RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemMike Portnoy comprou "Piece Of Mind", do Maiden, em excursão escolar

imagemRolê aleatório: Geoff Tate e Rhapsody se divertem em aeroporto no aeroporto

imagemA medida extrema que Dio pensou em tomar por não curtir "Rainbow in the Dark"

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical


Stamp

Anubis: Mais um trabalho de qualidade dentro do Thrash Metal

Resenha - Legacy of Humanity - Anubis

Por Leonardo M. Brauna
Postado em 12 de dezembro de 2013

ANUBIS é mais um grande grupo paraense que faz um trabalho de qualidade dentro do Thrash Metal. A banda foi formada em 1994 e alcançou-se doze anos até sair o primeiro registro, ‘Anubis’, demo de 2006. Mais quatro anos, finalmente lançam o seu ‘full length’, ‘Legacy of Humanity’. O álbum, que foi lançado em 2010, compensou a espera desses dezesseis anos e, com certeza, ficou sendo um dos melhores trabalhos daquele ano.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

As músicas são muito técnicas – aliás, essa parece ser uma qualidade muito comum entre bandas daquela região – os riffs pulsantes dividem espaço com passagens velozes, mas a coerência harmônica é um dos melhores destaques desse álbum, graças ao talento indiscutível de cada membro.

SANDRO COSTA tem uma entonação vocal que cai muito bem à proposta lírica que aborda o sofrimento, alienação, guerras e, como não poderia deixar de ser, citações sobre o deus mitológico Anúbis. SANDRO carrega suas linhas como lamentos em doses meio guturais, meio rasgadas e também assina a metade das letras do CD.

publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |

A riferama que constitui os seus temas é bastante criativa. As distorções de guitarra, ritmos velozes que alternam para o pesado, tudo sai no tempo certo. O primeiro exemplo é ‘The Armistice’ que enriquece suas bases com uma pegada empolgante.

Tiradas mais diretas também fazem parte do atrativo que podemos conferir em faixas como, ‘Forbidden Game’ que, em certo momento, executa "paradas" que chamam o peso, e ‘Anubis’ que consiste em bases mais soltas depois de explorar melhor a melodia no começo. A música do deus egípcio também é a que mostra melhor desenvolvimento de bateria, deixando MAURÍCIO SANJAD (que não está mais na banda) à vontade para espancar os bumbos duplos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A energia flui também com a levada de ‘School of Hate’ que puxa tração nas seis cordas tornando-a bastante pesada. Na mesma direção segue ‘Slave of Misery’ um pouco mais brutal e com vocais mais ríspidos.

Entrada nervosa e palhetadas constantes são aperitivos de ‘Dark Hope’. O riff matador divide a atenção com as linhas de baixo que se transpõem em alguns momentos. VENICIUS CARVALHO aqui se supera tocando o maior solo do CD e, também gravando todas as partes de baixo, não apenas nessa música, como em todo o álbum.

Em ‘The Last Act’ ele divide o mérito com RENATO COSTA (outro que também não está mais na banda), pois essa canção tem trabalho mais criativo de riffs. A entrada com chamado de bateria instiga a expectativa de uma boa audição. E boa audição é o que você também confere em P.O.W. (que a demo, ‘Dark Hope’ de 2008 denuncia significar: ‘Prisioner of War’), faixa que une peso e cadencia na medida.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O ápice da perfeição desses músicos nesse CD, sem dívida está em ‘Under the Influence’. Uma instrumental riquíssima que não aborda apenas o lado Thrash Metal, mas confere ótima melodia e solos da mais alta competência.

Por fim, o último comentário sobrou justamente para a última canção, ‘Dream Beyond’, que apenas confirma a boa técnica e estrutura de belos riffs. O CD termina com mais de uma hora de duração e o sentimento que surge em nós é o de ódio saciado, além da satisfação de possuir um dos melhores trabalhos do Metal brasileiro.

A produção está ótima e o trabalho gráfico, tanto na arte como no material impresso é bastante padronizado. Fruto de uma união séria e competente que engloba vários profissionais. Já está passando do momento de chegar o segundo ‘full length’, hein, meninos?

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Formação:

SANDRO COSTA – Vocal;
VINÍCIUS CARVALHO – Guitarra;
RENATO COSTA – Guitarra;
ROGÉRIO SARGES – Baixo;
MAURÍCIO SANJAD – Bateria.

Faixas:

01 – The Armistice;
02 – Forbidden Game;
03 – School of Death;
04 – Dark Hope;
05 – The Last Act;
06 – Anubis;
07 – P.O.W.;
08 – Under the Influence;
09 – Slaves of Misery;
10 – Dream Beyond the Mirror.

[an error occurred while processing this directive]


Outras resenhas de Legacy of Humanity - Anubis

Resenha - Legacy Of Humanity - Anubis

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.
Mais matérias de Leonardo M. Brauna.