HellLight: chama a atenção pelos arranjos muito bem construídos

Resenha - And Then The Light of Consciousness Became Hell - HellLight

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar Correções  

8


Desde que os primórdios do metal, diversos subgêneros foram criados, com características bem marcantes e tendências líricas e musicais diversificadas. E um dos estilos mais inacessíveis criados foi o doom metal, calcado em melodias fúnebres e melancólicas, andamentos arrastados e letras macabras. E dentro desse subgênero, há ainda uma faceta mais extremada, que une vocais guturais e ainda mais peso, e que muitos chamam de Funeral Doom Metal.

publicidade

E dentro desse estilo, uma das melhores bandas brasileiras é o HELLLIGHT, banda paulista que já conta com mais de 11 anos de carreira, e chega agora a esse seu terceiro disco, que mais uma vez mostra o talento da dupla Fábio e Alexandre.

E desde a primeira faixa até a última, o que mais chama a atenção no material são os arranjos das faixas, muito bem construídos, principalmente com teclados bem dosados e muito bem timbrados, deixando o clima soturno e macabro das composições ainda mais evidente. Os vocais de Fábio também estão excelentes, principalmente nos momentos mais limpos, com alta carga de dramaticidade e melancolia.

publicidade

Assim, a banda moldou um estilo bem peculiar de criar suas composições, embora ainda seja perceptível influências da bandas como MOONSPELL, AMORPHIS (no começo da carreira), CANDLEMASS, MY DYING BRIDE, NOVEMBER'S DOOM e BATHORY (principalmente em relação à temática pagã).

Todas as 06 faixas são longas (ultrapassando os 12 minutos de duração), climáticas e bem construídas, transmitindo aquele sentimento depressivo e soturno característicos do estilo, conforme se comprova em faixas excelentes como "The Light That Brought the Darkness" (uma das mais arrastadas do disco), "Downfall of the Rain", "The Secrecy" e "Beneath the Light".

publicidade

Trata-se, pois, de um disco muito bom, mas apenas indicado para os apreciadores do lado mais melancólico e arrastado da música pesada. Se é a sua praia, escute sem medo de errar, pois a banda é muito competente no que se propõe a fazer!

... And Then The Light of Consciousness Became Hell..." - HellLight
(Solitude Productions – 2011)

Line-up:
Fábio De Paula – Vocal/guitarra/teclados
Alexandre Vida – Baixo

publicidade

Faixas:
1. The Light that Brought Darkness
2. Downfall of the Rain
3. Soaring Higher
4. Children of Doom
5. The Secrecy
6. Beneath the Light

http://www.helllight-doom.com/
http://metalmedia.com.br/helllight/index.php
https://www.facebook.com/pages/HellLight-Doom-Metal/13760255...
http://solitude-prod.com

publicidade


Outras resenhas de And Then The Light of Consciousness Became Hell - HellLight

HellLight: Melodias depressivas e uma atmosfera pesada




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da SuéciaMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia

Sebastian Bach: descrevendo o horror de urinar com Phil AnselmoSebastian Bach
Descrevendo o horror de urinar com Phil Anselmo


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin