Kiss: uma mistura interessante do rock sem firulas

Resenha - Unmasked - Kiss

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Daniel Fideli
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Era início da década de 1980 e o rock passava por transformações. O "boom" do punk havia encontrado o seu fim, simbolizado na morte do ícone Sid Vicious e o consequente término de sua banda, os Sex Pistols. Os conterrâneos do The Clash deixavam o gênero um pouco de lado e investiam em novos territórios musicais com o clássico "London Calling", lançado no final de 1979.
3759 acessosPaul Stanley: "guitarristas não aprendem a fazer base"5000 acessosSlayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido

O new wave, personificado na figura dos Talking Heads, influenciava grande parte da produção musical vigente na época. Ao passo que bandas de synthpop como os ingleses do Duran Duran davam seus primeiros passos rumo ao topo das paradas de sucesso. Foi nesse conturbado período que o Kiss lançou seu 8º disco de estúdio, intitulado "Unmasked".

A banda de Nova York vinha do bom e bem sucedido "Dynasty", que torceu o nariz de muitos fãs tradicionais, mas que fazia uma mistura interessante do rock sem firulas do Kiss, com pitadas do universo "Disco" que dominava o cenário musical no final da década de 1970, impulsionado pelo sucesso dos filmes de John Travolta.

Unmasked segue a linha mais pop do álbum anterior, porém sem deixar o rock de lado. A faixa de abertura "Is That You?" tem um vocal agressivo de Paul Stanley e ganhou cadeira cativa no setlist da "Unmasked Tour". Entretanto, o tom de raiva do Starchild desaparece logo na segunda música do disco, a balada "Shandi".

Shandi sem dúvidas pode ser considerada o grande "hit" do álbum, inclusive ganhando um clipe que marcou a última participação de Peter Criss com o Kiss, antes que o baterista deixasse a banda para dar lugar a Eric Carr. A música alcançou o Top 10 Australiano e foi relembrada em uma bela versão gravada em Melbourne para o disco ao vivo Symphony: Alive IV.

Na sequência surge Ace Frehley em uma de suas três canções no álbum. "Talk To Me" é um rock simples e direto, bem ao estilo Ace. Vale ressaltar que após o sucesso do disco solo de Frehley em 1978, Gene Simmons e Paul Stanley resolveram dar mais crédito ao guitarrista, dando-lhe mais espaço no álbum posterior. Dynasty já contava com três músicas de Ace.

Gene Simmons aparece pela primeira vez em Unmasked com "Naked City". A música parece ser uma sobra do álbum anterior devido à visível semelhança do som "Disco", com destaque para o baixo de Simmons. "What Makes The World Go 'Roun" segue a mesma linha, com vocais duplos de Paul Stanley e o uso, mesmo que discreto, de um sintetizador.

"Tomorrow" é uma das mais pop do álbum. No refrão, Stanley canta "And tomorrow we're gonna fall in love", mais comportado do que o "You pull the trigger of my love gun" de anos anteriores. Em "Two Sides Of The Coin" Ace fala sobre o dilema de conviver com mulheres que parecem só querer se aproveitar da fama do guitarrista. Reflexos da idade talvez ?

Na sequência, Gene reaparece na fraca "She's So European". Anos mais tarde o próprio Simmons assumiu "não saber onde estava com a cabeça" na época da gravação de Unmasked. Já "Easy As It Seems" começa com uma bela linha de baixo que remete ao Earth Wind And Fire, outra banda que dominava as discotecas naquele período.

"Torpedo Girl" é a terceira canção de Ace no disco e tem uma levada semelhante à clássica "New York Groove" do álbum solo de 1978. "You're All There I Want" fecha Unmasked com um Gene Simmons mais uma vez pouco inspirado, o destaque fica pelo curto, mas ótimo solo de guitarra de Frehley.

Unmasked é um retrato da época em que foi produzido. Longe de ser um clássico que possa competir com qualquer um dos álbuns da trinca Destroyer/Rock And Roll Over/Love Gun. No entanto, o disco é a representação de um Kiss buscando o seu lugar em meio ao novo, deixando de lado as amarras do passado glorioso e arriscando em um terreno até então pouco explorado pelo rock.

Faixas:

1."Is That You?" (Gerard McMahon) – 3:55
•Vocal Líder - Paul Stanley

2."Shandi" (Paul Stanley, Vini Poncia) – 3:33
•Vocal Líder - Paul Stanley

3."Talk To Me" (Ace Frehley) – 4:00
•Vocal Líder - Ace Frehley

4."Naked City" (Bob Kulick, Gene Simmons, Peppi Castro, Vini Poncia) – 3:49
•Vocal Líder - Gene Simmons

5."What Makes The World Go 'Round" (Paul Stanley, Vini Poncia) – 4:14
•Vocal Líder - Paul Stanley

6."Tomorrow" (Paul Stanley, Vini Poncia) – 3:16
•Vocal Líder - Paul Stanley

7."Two Sides Of The Coin" (Ace Frehley) – 3:15
•Vocal Líder - Ace Frehley

8."She's So European" (Gene Simmons, Vini Poncia) – 3:30
•Vocal Líder - Gene Simmons

9."Easy As It Seems" (Paul Stanley, Vini Poncia) – 3:24
•Vocal Líder - Paul Stanley

10."Torpedo Girl" (Ace Frehley, Vini Poncia) – 3:31
•Vocal Líder - Ace Frehley

11."You're All That I Want" (Gene Simmons, Vini Poncia) – 3:04
•Vocal Líder - Gene Simmons

Músicos creditados:

Paul Stanley – guitarra rítmica, vocais (baixo em "Tomorrow")

Gene Simmons - baixo, vocais

Ace Frehley – guitarra solo, vocais (baixo em "Talk To Me", "Two Sides Of The Coin" e "Torpedo Girl")

Peter Criss - bateria (creditado, porém não gravou nenhuma música)

Músicos não creditados:

Anton Fig – bateria em todas as faixas

Vini Poncia – vocais de apoio

Tom Harper - baixo em "Shandi"

Holly Knight - teclados

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 18 de janeiro de 2013

Paul StanleyPaul Stanley
"Guitarristas não aprendem a fazer base"

457 acessosAce Frehley: "Anomaly" ganha versão deluxe; ouça música inédita749 acessosKiss: bicicleta de triathlon em edição limitada0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Kiss"

KissKiss
Slash, do GN'R, tentou entrar na banda em 1982, diz Paul

KissKiss
Ouça "Detroit Rock City" em uma versão reggae

KissKiss
As 10 músicas mais "demoníacas" da banda

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Kiss"

SlayerSlayer
Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido

Cristina ScabbiaCristina Scabbia
Cantora fala sobre seus seios e Playboy

Fascínio pelo terrorFascínio pelo terror
Cinco bandas que dão medo

5000 acessosIron Maiden: sobre o que fala a música "Aces High"?5000 acessosFãs de Rock: você conhece o estilo de se vestir de cada um5000 acessosUltimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rock5000 acessosA Vida Pós-bilau: vocalista do Life of Agony abre o jogo3846 acessosMetaleiro: popularizado no 1º RIR, termo continua polêmico5000 acessosMetallica: o que Andreas Kisser achou do "Hardwired?"

Sobre Daniel Fideli

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online