Thiago Schiefer: Combinações simples e diretas sem soar clichê

Resenha - Prototype: Freedom - Thiago Schiefer

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Pedro Zambarda de Araújo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O compositor, guitarrista e cantor THIAGO SCHIEFER lança, com previsão para o dia 1º julho, o disco Prototype: Freedom. O material é seu primeiro álbum de estúdio, co-produzido por Ale Souza (REMOVE SILENCE) e Fabio Ribeiro (REMOVE SILENCE e Ex-ANGRA).
5000 acessosLars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' Roses5000 acessosEm 16/01/1993: o Nirvana fazia um show catastrófico no Brasil

O disco tem participação de Daniella Alcarpe, Hugo Mariutti (atual ANDRÉ MATOS, ex-SHAMAN), Rodrigo Calejon, além dos co-produtores. Nós tivemos acesso exclusivo ao álbum antes do lançamento e contamos como é o trabalho nesta resenha.

Prototype: Freedom tem 10 faixas e soa fluído na maior parte do tempo, sem interrupções bruscas entre uma música e outra. A proposta de sua musicalidade parece ser um rock direto e independente, com alguns traços de heavy metal do Metallica e de bandas modernas como Muse.

"Frantic" abre o disco com uma guitarra que salta aos ouvidos, pesada mas sem sujeira. A bateria soa seca, mas combina com a música crua que mostra o rock simples do material, logo de cara.

O baixo de "City Lights" dá um groove elegante com a guitarra e a voz da música. A transição da primeira para a segunda faixa se dá quase sem perceber, o que dá um tom de unidade maduro para um disco de estreia. Um duelo de guitarras entre Hugo Mariutti e Thiago Schiefer mostra a diversidade dos sons elétricos dentro da composição. Mesmo com interrupções em outras faixas, essa sensação não desaparece ao ouvir o material.

A voz decrescente no final de "City Lights" faz a ponte para um faixa diferente. "Rays On the Water", lançada como single, é a faixa mais pop do disco. Recheada com um som limpo e parte da letra em português, a letra fala sobre o encontro com a razão de viver, com o sentido da vida. É a música mais feliz do CD, sem deixar de soar como um autêntico rock'n'roll. O refrão é grudento.

"The Grand Stage" retoma o tom mais pesado de Prototype: Freedom. E é uma música tipicamente para quem aprecia uma boa guitarra elétrica, com uma quebra e um silêncio que favorecem um solo de guitarra bonito.

"Rise", ao contrário, é uma música que começa destacando mais os vocais de Thiago Schiefer, enquanto o instrumental tem um quê de Muse. A distorção usada não é clichê do rock clássico, mas está presente em muitas bandas do cenário indie dos últimos anos. A voz muda para um eco interessante no meio da composição, que faz um contraponto à distorção dos instrumentos. O baixo é macio e guia toda a melodia.

"Götterdämmerung" tem um teclado com melodia parecida com os videogames, que é reproduzido de maneira atraente na guitarra elétrica. A tradução do título da música, do alemão, é "Crepúsculo dos Deuses", que o mesmo nome de um filme dirigido por Billy Wilder. A música é apenas instrumental e é cativante.

O teclado na abertura da sétima faixa, "Trapped", combina com a voz teatral do compositor. A música cresce com a entrada da bateria, acompanhada por guitarras mais sujas se comparadas com o restante das composições.

"Free" tem um fraseado de guitarra de Thiago Schiefer que era utilizado em seus vídeos e vlogs de YouTube, enquanto a letra fala sobre a liberdade de expressão, dos corpos e da tristeza. É outra música feliz, mas sem o tom mais leve de "Rays On the Waters". A composição é um single em potencial. "You’re free to believe / You’re free to exist / You’re free, can’t deny" é uma passagem de destaque na música.

"She Spoke" abre e se mantém com mais som limpo, contrastando com os solos distorcidos do disco e dando a sensação de que "Prototype: Freedom" é mesmo um disco de rock direto, sem firulas ou enrolações sonoras. O vocal da música harmoniza com um instrumental agradável aos ouvidos.

Fechando o material, como que contando uma história sobre a liberdade (mesmo sem o disco ter ares de conceitual), "Tale Of Forecoming Lore" é predominantemente acústica, perfeita para ser um B-side. O solo de violão é tão trabalhado quanto nas faixas de guitarra.

Prototype: Freedom é um CD que acerta, muito, em apostar em combinações simples e diretas sem soar clichê. E sua falha é exatamente essa, por um lado, porque o som não remete 100% a algo que você conhece. Tem leve inspiração em Muse, fraseados tipo thrash a la Metallica, além de solos baseados na musicalidade do Pink Floyd. Mas, mesmo com tantas inspirações, Thiago Schiefer não tenta fazer versões de outros músicos. É uma boa novidade original do mercado brasileiro de música.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Thiago Schiefer"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Thiago Schiefer"

Lars UlrichLars Ulrich
Vomitando no camarim do Guns N' Roses

NirvanaNirvana
Lendário show no Hollywood Rock completa 20 anos

MetallicaMetallica
As 10 melhores músicas segundo a Loudwire

5000 acessosAC/DC: setlist, fotos e vídeos do show arrasador com Axl Rose5000 acessosMusical Box: Os 20 discos seminais do Hard Rock5000 acessosNick Jonas: ele tentou fazer um solo e virou um meme de Internet5000 acessosIsto sim é ser fã: homem muda nome para "Led Zeppelin II"5000 acessosIron Maiden: O porquê das críticas aos últimos álbuns da banda4690 acessosKerry King: guitarrista comenta as novas músicas do Slayer

Sobre Pedro Zambarda de Araújo

Nascido em 1989. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo, Pedro foi apresentado ao heavy metal através da banda Blind Guardian, em meados de 2004. Ouve e aprecia outros estilos do rock, como o punk, o indie e vertentes mais variadas. Gosta de assistir e cobrir shows.Toca muito mal guitarra, mas aprecia vários tipos de instrumentos musicais.

Mais matérias de Pedro Zambarda de Araújo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online