Os Capial: Brutalidade e bom humor andando juntos

Resenha - Nossa Grindroça Querida - Capial

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A criatividade desta dupla oriunda de Araraquara/SP é algo incomum. Quem um dia imaginou unir a fúria do Grindcore (como o nome do debut já denuncia) com temáticas abrangendo a vida na roça (rotina tão comum no interior paulista de onde o duo vem)? Não bastasse isso eles ainda se apresentam caracterizados, como homens do campo mesmo.

AC/DC: prostitutas revelam as esquisitices de Phil RuddBandas: Audiófilos elegem as maiores da história do rock

Mas, o que encontramos aqui condiz muito mais com a fúria de uma cidade grande, do que com a calmaria da roça. Afinal, é de lá que saem muitos trabalhadores que rumam pros alqueires de terra para pegar na lida, no serviço bruto e pesado que se assemelha ao que encontramos aqui.

Primeiro vamos destacar o grande trunfo que foi dispensar um baixista e mesmo assim conseguir manter a sonoridade carregada e encorpada, pois caso contrário não estariam sendo dignos com o estilo que propõem. Esse mérito fica para os riffs de Dito (personagem de Marcelo Tucci) que mostra influências do Hardcore e ainda estufa o peito pra vomitar letras que só quem já morou no sítio saberá interpretar por completo.

Já Bento (Christiano Koda, ex-Prey of Chaos) solta um pouco mais a mão do que de costume, pois sempre foi um baterista discreto. Disso tudo sai composições de esfolarem a cuca como Composteira, a já clássica Porco do Mato Eu Não Mato e Pulverização (essa até com uma acentuada Punk/Crust).

Há um ótimo equilíbrio entre as músicas, que são brutais a todo o momento e ainda não deixam espaços pra respiro. Destaque para a sensacional versão com participação especial de Quando O Sol Mata A Sede que conta praticamente com uma cena inteira abrangendo Brasil, Portugal e Costa Rica (confira o vídeo abaixo). Há ainda covers das bandas Mediantes Imundes e Horríssono, ex-bandas de Dito e Bento. Um trabalho honesto, que atingiu o objetivo. Parece brincadeira, mas a coisa é séria, pode procurar sua cópia.

https://www.facebook.com/oscapial




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Os Capial"


AC/DC: prostitutas revelam as esquisitices de Phil RuddAC/DC
Prostitutas revelam as esquisitices de Phil Rudd

Bandas: Audiófilos elegem as maiores da história do rockBandas
Audiófilos elegem as maiores da história do rock

Top 5: Os roqueiros mais chatos da históriaTop 5
Os roqueiros mais chatos da história

Slayer: Kerry King explica como se deve balançar a cabeçaTotal Guitar: os 20 melhores riffs de guitarra da históriaOzzy Osbourne: "eu morreria feliz se trabalhasse com Adele"Metallica: sobre o que fala "For Whom The Bell Tolls"

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336