Rio 2001 e explica razãoCarlinhos Brown
Ele diz que provocou garrafadas no Rock in Rio 2001 e explica razão

Guns N' Roses: Bumblefoot revela quais músicas mais gostava de tocar ao vivoGuns N' Roses
Bumblefoot revela quais músicas mais gostava de tocar ao vivo

Nirvana: Kurt Cobain cuspiu no piano de Elton John pensando ser de Axl Rose.Nirvana
Kurt Cobain cuspiu no piano de Elton John pensando ser de Axl Rose.

AC/DC: Axl Rose sempre sugeria músicas esquecidas para shows (mas em cima da hora)AC/DC
Axl Rose sempre sugeria músicas esquecidas para shows (mas em cima da hora)

Megadeth: Mustaine se tornou vocalista por acaso e por causa de um delineadorMegadeth
Mustaine se tornou vocalista por acaso e por causa de um delineador

Kurt Cobain: ele não curtia Led Zeppelin e Aerosmith devido às letras machistasKurt Cobain
Ele não curtia Led Zeppelin e Aerosmith devido às letras machistas

Yngwie Malmsteen: aos 10 anos ele fazia solos de Blackmore e enganava os amigosYngwie Malmsteen
Aos 10 anos ele fazia solos de Blackmore e enganava os amigos

Jon Schaffer: Todd La Torre se diz chocado, mas não surpreso com atos do guitarristaJon Schaffer
Todd La Torre se diz chocado, mas não surpreso com atos do guitarrista

Eddie Van Halen: ele chorou quando Wolfgang mostrou música que fala sobre perdaEddie Van Halen
Ele chorou quando Wolfgang mostrou música que fala sobre perda

Saxon: banda divulga cover para a clássica Speed King, do Deep PurpleSaxon
Banda divulga cover para a clássica "Speed King", do Deep Purple

Max Cavalera: O único presidente bom do Brasil foi mortoMax Cavalera
"O único presidente bom do Brasil foi morto"


Matérias Recomendadas

Punk: 10 músicos que são mais ricos do que você pensaPunk
10 músicos que são mais ricos do que você pensa

Iron Maiden: Bruce Dickinson revela sua canção de merdaIron Maiden
Bruce Dickinson revela sua "canção de merda"

Sonho de Consumo: os 10 palcos de shows mais desejadosSonho de Consumo
Os 10 palcos de shows mais desejados

Eddie: a foto que supostamente inspirou Derek RiggsEddie
A foto que supostamente inspirou Derek Riggs

Steve Perry: 5 fatos curiosos sobre o ex-vocalista do JourneySteve Perry
5 fatos curiosos sobre o ex-vocalista do Journey

Stamp
Tunecore

Evil Conduct e Blind Pigs: Celebração streetpunk/oi! em São Paulo

Resenha - Evil Conduct e Blind Pigs (Clash Club, São Paulo, 14/11/15)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Jorge A. Silva Junior
Enviar Correções  

Uma noite inesquecível de celebração. Essa pode ser uma das melhores definições para o show conjunto de EVIL CONDUCT e BLIND PIGS em São Paulo. A primeira, natural da Holanda, tem um dos nomes mais respeitados do street punk (Oi!) mundial. A segunda, brasileira com duas décadas de estrada, já é velha conhecida na cena punk rock nacional. A fusão das duas no palco da Clash Club, além proporcionar apresentações impecáveis, fez algo notável e histórico na noite paulistana: promoveu a união entre punks e skinheads que durante duas horas cantaram, dançaram, pularam e beberam cerveja em paz e harmonia.

Fotos: Villy Ribeiro

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quando foi anunciada a turnê brasileira de EVIL CONDUCT e BLIND PIGS inúmeros comentários surgiram na internet no que diz respeito à segurança de quem pretendia comparecer ao evento. Mas se havia algum receio por parte do público, ele caiu por terra muito antes da abertura da casa, já que do lado de fora punks e skins bebiam e conversam tranquilamente no meio de um belo desfile de suspensórios, camisas Fred Perry, coturnos Dr. Martens e tênis Adidas – o forte calor, superando os 30ºC, fez com que muitos deixassem suas jaquetas Harrington em casa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Neste clima saudável de união, o BLIND PIGS entrou em cena às 19h30 de maneira avassaladora com "Abutres", música que abre seu mais recente EP, 'Linha de Frente', lançado em julho via Hearts Bleed Blue. Jogo ganho logo de cara devido ao retorno imediato dos fãs que não presenciavam um show da banda em São Paulo desde 2013. Algumas alterações na formação puderam ser conferidas: Henrike (vocal), Gordo (guitarra) e Galindo (baixo) estiveram acompanhados por Mauro na guitarra (antigo baixista que retornou ao grupo após o falecimento de Fabiano "Punk da Pedreira") e Kleber na bateria – substituto de Arnaldo, que não pode tocar por ter machucado a mão após uma briga de rua em Nova York.

Com uma energia digna de lavar a alma, o BLIND PIGS incluiu no repertório petardos recentes, como "Sentinela dos Mares", "Antro de Trastes" e "Cinco Cadeados" – todos do EP 'Capitânia' (2013), eleito o melhor álbum de punk rock no Prêmio Dynamite –, além de clássicos de sua discografia, entre eles "Avenida São João", "Sete de Setembro", "Amanhã Não Vai Mudar" e "O Idiota" – faixas de 'Blind Pigs' (2002).

Dos momentos para literalmente "cantar junto", uma vez que muitos subiam ao palco para dividir o microfone com Henrike, os destaques ficaram por conta de "Heróis Ou Rebeldes", "Para Incomodar" e "União" – esta última resumiu perfeitamente o espírito de celebração e paz que reinou no local. Em um momento emocionante de homenagem ao ex-guitarrista Fabiano, Henrike dedicou ao amigo a ótima música "Sempre Avançar", mais uma faixa do novo EP que já estava na ponta da língua da galera.

Como de costume nas apresentações do BLIND PIGS ao longo da carreira, o encerramento com "Conformismo e Resistência" ('The Punks Are Alright', 2000) fechou com chave de ouro um dos momentos mais marcantes na carreira de um verdadeiro ícone do punk rock nacional. Uma entrada e tanto para a festa Oi! que viria a seguir.

Um trio afiado, coeso e com um senso de melodia que o tornou um dos nomes mais saudados e respeitados do street punk (Oi!) em todo o mundo. Este é o cartão de visita do EVIL CONDUCT, fundado na Holanda em 1984 e que levou alguns anos para consolidar sua formação atual: Han (vocal e guitarra – único do 'line up' original), Joost (baixo) e Phil (bateria). No Brasil pela primeira vez – dias antes tocaram no Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Curitiba –, o grupo trouxe na bagagem seu álbum mais recente, 'Today's Rebellion' (2014), que em pouco tempo virou material indispensável para os fãs do gênero.

A banda subiu ao palco por volta das 21h para abrir seu show com a mais que propícia "The Voice Of Oi", seguida de "My Skinhead Girl", ambas contidas em 'Eye For Eye' (2003). Mesmo com a notável recepção de início, a comoção geral surgiu realmente na sequência com "Punk & Proud" e "Home Sweet Home". Naquela altura do campeonato já era possível ver cervejas sendo jogadas para o alto e ouvir gritos ao melhor estilo cânticos de futebol (de antigamente, é claro).

Músicas como "Workingclass Hero", "That Old Tatoo", "Skinhead Till I Die" e "Remember '81" tiveram suas letras cantadas a plenos pulmões pelo público que seguia se divertindo como nunca, mas nenhuma outra foi tão celebrada como "Time Is Running Out", que teve a participação de Henrike (BLIND PIGS) nos backing vocals. Com excelente melodia e um refrão marcante, a composição contida no álbum 'King Of Kings' (2008) foi responsável por fazer muito skinhead marmanjo ficar com os olhos marejados em um daqueles momentos para perdurar por anos.

Após quase uma hora de um repertório direto e sem pausas, o EVIL CONDUCT saiu de cena por alguns minutos para retornar com a trinca "All Around", "One Day Will Come" e "Nowhere To Go", encerrando uma apresentação competente e empolgante, brindada pela união de quem se preocupou apenas em se divertir curtindo boa música ao mesmo tempo em que entornava mais e mais cerveja.

Páginas relacionadas:
http://www.facebook.com/EvilConductofficialpage
http://www.facebook.com/BLiNDPiGS


Baladas de Sangue
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Axl Rose: a primeira ficha policial aos 18 anosAxl Rose
A primeira ficha policial aos 18 anos

A7X: Curiosidades sobre a banda que talvez você não saibaA7X
Curiosidades sobre a banda que talvez você não saiba


Sobre Jorge A. Silva Junior

Jorge Junior é paulistano, jornalista diplomado e colaborador do Whiplash.Net desde 2009. Tem mais de 400 matérias e notas publicadas, que somam aproximadamente um milhão e meio de acessos. Também realizou a cobertura de shows de grande porte, entre eles Ringo Starr, Eric Clapton, Deep Purple, System Of A Down, Red Hot Chili Peppers e Ozzy Osbourne. O autor pode ser seguido no Twitter: @jorgejunior85.

Mais matérias de Jorge A. Silva Junior no Whiplash.Net.