Far From Alaska: Boa estreia revela promessa do rock nacional

Resenha - modeHuman - Far From Alaska

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Ver Acessos


Formado em 2012, o Far From Alaska é um grupo brasileiro de grunge/rock alternativo oriundo de Natal, RN. Após uma calorosa recepção para seu EP Stereochrome, o grupo lança seu primeiro álbum, modeHuman, trabalho de 15 faixas bastante consistente, totalizando uma hora de muito peso e atitude, do começo ao fim (ou até quase o fim, como explicado a seguir).

Separados no nascimento: Bruce Dickinson e Leopoldo PachecoMarilyn Manson: "Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apesar dos termos "grunge" e "rock alternativo" empregados acima, não é tão fácil assim classificar o som do Far From Alaska - só ouvindo para ter a real dimensão. Você sentirá aromas até de country, hard rock e metal progressivo ao dar "play" no álbum, que já está disponível para compra no iTunes e para audição no Deezer.

Apesar de todas as faixas seguirem mais ou menos a mesma linha, há alguns destaques, como as influências de Jack White em "About Knifes" (os fãs do guitarrista lembrarão imediatamente de "Icky Thump" ao ouvirem esta faixa), o técnico interlúdio progressivo em "The New Heal", a eletrônica faixa título, e o belo solo de piano escondido aos 6:59 do enceramento "Monochrome", contrastando com a crueza e agressividade do som apresentado até aqui.

Difícil dizer o que agrada mais no Far From Alaska: se o trabalho instrumental do trio Edu Filgueira (baixo), Rafael Brasil (guitarra) e Lauro Kirsh (bateria), entregando riffs e ritmos de rápida agradabilidade; se os teclados de Cris Botarelli, que dão um toque a mais de autenticidade ao som; ou se a voz marcante e agradável de Emmily Barreto, que está servindo como excelente cartão de visitas.

Você não encontrará muito facilmente outras bandas nacionais iniciando a carreira com material de tão impecável produção. Por cantar apenas em inglês, o Far From Alaska tem ainda grandes chances de conquistar o público estrangeiro no futuro.

PS: Agradecimentos especiais ao colega colaborador do Whiplash.net Danilo F. Nascimento, por ter incluído a banda em sua série de matérias "O Rock Nacional está morto?: Você que pensa!"; foi nela que eu conheci o grupo.

Track-list:
1. "Thievery"
2. "Deadmen"
3. "Dino vs. Dino"
4. "Politiks"
5. "Another Round"
6. "About Knives"
7. "Rolling Dice"
8. "Mama"
9. "Greyhound"
10. "Communication"
11. "The New Heal"
12. "Tiny Eyes"
13. "modeHuman, Pt.1"
14. "Rainbows"
15. "Monochrome"

Nota: 9

Abaixo, o vídeo de "Thievery".


Outras resenhas de modeHuman - Far From Alaska

Far From Alaska: Uma grande revelação da cena brasileiraFar From Alaska: Obrigatório para quem curte Stoner Rock




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Far From Alaska"


Separados no nascimento: Bruce Dickinson e Leopoldo PachecoSeparados no nascimento
Bruce Dickinson e Leopoldo Pacheco

Marilyn Manson: Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!Marilyn Manson
"Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!"


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

adGoo336