Borg 64: pegada das faixas são raivosas, insanas e agressivas

Resenha - Anywhere But Her - Borg 64

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar Correções  

publicidade

7


Uma pena as incursões eletrônicas nas composições deste novo EP dos suecos do Borg 64, já que mesmo assim o Crust/Hardcore executado do grupo empolga. Desde o início, com a faixa de abertura intitulada Death To False Power Chords, esses elementos supracitados se mostram desnecessários.

Guns N' Roses x Nirvana: o que ocorreu em 1992?Steve Perry: 5 fatos curiosos sobre o ex-vocalista do Journey

A pegada das faixas são raivosas, insanas e agressivas. Guitarras ríspidas, um baixo estonteante que dá brutalidade ao trabalho e uma bateria com pegada são os elementos de destaque, tudo tendo a frente vocais gritados que parecem estar em pleno ataque de nervos.

A sonoridade espanta, assim como a cara dos cidadãos que compõem a banda, porém o excesso de ruídos eletrônicos desnecessários quase põe tudo a perder. Destaque para a faixa Lulea.

http://www.facebook.com/Borg64




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Guns N' Roses x Nirvana: o que ocorreu em 1992?Guns N' Roses x Nirvana
O que ocorreu em 1992?

Steve Perry: 5 fatos curiosos sobre o ex-vocalista do JourneySteve Perry
5 fatos curiosos sobre o ex-vocalista do Journey


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

adWhipDin