Matérias Mais Lidas

imagemPrika Amaral esclarece por que contratou apenas mulheres europeias para a Nervosa

imagemLegião Urbana e a surpreendente música que serviu de base para "Ainda é Cedo"

imagemJames Hetfield e esposa Francesca se divorciam após 25 anos de união

imagemNando Reis e a linda música que Samuel Rosa dispensou por ter recebido na hora errada

imagemCinco músicos que começaram vida nova após saírem de grandes bandas de heavy metal

imagemAs seis músicas do Metallica que Dave Mustaine ajudou a escrever

imagemA opinião de Dave Mustaine sobre a clássica "The Unforgiven", do Metallica

imagemJanis Joplin: última gravação dela em vida foi feita para um Beatle

imagemAs faixas do "Black Album" que James Hetfield e Lars Ulrich não curtem

imagemAC/DC: Rick Rubin recorda a problemática produção de "Ballbreaker"

imagemAnitta é a maior roqueira que existe hoje no Brasil, diz integrante do Titãs

imagemNando Reis relembra curioso único game que jogou na vida, durante gravação dos Titãs

imagemA reação de Jimi Hendrix ao assistir King Crimson ao vivo

imagemO comovente relato de Kiko sobre como foi gravar em meio ao câncer de Mustaine

imagemO show do Black Sabbath que acabou em tumulto por conta de uma garrafa


Stamp

Satyricon: O retorno com toda a fúria ainda mais madura

Resenha - Satyricon - Satyricon

Por Guilherme Niehues
Fonte: Horns Up
Em 29/09/13

SATYRICON é uma banda que sempre causou uma boa impressão, seja na sua era dourada do Black Metal, com os famosos Dark Medial Times (1994) ou Nemesis Divina (1996) ou então, na sua era mais voltada há um som mais amplo com vários influências, que claro, podemos citar o excelente Vocalno (2002) e Now, Diabolical (2006).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Também, não é de hoje que a banda preza em trazer algo mais maduro do que um simples black metal ou pós-Black Metal, e de fato, aqui se concretiza, neste álbum auto-intitulado lançado no dia 9 de setembro deste ano.

A dupla Satyr e Frost trazem uma evolução dos seus últimos álbuns, The Age of Nero (2008) e do já citado, Now, Diabolical. Uma espera de 5 anos demonstra toda a energia e qualidade dos músicas acoplados há sua marca registrada, SATYRICON. Dito isso, vos digo que é necessário ouvir este álbum com uma mente mais aberto, caso você ainda acredite que a banda é puramente Black Metal.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Em todo o seu conjunto, o álbum é bastante coeso, especialmente pela qualidade da voz de Satyr, demonstrando que ele ainda não perdeu sua principal característica. Que aliás, Satyr é responsável por grande parte do instrumental deste álbum, guitarras, teclados e baixos. Portanto, deixando as baquetas para o fabuloso Frost,o que de fato é um ponto extremamente forte do álbum, afinal Frost era e ainda é um dos melhores bateristas do estilo, e aqui é possível identificar e exponenciar ainda mais este fator.

O que muda desta nova película para as anteriores, é a variação de passagens se comparado aos seus antecessores, onde é possível identificar uma exposição maior de passagens acústicas ou a caracterização de um ambiente mais sombrio que em sua totalidade permeia todo o álbum do inicio ao fim. Todavia, passagens mais clássicas que remetem a era mais antiga da banda, especialmente de 2002 até os seus primórdios, ainda são apresentados aqui e acolá, porém deixa de ser a aposta da banda. Contudo, é preciso ressaltar também a criatividade da banda em se manter firme a proposta que aqui se apresenta.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Se comparado ao seu antecessor, as músicas deste álbum são mais longas, portanto demonstram uma coerência muito melhor nos termos de criatividade – conforme já citado – como banda. Todavia, este novo lançamento em alguns momentos nos demonstra que as músicas se interligam umas com as outras, especialmente as 3 primeiras músicas, após a abertura Voice of Shadows. Trog Og Kraft, Our World, It Rumbles Tonight e Nocturnal Flare remetem a uma única passagem, e acho isso digno de ser comentado e um grande ponto positivo, exaltando ainda mais o que já havia comentado, a banda se mantem coerente do inicio ao fim da bolacha.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Ainda uma adição muito importante e que da um tom de novidade é os vocais limpos do convidado Silvert Høyem (ex-Madrugada) que aumenta a genialidade da música Phoenix, a quinta desta nova empreitada do SATYRICON. E será uma surpresa bastante agradável, tanto para os adoradores da banda, seja da antiga ou da nova fase.

Não vejo grandes pontos que possam prejudicar este lançamento, mas, talvez as duas faixas instrumentais que abrem e fecham o disco, Voice of Shadows e Natt, respectivamente estão ali apenas por estar, para preencher um tempo a mais do disco, mas, por opção da banda de estar ali ao menos elas nos brindam com a introdução e conclusão do novo trabalho da banda.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

E caso você consiga ainda a versão japonesa do álbum, terá acesso a três faixas bônus, das músicas Phoenix, Our World, It Rumbles Tonight e Natt, sendo que a primeira é retirada da sessão de mixagem e as duas últimas se tratam de remix. Porém, não agregam nenhuma novidade ou algo que realmente possa agregar qualquer alegria, e sim, uma semelhança para o ouvinte de ouvir "mais do mesmo".

Em geral, a banda volta com toda a sua fúria ainda mais madura e acrescenta um excelente álbum a sua carreira. E aliás, acrescentam também a melhor arte de capa e encarte da carreira, também!

SATYRICON – Satyricon (2013) – Roadrunner Records:

1. Voice of Shadows
2. Tro og kraft
3. Our World, It Rumbles Tonight
4. Nocturnal Flare
5. Phoenix
6. Walker upon the Wind
7. Nekrohaven
8. Ageless Northern Spirit
9. The Infinity of Time and Space
10. Natt
11. "Phoenix" (recording session mix) (6:32)
12. "Our World, It Rumbles Tonight" (deeper low mix) (5:07)
13. "Natt" (wet mix) (3:34)

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Resenha originalmente escrita para o site Horns Up
http://www.hornsup.com.br

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Sexo: os clipes mais sensuais do Metal segundo a Metal Hammer

Como acalmar seu bebê: Black Metal é a solução!

Krisiun: "Vocal do Satyricon é um cuzão, racista, me seguraram pra não bater nele"

Iron Maiden: Perguntas e respostas e curiosidades diversas

King Diamond: O que significa ser Satanista?