RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemSlash se sente feliz por não existir internet nos primórdios do Guns N' Roses

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemVocalista do Skid Row divulga cover matador de "Painkiller", do Judas Priest

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok


Stamp

Luneta Mágica: Longa vida a esses garotos

Resenha - Amanhã Vai Ser o Melhor Dia da Sua Vida - Luneta Mágica

Por Mário Orestes Silva
Postado em 25 de fevereiro de 2015

Eis que na nova safra de bandas manauaras, surge uma que demonstra criatividade em suas composições e em seu estilo como um todo. Luneta Mágica veio para apresentar um diferencial ausente no cenário local, até então. Com o lançamento em 2012 de seu debut "Amanhã Vai Ser o Melhor Dia da Sua Vida", o grupo esbanja samplers, sintetizadores, efeitos e distorções na mistura de Mutantes com Karnak, Walter Franco, Los Hermanos e Moby servindo um acabamento peculiar em sua essência.

A bolachinha abre com "Astronauta" que dá logo de cara a plástica sonora que virá no decorrer de todo o disco. A segunda "Não Acredito" tem cadência de pista de dança, mas sem o apelo pop da maioria que é usada em pick ups. Aqui a poesia da letra se posta em primeiro plano e uma breve narração lusitana na introdução mostra a influência literária, principalmente de Fernando Pessoa. Terminando a música, uma série de efeitos sintéticos alucina o ouvinte. A terceira faixa é "Largo São Sebastião" que remete o narrador em primeira pessoa ao local que a nomeia, como ponto de fuga para descontração.

A quarta "Cinco Bolas de Sorvete Por Apenas Um Real" tem letra curtíssima em contraste com a duração da faixa que chega a ultrapassar os oito minutos. O destaque desta está no bonito desenhar do contrabaixo que chega a superar o dueto com o solo de guitarra. Quinta faixa nomeada como "Aqui Nunca Nasceram Heróis" é de um lirismo poético em sua letra digno dos grandes nomes da literatura. Desta feita, os teclados se sobressaem.

A sexta é "Sábado" (que trocadilho horrível), que apesar da letra romântica chata, é riquíssima em seus arranjos com direito a violino e violoncelo. Forte candidata a hit. Em seguida vem "Guarda-Chuva" com outra letra curtíssima encarnando Gene Kelly no clássico cinematográfico "Cantando na Chuva", sendo que esta já consta com arranjos mais simplistas. Na sequência vem uma instrumental, "Manaus" com elementos techno orientais que mais parecem viagem de lança perfume. Posteriormente está "Embarcação" confirmando a poesia literária da banda em suas letras, que sofre subidas de acordes adrenalizantes.

A penúltima é "O Vento e as Árvores". Um canto boêmio que encanta pela simplicidade e pela sutileza. Pra fechar o álbum com chave de ouro, uma faixa escondida não creditada que é um bonito dedilhado de violão elétrico com alguns samplers de vozes.

Em suma "Amanhã Vai Ser o Melhor Dia da Sua Vida" é um grande CD que emplaca a banda Luneta Mágica como uma grande promessa para destacar o rock nortista dentre o vigente no Brasil. O mais louvável no entanto, é a atitude dos músicos em disponibilizarem todo o álbum pra download gratuito. Longa vida a esses garotos.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.
Mais matérias de Mário Orestes Silva.