Next to None: Impressionante estreia da banda do filho de Portnoy

Resenha - A Light in the Dark - Next to None

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Integrado por ninguém menos que Max Portnoy, filho da lenda das baquetas Mike Portnoy, o Next to None é um quarteto estadunidense de metal progressivo formado ainda por Thomas Cuce (vocais e teclados), Ryland Holland (guitarras) e Kris Rank (baixo), com Max no mesmo instrumento em que seu pai se consagrou.

Noturnall: Lançado videoclipe de "Scream! For!! Me!!!" com participação de Mike PortnoyPostura: 12 coisas que você nunca deve dizer a um músico

Confesso que já comprei o álbum de estreia deles (A Light in the Dark) cheio de preconceitos. "Bah, um grupo adolescente de metal progressivo assessorado pelo papai de um deles. Vai ser mais um daqueles trabalhos entediantes, cheios de riffs nada a ver e solos sem inspiração". Bom, no fim, foi uma das minhas maiores quebradas de cara desde que fundei o blog. Se lembrarmos que o Next to None é formado por garotos em torno dos 16 anos de idade, aí sim é que o disco fica impressionante. Porque muita banda adulta não consegue fazer o que os meninos fizeram aqui.

A começar pelo instrumental, que está no caminho certo. Digo "no caminho" porque eles ainda têm uma longa estrada e muito o que evoluir. Os solos são relativamente simples, inflados por arpejos, e há poucas daquelas longas demonstrações de virtuosismo que marcam os trabalhos progressivos. Em alguns momentos, há o que se chama de "overplaying", que é quando você coloca mais notas do que a música está pedindo. São características naturais de um trabalho de músicos em desenvolvimento. O que há, de sobra, é criatividade para compor e versatilidade para não deixar as músicas entediarem, especialmente as mais compridas.

Embora seja um álbum nitidamente progressivo, notam-se influências de outros gêneros. Incluo aí os riffs de heavy metal tradicional e os vocais guturais em "You Are Not Me" e o riff eletrônico na introdução de "Lost", aparentemente inspirado por "Na Gruta do Rei da Montanha", de Edvard Grieg.

As letras não têm lá aquela profundidade típica do metal progressivo, chegam a ser até previsíveis em alguns momentos. Mas não custa lembrar que trata-se de uma banda de meninos.

A música do quarteto soa bem trabalhada - pudera, é o próprio Mike quem assina a produção. Essa parte é sempre fundamental, mas no metal progressivo ela ganha importância ainda maior, pois um som mal gravado pode comprometer a melhor das composições. O dedo de Mike também pode ser percebido no próprio filho, Max - honestamente, o garoto já faz, com menos de 18 anos, mais do que o pai provavelmente fazia na mesma idade.

Seja no interlúdio instrumental a la Dream Theater/Haken em "Blood on My Hands", na balada "A Lonely Walk" ou nos vocais rasgados de "You Are Not Me"; se você é fã de metal progressivo bem executado, provavelmente adicionará esta banda à sua lista de favoritos. E se for uma pessoa paciente e com capacidade de julgar trabalhos de acordo com o contexto em que se encontram, saberá que esta estreia é apenas uma amostra do que está por vir no futuro.

A não ser que os membros do Next to None fossem as reencarnações de Beethoven, Bach, Mozart e Chopin, que já compunham complexas peças na infância, ninguém poderia esperar que eles lançassem logo de cara um trabalho para rivalizar com Symphony X. Assim, A Light in the Dark é uma estreia convincente de uma banda nova com um futuro bastante promissor, bastando continuar com seu aprendizado musical e saber trabalhar seu som de modo a ficar cada vez mais profissional e maduro.

Abaixo, o lyric video de "Blood on My Hands":

Track-list:
1. "The Edge of Sanity"
1. "You Are Not Me"
3. "Runaway"
4. "A Lonely Walk"
5. "Control"
6. "Lost"
7. "Social Anxiety"
8. "Legacy"
9. "Blood on My Hands"
10. "Fortune Cookie" (faixa bônus da edição digital)
11. "Deafening" (faixa bônus da edição digital)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Next To None"Todas as matérias sobre "Mike Portnoy"


Noturnall: Lançado videoclipe de Scream! For!! Me!!! com participação de Mike PortnoyNoturnall
Lançado videoclipe de "Scream! For!! Me!!!" com participação de Mike Portnoy

Mike Portnoy: a diferença entre banda e projetoMike Portnoy
A diferença entre "banda" e "projeto"

Modern Drummer: os melhores bateristas votados pelos fãsModern Drummer
Os melhores bateristas votados pelos fãs

Bateristas: em vídeo, os 10 melhores do metalBateristas
Em vídeo, os 10 melhores do metal


Postura: 12 coisas que você nunca deve dizer a um músicoPostura
12 coisas que você nunca deve dizer a um músico

Vinil: quais são os dez discos mais valiosos do mundo?Vinil
Quais são os dez discos mais valiosos do mundo?

Rammstein: Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!, diz Till LindemannRammstein
"Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!", diz Till Lindemann

Kurt Cobain: a teoria de assassinato do músicoKurt Cobain
A teoria de assassinato do músico

Deep Purple: riff de Smoke on the Water foi criado por Tom Jobim?Deep Purple
Riff de "Smoke on the Water" foi criado por Tom Jobim?

Ateísmo: vídeo cristão faz reflexão sobre alguns rockstarsAteísmo
Vídeo cristão faz reflexão sobre alguns rockstars

Rush: Neil Peart fala sobre sua preparação para tocarRush
Neil Peart fala sobre sua preparação para tocar


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336