Matérias Mais Lidas

imagemVeja diz que David Coverdale só passa vergonha nas redes sociais

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemKerry King explica por que não assumiu o posto de guitarrista do Megadeth

imagemMike Portnoy e a música do Rush que virou um grande sucesso do Guns N' Roses

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemA resposta de John Lennon quando perguntado se retornaria aos Beatles em 1975

imagemCinco álbuns que serão lançados no segundo semestre de 2022 e merecem a sua atenção

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone

imagemSlash explica por que rejeitou Corey Taylor no Velvet Revolver

imagemO clássico da Legião inspirado em novela da TV Globo e acusado de plagiar The Doors

imagemCinco músicas que são covers, mas você acha que são as versões originais - Parte 2

imagemPaul Di'Anno recebe autógrafo de Rivellino e fica feliz da vida; "Te vejo ano que vem?"

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1984 é um ano vital para o metal

imagemDepeche Mode divulga a causa oficial da morte de Andy Fletcher

imagemRitchie Blackmore em 1978 sobre o Kiss, Fleetwood Mac, Yardbirds e Led Zeppelin


Genesis: "Wind and Wuthering", o último com Steve Hackett

Resenha - Wind and Wuthering - Genesis

Por Roberto Rillo Bíscaro
Em 30/08/15

Nota: 9

Talvez animados pelo relativo sucesso de crítica e recepção amigável dos fãs com relação à troca de vocalista, o Genesis não demorou para lançar o sucessor de A Trick of the Tail (link da resenha ao final desta matéria). Em 27 de dezembro de 1976, saiu Wind and Wuthering. A proximidade do fim do ano, coloca a divulgação e recepção crítica do álbum em 1977, portanto. Ano pouco propício para bandas de rock progressivo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Naquele ano, o destruidor movimento punk estourou as tampas dos bueiros britânicos, em meio à brava recessão nas cidades mortas do pós-crise do petróleo. Os Sex Pistols lançaram fundamental álbum, onde vociferavam contra o "regime fascista" da rainha e arrotavam que não havia futuro na Inglaterra. Começava a era das canções de três acordes, da cultura do "faça você mesmo", que faria gravadoras independentes e artistas pipocarem por todo o reino. Anos depois, Phil Collins afirmaria que o punk fora útil para dar uma chacoalhada nas coisas. Tem razão; o pós-punk trouxe um período de ouro pra música pop inglesa, com bandas como The Cure, Siouxsie and the Banshees, Joy Division, New Order, The Smiths (os Beatles do indie-rock) e tantas outras.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas, em 77, as megaestrelas estavam sob a cusparada punk. Led Zeppelin, Queen e até o endeusado David Bowie eram atacados por seus excessos. O que dizer das bandas prog com sua autoindulgência, temas escapistas e complexas viagens sônicas? Emerson, Lake & Palmer, Pink Floyd, Yes e, claro, o Genesis, representavam a ordem estabelecida e foram desprezados e demonizados pela crítica e por toda uma geração de adolescentes e jovens proletários (ou modernetes) que não se enxergavam nos floreios de classe média dos progressivos.

Tony Banks classifica Wind and Wuthering como um de seus 2 álbuns favoritos do Genesis, mas, verdade seja dita, o trabalho não representa passo adiante na carreira da banda. É competente, bem tocado, mas carece de momentos brilhantes, exceto pela injustamente esquecida One For the Vine.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Citações literárias continuam misturadas com tentativas de humor, como atestam os títulos das instrumentais "Unquiet Slumbers for the Sleepers…" e "…In That Quiet Earth" , que reproduzem as frases finais do romance O Morro dos Ventos Uivantes (Wuthering Heights), de Charlotte Brontë e da filler "Wot Gorilla", referência a Chester Thompson, ex-Frank Zappa, que passara a acompanhar o Genesis nas turnês.

A historieta de All In a Mouse’s Night, onde os pontos de vista de humanos, dum rato e dum gato, não apenas remetem aos tempos de Peter Gabriel em termos de letras, mas demonstram certa excentricidade britânica. A energética Eleventh Earl of Mar adota tom meio cínico com relação à nobreza, ao falar dum conde despreparado pra batalhas. Vibrante, com camadas de instrumentos e poderosas viradas de bateria, a faixa apresenta ainda um brilhante, porém discreto, trabalho de guitarra e violão de Steve Hackett. Wind and Wuthering não apresenta solos de Hackett, que reconheceu não ter contribuído muito por estar gravando seu primeiro álbum-solo. Memorável a abertura de violão clássico de Blood on the Rooftops, que fala sobre televisão.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Detratores amam acusar Phil Collins pela avalanche pop do Genesis nos anos 80. Sem dúvida, o baterista-cantor tem generosa parcela de participação no processo, especialmente devido ao sucesso de sua carreira-solo, a partir de 1980. Mas, como explicar a baladice de Your Own Special Way, composta por Mike Rutherford e que chegou a frequentar o fundo da parada da Billboard e tocar em FMs norte-americanas? A faixa está mais pra easy listening do que pra prog rock. Era o começo da troca de identidade do grupo.

Em meio a essa crise identitária, uma faixa se perdeu nas areias do tempo, infelizmente. A monumental One For the Vine – composta por Tony Banks – permanece apenas na memória de fãs mais devotos da fase prog e do tecladista, claro. Espécie de mini-Supper’s Ready, seus quase 10 minutos estão divididos em diversos segmentos perfeitamente integrados, sem dar impressão de colagem, como no clássico de Foxtrot (lnk para resenha ao final desta matéria). As variações rítmicas e repetição de temas e sua adesão à letra fluem com naturalidade numa chuva de teclados, bateria, guitarra e baixo e variações de vocal. A letra é sobre um homem que abandona sua comunidade por estar descontente com seu líder espiritual, para terminar fazendo o mesmo em sua nova cidade e provocar a saída de outro homem, numa impressão de que a história sempre se repete. O grupo jamais atingiria a sublimidade de One for the Vine novamente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A despeito do cataclismo punk, Wind and Wuthering cravou o sétimo lugar da parada britânica, que aliás, naquele longínquo 77 foi manipulada pela BBC a fim de não admitir que o single God Save the Queen, do Sex Pistols, atingira o topo.

O primeiro semestre do ano da revolução punk foi gasto em excursão pelo planeta, registrada no ao vivo Seconds Out, lançado em outubro.

Collins conta que numa tarde, enquanto o duplo ao vivo era mixado, Steve Hackett telefonou para o estúdio e anunciou: estou deixando a banda. Fim de outra era genesiana.

Resenha - A Trick of the Tail - Genesis

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Resenha - Foxtrot - Genesis

Tracklist
1. Eleventh Earl Of Mar (7:41)
2. One For The Vine (10:00)
3. Your Own Special Way (6:18)
4. Wot Gorilla? (3:19)
5. All In A Mouse's Night (6:37)
6. Blood On The Rooftops (5:27)
7. Unquiet Slumbers For The Sleepers... (2:23)
8. ...In That Quiet Earth (4:49)
9. Afterglow (4:12)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

imagemPhil Collins surge debilitado, anuncia último show da carreira e comove fãs

O motivo pelo qual Regis Tadeu considera Phil Collins deprimente

imagemGenesis: top 10 melhores personagens interpretados de Peter Gabriel nos shows


Anos 80: canções internacionais com nomes de garotas - I


Câncer na língua: entenda a doença de Bruce Dickinson


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro.