Black Label Society: um dos melhores álbuns em sua discografia

Resenha - Blessed Hellride - Black Label Society

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por João Paulo Linhares Gonçalves, Fonte: Ripando a História do Rock
Enviar Correções  


Vou falar sobre o disco "The Blessed Hellride", do Black Label Society, que está completando dez anos de lançamento. Um dos melhores álbuns na discografia desta banda capitaneada por Zakk Wylde, e certamente um de meus preferidos.

Metallica: garoto de 10 anos destrói com "Enter Sandman" em programa de TV

Metallica: fãs pediam que eles transassem com suas namoradas?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Já contei boa parte da história de Zakk Wylde, que antes de formar o Black Label Society, criou uma banda de heavy metal sulista (Pride And Glory, confira o post sobre esta banda aqui - https://whiplash.net/materias/cds/128660-prideandglory.html) e também lançou um disco solo, com muitas canções no formato acústico (confira o post sobre este disco solo aqui - https://whiplash.net/materias/cds/131838-blacklabelsociety.html). O primeiro disco do Black Label data de 1998, e em estúdio, pelo menos até este álbum, Zakk preferia gravar quase todos os instrumentos - somente a bateria ficou a cargo de outro membro, o baterista Craig Nunenmacher. Lançado em abril de 2003, este foi o primeiro álbum do Black Label Society a entrar na parada de sucessos americana - alcançando a 50ª posição (fonte: Wikipedia). O carro-chefe do disco foi a canção "Stillborn", que teve um vídeo-clipe para promoção e tudo, apesar da gravadora Spitfire não ter conseguido permissão para usar o nome ou imagens de Ozzy Osbourne, que faz uma participação vocal nesta canção.

O álbum já abre em altíssima rotação com a excelente "Stoned And Drunk", um riff forte que se multiplica e acelera a canção, refrão mais cadenciado, fortíssima influência de Black Sabbath (coisa comum nos trabalhos da banda) que irá se perpetuar por todo o álbum. O solo vem no melhor estilo de Zakk Wylde, inspirado e acelerado. "Doomsday Jesus" mantém o nível de qualidade elevado com outro grande riff, levada mais rítmica que depois se transforma em uma cadência pesadissima para o refrão - outro belo solo. "Stillborn", o carro-chefe do álbum, já começa com os gritos de Ozzy Osbourne ecoando pela faixa, uma canção mais melódica que costuma encerrar os shows da banda. Refrão bonito, a participação de Ozzy deixa a música ainda melhor. Um caminhão daqueles que transportam pilastras de grandes viadutos, gigantescos e pesadíssimos; imagine-se sendo atropelado por um desses - é o efeito que a canção "Suffering Overdue" tenta passar com doses cavalares de peso. Para aliviar um pouco, a faixa-título surge em clima mais intimista, acústico, para acalmar um pouco os ânimos e te dar fôlego para as próximas canções.

"Funeral Bell" recoloca o disco nos trilhos do metal de peso máximo com mais um riff e solo de qualidade de Zakk, uma canção que costuma ser muito bem recebida quando tocada nos shows do Black Label Society. "Final Solution" se mantém com muito peso (apesar de ser uma faixa de qualidade um pouco inferior às demais) e aqui o álbum começa a caminhar para um clima mais sombrio, inclusive nas letras, esta falando sobre os terrores da guerra. "Destruction Overdrive" será a última música deste álbum de pegada acelerada e pesada, com a temática de guerra e destruição continuando. A partir de então, temos três canções bem sombrias, de andamento mais moderado, porém de ótima qualidade. Começamos com "Blackened Waters", uma de minhas preferidas de todo o disco, uma canção que apesar do tom melancólico consegue manter um certo peso, se mantém coesa com o restante do álbum. "We Live No More" e seu refrão quase choroso, com ritmo cadenciado e a temática sombria mantida. E, encerrando com muita melancolia, "Dead Meadow", quase um blues metal, com Zakk fazendo uso de um piano para conduzir a canção por terrenos mais calmos e acústicos, quase que um prelúdio para o próximo álbum da banda, que seria composto por material nesse estilo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um trabalho muito conciso e de qualidade, um álbum que iniciou a caminhada de maior sucesso do Black Label Society, até hoje muito falado pelos fãs da banda. Se você não conhece este trabalho do grupo, ou não conhece trabalho nenhum disco, este é um ótimo álbum para começar sua exploração pelos caminhos sombrios e pesados de Zakk Wylde e seus asseclas. Heavy metal sem frescuras, enfeites e firulas: apenas muito peso - força e determinação impiedosa para sempre!!

Relação de músicas do álbum:

1 - "Stoned and Drunk"
2 - "Doomsday Jesus"
3 - "Stillborn"
4 - "Suffering Overdue"
5 - "The Blessed Hellride"
6 - "Funeral Bell"
7 - "Final Solution"
8 - "Destruction Overdrive"
9 - "Blackened Waters"
10 - "We Live No More"
11 - "Dead Meadow"

Alguns vídeos:
"Stoned And Drunk", faixa de abertura do álbum:

Vídeo-clipe para "Stillborn":

"Blackened Waters", vídeo feito por um fã:


Outras resenhas de Blessed Hellride - Black Label Society

Resenha - Blessed Hellride - Black Label Society




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Zakk Wylde: o AA é uma viadagem, uma frescura!Zakk Wylde
"o AA é uma viadagem, uma frescura!"

Zakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarristaZakk Wylde
Cinco momentos insanos do guitarrista


Metallica: garoto de 10 anos destrói com Enter Sandman em programa de TVMetallica
Garoto de 10 anos destrói com "Enter Sandman" em programa de TV

Metallica: fãs pediam que eles transassem com suas namoradas?Metallica
Fãs pediam que eles transassem com suas namoradas?


Sobre João Paulo Linhares Gonçalves

Roqueiro convicto, de carteirinha, desde os treze anos de idade. Já tive diversas bandas preferidas: de Iron Maiden, Metallica e Black Sabbath a The Who, Pink Floyd e Rolling Stones. O heavy metal sempre me atraiu muito, mas o rock praticado nos anos 60 e 70 é fascinante e estou sempre escutando. De vez em quando, dou chance ao punk, rock alternativo, blues, até ao jazz e MPB, pra variar.

Mais matérias de João Paulo Linhares Gonçalves no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280