Matérias Mais Lidas

imagemDaniel Cavanagh, do Anathema, sobrevive a tentativa de suicídio

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemRobert Trujillo conta como uma abelha e "migué" quase causaram treta com James Hetfield

imagemSe vira nos 30: Andre Matos tomou cano de produtor e fez milagre pra agradar fãs

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemMalmsteen ameaça cancelar show por que vocalista Jeff Scott Soto estava no local

imagemJonathan Davis, do Korn, explica qual seu problema com o Cristianismo

imagemKirk Hammett relembra "Metallica x Napster": "avisamos todo mundo o que aconteceria"

imagemMascote do Iron Maiden pode aquecer sua casa nesse inverno

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemGuitarrista diz que não entrou na banda de Ozzy por não ter cabelo loiro


PRB

David Bowie: Ele está ativo e atento a seus próximos passos

Resenha - Nothing Has Changed -David Bowie

Por André Espínola
Em 29/01/15

Depois de ter voltado ao cenário musical com o lançamento de The Next Day, em 2013, primeiro álbum inédito em dez anos, David Bowie se mantém ativo durante o ano de 2014 e acaba de lançar mais uma coletânea, Nothing Has Changed, que vem com uma música inédita, "Sue (Or In A Season of Crime)" (duas, se contar com a que acompanha o primeiro single, "Tis a Pity She Was a Whore").

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A coletânea difere das outras que tem o mesmo objetivo, ou seja, revisitar a carreira de um artista. Nesse sentido, Nothing Has Changed possui algumas peculiaridades que fazem com que seja recebido sem a indiferença que normalmente acompanha lançamentos desse tipo. Primeiro, claro, é por causa da faixa inédita, uma instigante faixa de sete minutos que evidencia que Bowie ainda continua se reinventando e vagando por entre estilos. Outra coisa curiosa é o nome Nothing Has Changed para um artista que nunca ficou por muito tempo em um único campo de atuação, que é conhecido mundialmente pela inovação, pela mudança, possuindo o apelido de camaleão.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Pois bem, a própria estratégia e as escolhas das faixas mostram também a intenção de tornar a coletânea em algo mais. Normalmente, álbuns desse tipo seguem uma ordem cronológica, do início até o mais recentemente produzido. Bowie escolhe o caminho contrário. A faixa inicial é a inédita "Sue (Or In a Season of Crime)" e a última é exatamente o seu primeiro single lançado, "Liza Jane". Entre esse percurso, estão as músicas que mais marcaram a trajetória desse gigante da música, sempre numa ordem do mais recente ao mais antigo. As escolhas também buscam mostrar o lado mais diferente, no caso de frequentes faixas remixadas ou editadas, bem como algumas faixas menos ortodoxas, ou seja, menos conhecidas, como sobras de estúdio da regravação de "Shadow Man", "Let Me Sleep Beside You" e "You Turn To Drive", para o álbum nunca lançado Toy, de 2001, o que mostra que, para Bowie, Toy ganha status de álbum, embora não conste formalmente na sua discografia. Como toda coletânea de um grande artista, ótimas músicas ficaram de fora e não seria diferente principalmente se tratando de Bowie.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Enfim, Nothing Has Changed não é, de forma alguma, uma coletânea definitiva de um artista que já produziu tudo o que tinha. Muito pelo contrário, Nothing Has Changed dá indícios de que Bowie está bastante ativo e atento a seus próximos passos.

Tracklist:

CD1:
01 – Sue (or In A Season Of Crime) – Bowie, David
02 – Where Are We Now – Bowie, David
03 – Love Is Lost (Hello Steve Reich Mix by James Murphy for the DFA Edit) – Bowie, David
04 – The Stars (Are Out Tonight)
05 – New Killer Star (radio edit)
06 – Everyone Says ‘Hi’ (edit)
07 – Slow Burn (radio edit)
08 – Let Me Sleep Beside You
09 – Your Turn To Drive (
10 – Shadow Man
11 – Seven (Marius De Vries mix)
12 – Survive (Marius De Vries mix)
13 – Thursday’s Child (radio edit)
14 – I’m Afraid Of Americans (V1) (clean edit)
15 – Little Wonder (edit)
16 – Hallo Spaceboy (PSB Remix) (with The Pet Shop Boys)
17 – The Heart’s Filthy Lesson (radio edit)
18 – Strangers When We Meet (single version)
CD2:
01 – Buddha Of Suburbia
02 – Jump They Say (radio edit)
03 – Time Will Crawl (MM remix)
04 – Absolute Beginners (single version)
05 – Dancing In The Street (with Mick Jagger)
06 – Loving The Alien (single remix)
07 – This Is Not America (with The Pat Metheny Group)
08 – Blue Jean
09 – Modern Love (single version)
10 – China Girl (single version)
11 – Let’s Dance (single version)
12 – Fashion (single version)
13 – Scary Monsters (And Super Creeps) (single version)
14 – Ashes To Ashes (single version)
15 – Under Pressure (with Queen)
16 – Boys Keep Swinging
17 – ‘Heroes’ (single version)
18 – Sound And Vision
19 – Golden Years (single version)
20 – Wild Is The Wind (2010 Harry Maslin Mix)
CD3:
01 – Fame
02 – Young Americans (2007 Tony Visconti mix single edit)
03 – Diamond Dogs
04 – Rebel Rebel
05 – Sorrow
06 – Drive – In Saturday
07 – All The Young Dudes
08 – The Jean Genie (original single mix)
09 – Moonage Daydream
10 – Ziggy Stardust
11 – Starman (original single mix)
12 – Life On Mars (2003 Ken Scott Mix)
13 – Oh! You Pretty Things
14 – Changes
15 – The Man Who Sold The World
16 – Space Oddity
17 – In The Heat Of The Morning
18 – Silly Boy Blue
19 – Can’t Help Thinking About Me
20 – You’ve Got A Habit Of Leaving
21 – Liza Jane

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Anos 80: canções internacionais com nomes de garotas - I



Sobre André Espínola

André Espínola, recifense, estudante de História e apaixonado por música, quer levar um pouco de sua paixão para os outros, resenhando sobre novos lançamentos e pagando tributo aos clássicos e às nossas raízes musicais, sobretudo o Blues, Rock e Jazz, cuja missão básica é dizer aos quatro cantos: "a boa música nunca morrerá!". Possui o blog Filho do Blues, onde escreve e edita textos sobre as novidades musicais do mundo do rock, indie e blues.

Mais matérias de André Espínola.