Death: 23 anos de um grande divisor de águas da carreira da banda

Resenha - Human - Death

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por David Torres, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Lançado em 22 de outubro de 1991 pela Relativity Records, "Human" é o quarto álbum de estúdio do Death, uma das bandas mais importantes e aclamados do Death Metal e do Metal extremo em geral. Após três grandes trabalhos de estúdio, a banda liderada pelo eterno ''filósofo'' do Death Metal Chuck Schuldiner (13/05/1967 - 13/12/2001) decidiu mudar o direcionamento das composições da banda para algo ainda mais elaborado, com letras mais profundas e inteligentes.

Ídolos imortais: Chuck Schuldiner, o padrinho do death metalMetal Progressivo: os dez melhores álbuns do estilo

O disco abre com a ótima "Flattening of Emotions", que se inicia de forma lenta e progressiva, já revelando ao ouvinte que o que está por vir trata-se de algo diferente do que foi realizado anteriormente pelos músicos. Com um "line up'' que conta com o exímio baixista Steve DiGiorgio (citando algumas bandas, Sadus, Anatomy of I, Charred Walls of the Damned, atualmente no tributo DTA (Death To All) e ex-Testament), o guitarrista Paul Masvidal (Cynic, Gordian Knot, Æon Spoke e o tributo DTA) e o baterista Sean Reinert (Cynic, Anomaly, Levi / Werstler, Æon Spoke e o tributo DTA), a banda já apresenta logo nessa primeira faixa uma sequência incrível de "riffs" e variações rítmicas. Logo após, temos a fantástica "Suicide Machine", onde temos uma marcação pulsante de baixo, linhas de bateria variadas e muito bem construídas, palhetadas certeiras, solos mirabolantes, além dos característicos vocais urrados do "frontmen" Chuck Schuldiner.

Sem jamais deixar o ouvinte cair no sono, a banda já emenda com "Together as One". Abrindo de forma explosiva, a música novamente traz uma "cozinha" estonteante e devidamente calibrada, encabeçada pelo talentosíssimo baixista Steve DiGiorgio e pelo criativo baterista Sean Reinert. As guitarras de Paul Masvidal e de Chuck Schuldiner, por sua vez, são puro "feeling", combinando técnica e engenhosidade de uma maneira simplesmente brilhante. As mudanças de andamento são um espetáculo a parte. Palhetadas sujas e pausadas introduzem "Secret Face", a quarta música do álbum e novamente podemos ouvir o amadurecimento da banda nesse quarto registro de estúdio. Essa faixa traz um andamento mais cadenciado início e que, à medida que a música caminha, passa por interessantes e bem construídas variações rítmicas, indo de momentos mais contidos e pausados para trechos impetuosos e realmente rápidos. Essa canção novamente abre espaço para cada músico brilhar individualmente, cada um esbanjando o seu talento no momento apropriado. As harmonias e os solos de guitarra são simplesmente fantásticos.

Eis que é hora da clássica e bem conhecida "Lack of Comprehension". Seu início é uma completa viagem harmoniosa, com suas belas e suaves melodias de guitarra, compondo uma linda e progressiva introdução que, logo em seguida, abre caminho para "riffs" intensos, solos mirabolantes e ainda mais mudanças de ritmo e andamento, jamais diluindo a qualidade do que foi apresentado até agora ao ouvinte. Vale lembrar também que essa música ganhou um videoclipe, o primeiro da banda, diga-se de passagem. "See Through Dreams" se inicia mostrando o lado visceral da banda, com seus "riffs" crus e sujos, sempre permitindo a surpreendente criatividade dos músicos ecoar pelos alto-falantes, apresentando mais um grande desempenho de guitarras, uma "cozinha" de baixo e bateria descomunal e vocais agressivos e sempre bem encaixados.

A instrumental "Cosmic Sea" é a penúltima faixa do álbum e é uma composição completamente atmosférica. Se a banda já havia apresentado um extraordinário trabalho até agora, o que se escuta aqui não fica nem um pouco atrás, sendo um delirante espetáculo de técnica e "feeling" puros. Uma grande faixa, sem dúvida. Uma curiosidade é que essa faixa foi utilizada em um jogo para computador chamado "Damage Incorporated". "Vacant Planets" é a faixa que se incumbe de fechar esse quarto e brilhante álbum de estúdio, entregando mais uma sequência de arranjos e palhetadas espalhafatosas, uma fantástica e inacreditável sucessão de solos excepcionais e um vistoso desempenho de baixo e bateria.

Produzido pelo experiente Scott Burns (famoso por ter produzido grandes pérolas do Metal Extremo, além de ter trabalhado com a banda nos álbuns "Leprosy" (1988), "Spiritual Healing" (1990) e ''Individual Thought Patterns"(1993)), "Human" é um dos muitos álbuns de Death Metal lançados na década de 1990 que eleva não apenas o Death Metal, mas o Metal Extremo como um todo a um novo patamar, apresentando um conteúdo lírico e musical amplo e completamente diversificado. Temos composições pesadíssimas e que conseguem ser extremamente belas ao mesmo tempo, agradando até mesmo ouvintes de estilos completamente diferentes devido a sua grande variação na construção das músicas e sua criatividade absurda. Dizer que Chuck Schuldiner era um gênio sem sombra de dúvida é redundante, não é mesmo?!

01. Flattening of Emotions
02. Suicide Machine
03. Together as One
04. Secret Face
05. Lack of Comprehension
06. See Through Dreams
07. Cosmic Sea
08. Vacant Planets

Chuck Schuldiner (Vocais/Guitarra) (R.I.P. 2001)
Steve DiGiorgio (Baixo)
Paul Masvidal (Guitarra)
Sean Reinert (Bateria)


Outras resenhas de Human - Death

null




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Death"


Ídolos imortais: Chuck Schuldiner, o padrinho do death metalÍdolos imortais
Chuck Schuldiner, o padrinho do death metal

HailMetal.com: Os cinqüenta melhores álbuns de Death MetalHailMetal.com
Os cinqüenta melhores álbuns de Death Metal

Metal Extremo: os 25 melhores álbuns de todos os temposMetal Extremo
Os 25 melhores álbuns de todos os tempos

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1991Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1991


Metal Progressivo: os dez melhores álbuns do estiloMetal Progressivo
Os dez melhores álbuns do estilo

Os dez maiores picaretas da música internacionalOs dez maiores picaretas da música internacional
Os dez maiores picaretas da música internacional

Trues quase infartaram: Obituary mitou ao lado de Joelma e ChimbinhaTrues quase infartaram
Obituary mitou ao lado de Joelma e Chimbinha

Megadeth: a canção que Dave Mustaine menos gostaSeparados no nascimento: sou só eu, ou eles são parecidos?Kim Kardashian: usando camiseta do Metallica de dois mil dólares?John Lennon: Julian Lennon revela ódio pelo próprio pai

Sobre David Torres

Moderador e criador nas páginas Mundo Metal e The Old Thrash Metal, tem como estilo predileto o bom e velho Thrash Metal e procura sempre conhecer mais e mais acerca do estilo, assim como do Rock/Metal como um todo e as suas mais variadas vertentes e subgêneros.

Mais matérias de David Torres no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336