RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemO que faltou para o Overkill entrar no "Big Four" do thrash, segundo D. D. Verni

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words


Black Label Society: Disco mantém o nível de qualidade da banda

Resenha - Catacombs of Black Vatican - Black Label Society

Por João Paulo Linhares Gonçalves
Postado em 22 de maio de 2014

Nota: 7

Após o lançamento do último álbum de estúdio, "Order Of The Black", em agosto de 2010, o Black Label Society excursionou bastante, promovendo o lançamento, e chegou a passar duas vezes pelo Brasil: em agosto de 2011 e em novembro de 2012. Durante este tempo, a banda também lançou um álbum de sobras de estúdio - "The Song Remains Not The Same", de 2011 - e um álbum ao vivo - "Unblackened", em 2013. Apesar de toda a atividade, os fãs do grupo estavam ansiosos por um novo álbum de estúdio, com composições frescas, que viu a luz do dia no mês passado, abril.

O álbum trouxe a marca de ser o primeiro sem a presença do parceiro guitarrista Nick Catanese, com a banda desde sua formação (o guitarrista Dario Lorina foi anunciado como seu substituto). Também foi o primeiro (e talvez o último) a contar com o baterista Chad Szeliga, que já deixou a banda - foi substituído por Jeff Fabb (quanta troca de baterista - Jeff é o quarto (!!!) a assumir as baquetas do grupo desde a saída de Craig Nunenmacher, em 2010).

Zakk resolveu apostar na máxima "em time que está ganhando não se mexe" e manteve a sonoridade do álbum (Zakk produziu o álbum) bem próxima dos lançamentos anteriores: muito peso, solos inspirados e fortíssima influência de Led Zeppelin e Black Sabbath, mesclando as canções mais rápidas e pesadas com intervenções acústicas - luz e sombra, como o mestre Jimmy Page ensinou. Outra característica mantida é a qualidade dos riffs: desde o primeiro single, "My Dying Time", passando por "Heart Of Darkness", "Beyond The Down" e "Damn The Flood", todas mantendo a rifferama que sempre podemos encontrar num disco do Black Label Society. No lado das baladas lentinhas, o grande destaque fica com "Angel Of Mercy", bela melodia e um leve arranjo de fundo complementando muito bem a canção. Zakk está segurando bem a onda de cantar, talvez um de seus melhores registros em estúdio como cantor. Os maiores destaques, no entanto, ficam para as canções que apostam no peso, e destas eu destaco "Believe", riff sereno com um timbre de guitarra perfeito, a melhor do disco para mim; "Damn The Flood", outro belo riff e andamento; e "Empty Promises", uma canção que transborda um clima sabbathico. No final da audição, fica a sensação de que o disco manteve o nível de qualidade da discografia da banda e não decepcionará os fãs da banda.

Quem adquirir a versão deluxe do álbum ganha duas faixas bônus: "Dark Side Of The Sun", que mais parece uma sobra do "Volume 4" do Black Sabbath, tamanha a influência; e a lentinha "The Nomad", com qualidade superior a várias baladas presentes no disco, deveria ter entrado como faixa principal. Se você é fã de Black Label Society, com certeza não se desapontará com este novo lançamento da banda - ele aposta em manter a sonoridade com composições fortes e de qualidade. Uma aposta que levou o álbum a estrear na quinta posição da parada norte-americana, uma posição abaixo do lançamento anterior. Lembrando que a banda já tem uma pequena turnê agendada para o Brasil em agosto: dia 08 no Circo Voador, Rio de Janeiro; dia 09 no Via Marques, em São Paulo; e dia 10 no Master Hall, Curitiba (locais e datas tirados do site oficial da banda). Esta será a quarta passagem do grupo pelo Brasil!

Relação das músicas:
1 - "Fields Of Unforgiveness"
2 - "My Dying Time"
3 - "Believe"
4 - "Angel Of Mercy"
5 - "Heart Of Darkness"
6 - "Beyond The Down"
7 - "Scars"
8 - "Damn The Flood"
9 - "I've Gone Away"
10 - "Empty Promises"
11 - "Shades Of Gray"
Faixas bônus (versão deluxe):
12 - "Dark Side Of The Sun"
13 - "The Nomad"

Alguns vídeos:

"My Dying Time":

"Believe":

"Empty Promises":

Confira esta e outras resenhas no blog Ripando a História do Rock: http://ripandohistoriarock.blogspot.com.br. Até a próxima!!

[an error occurred while processing this directive]


Outras resenhas de Catacombs of Black Vatican - Black Label Society

Resenha - Catacombs of Black Vatican - Black Label Society

Resenha - Catacombs of Black Vatican - Black Label Society

Resenha - Catacombs of Black Vatican - Black Label Society

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Ozzy Osbourne: uma garrafa d'água que custou 80 mil


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre João Paulo Linhares Gonçalves

Roqueiro convicto, de carteirinha, desde os treze anos de idade. Já tive diversas bandas preferidas: de Iron Maiden, Metallica e Black Sabbath a The Who, Pink Floyd e Rolling Stones. O heavy metal sempre me atraiu muito, mas o rock praticado nos anos 60 e 70 é fascinante e estou sempre escutando. De vez em quando, dou chance ao punk, rock alternativo, blues, até ao jazz e MPB, pra variar.
Mais matérias de João Paulo Linhares Gonçalves.