Steelfox: Heavy Metal tradicional direto e poderoso

Resenha - 13: 18 - Steelfox

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Felipe Cipriani Ávila
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


O conjunto paulistano Steelfox foi formado em 2012, pelo contrabaixista Diego Julio, tendo como principais influências as bandas tradicionais de Heavy Metal da prolífica década de oitenta. O álbum de estreia, "13:18", foi lançado no primeiro trimestre de 2014, e não demora muito para cativar o ouvinte.

Corey Talor: "Axl é um pau no cu e quem espera por ele é otário"De AC/DC a ZZ Top: Origens dos nomes de bandas e artistas de rock

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Gravado no estúdio Mr. Som, localizado em São Paulo, "13:18" se mostra um material muito inspirado, coeso, de fácil assimilação e repleto de melodias de muito bom gosto.

O que logo chama a atenção é o peso imprimido em todas as composições, com riffs e solos de guitarra certeiros e marcantes, ótimas e evidentes linhas de contrabaixo, além de um eficiente trabalho de bateria e linhas vocais criativas, bem interpretativas e
características.

A parte lírica do trabalho aborda a profecia do fim do mundo segundo a cultura dos maias e merece atenção especial do ouvinte, pois complementa e abrilhanta ainda mais a audição. A bela arte de capa a cargo do carioca Alan Silva (Asymmetry) combina bastante com o tema.

No que concerne às músicas em si, como já foi mencionado, praticamente todas, excetuando-se a bela balada "Tides Of War", são bem pesadas, diretas, enérgicas e bebem bastante da fonte do Heavy Metal tradicional da década de oitenta. A faixa de abertura, "Hail The Hate", é, provavelmente, um dos grandes destaques, pois logo mostra "para o que veio", com um breve e ótimo solo de bateria de Juliana Shibata, logo explodindo e ficando bem pesada e poderosa. O vocal agressivo, próprio e marcante de Meri Bondezan dá ainda mais ênfase ao peso das guitarras e dos outros instrumentos, deixando tudo ainda mais rico, empolgante e envolvente. Entretanto, o trabalho segue ótimo ritmo, e as composições seguintes mantêm o entusiasmo do ouvinte. A segunda faixa, "Memories Of Chaos", logo no início já chama a atenção, ficando cada vez mais encorpada e poderosa. As linhas vocais impressionam pela precisão e agressividade, crescendo ainda mais na ponte e no refrão, que são muito bons e de fácil memorização. As linhas de contrabaixo são bem criativas e presentes e os solos de guitarra são maravilhosos, repletos de energia e emoção. Voltando à parte vocal, Meri Bondezan é muito talentosa e possui um timbre bem característico, interpretando muito bem a letra. É complicado citar esse ou aquele destaque, pois o ritmo imprimido às canções é muito forte, sendo que há pouco tempo para respirar e descansar. Temas como "Deathbed", "Nostri Diaboli", "Embassy Of Hell" (que tem, inclusive, um videoclipe), "First Rider" e "Demonmetals" logo emocionam qualquer fã de Heavy Metal clássico, por serem muito influenciados pela "década de ouro" do gênero. Tanto os riffs e solos de guitarra, como a cozinha bastante competente, além das poderosas e precisas linhas vocais, nos remetem à década de oitenta. A terceira mencionada, "Embassy Of Hell", por exemplo, possui uma introdução bem marcante, forte e pesada, bem na escola das bandas tradicionais oitentistas. Como pode ser observado no seu decorrer, é uma música direta, sem firulas, com linhas vocais ímpares, contando com um refrão de fácil assimilação, daqueles para o público cantar em uníssono nas apresentações ao vivo. A oitava faixa do álbum, a já citada "Demonmetals", é também um Heavy Metal puro e direto, que cresce cada vez mais até chegar ao ótimo refrão. O trabalho de bateria merece elogios pela precisão, competência e criatividade. As quatro últimas faixas, "Three Heroes", "Welcome To Hell", "The Thirteenth" e "13:18", não ficam atrás no quesito criatividade e energia. Todas vão direto ao ponto, nos brindando com várias melodias memoráveis e
emocionantes.

O álbum de estreia do Steelfox é, então, um registro que enaltace tudo de melhor que há no Heavy Metal tradicional, sendo que cada nota é tocada com muita paixão e comprometimento. A audição integral é muito agradável, divertida e certamente renderá muito headbanging ao ouvinte. Vida longa ao conjunto e que nos brinde com mais registros dessa estirpe!

Confira as faixas do álbum:
http://www.rdio.com/artist/Steelfox/?ref=atw

Além do videoclipe oficial para a faixa "Embassy Of Hell":

Formação da banda:
Meri Bondezan - Vocal
Guilherme Fernandes - Guitarra
Otto Lima - Guitarra
Nuno Braz - Guitarra e Backing Vocal
Diego Julio - Contrabaixo e Backing Vocal
Juliana Shibata - Bateria e Backing Vocal

Faixas:
1 - Hail The Hate
2 - Memories Of Chaos
3 - Deathbed
4 - Nostri Diaboli
5 - Embassy Of Hell
6 - The Sevens
7 - First Rider
8 - Demonmetals
9 - Tides Of War
10 - Three Heroes
11 - Welcome To Hell
12 - The Thirteenth
13 - 13:18


Outras resenhas de 13: 18 - Steelfox

Steelfox: Representando com fidelidade e garra o Metal dos 80'sSteelfox: Heavy Metal tradicional no sangueSteelfox: Heavy Metal tradicional com características ímpares




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Steelfox"


Blog Sutil Como Uma Granada: Musas do rock/metal nacionalBlog Sutil Como Uma Granada
Musas do rock/metal nacional


Corey Talor: Axl é um pau no cu e quem espera por ele é otárioCorey Talor
"Axl é um pau no cu e quem espera por ele é otário"

De AC/DC a ZZ Top: Origens dos nomes de bandas e artistas de rockDe AC/DC a ZZ Top
Origens dos nomes de bandas e artistas de rock


Sobre Felipe Cipriani Ávila

Headbanger convicto e fanático, jornalista (graduado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC Minas), colecionador compulsivo de discos, não vive, de modo algum, sem música. Procura, sempre, se aprofundar no melhor gênero de música do mundo, o Heavy Metal, assim como no Rock'n'Roll, de um modo geral, passando pelo clássico, pelo progressivo, pelo Hard setentista e oitentista, e não se esquecendo do Blues. Play It Loud!

Mais matérias de Felipe Cipriani Ávila no Whiplash.Net.

adGoo336