Dorsal Atlântica: banda retorna com disco excepcional

Resenha - 2012 - Dorsal Atlântica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pedro Junior da Luz Teixeira
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A DORSAL ATLANTICA é uma das bandas precursoras do metal no Brasil, posição conquistada com os seminais discos "Ultimatum", "Antes do Fim" e "Dividir e Conquistar." O trio seguiu produzindo durante a década de 80 e 90, quando continuou a lançar trabalhos altamente inovadores e à frente de seu tempo, como a ópera metal "Serching For the Light" e a o thrash com elementos de psicodelia presente no álbum "Musical Guide From Stellium".

Guns N' Roses: melhores músicas segundo a Ultimate Classic RockMike Mangini: um dos bateristas mais rápidos do mundo?

No decorrer da história da banda, houve mudanças em sua formação, de modo que em 2001, ano em que o grupo encerrou oficialmente suas atividades, o único integrante da formação original era o lendário Carlos Lopes, o líder e grande responsável pela sonoridade única da DORSAL.

Após um hiato de mais de dez anos, interrompido brevemente com a regravação e lançamento de "Antes do Fim", Carlos reuniu a formação original da banda para a gravação de um novo disco, bancada por um mecanismo de financiamento coletivo chamando de "crownfunding".

O resultado não decepciona, e está a altura da excepcional discografia do grupo.

A influência punk/hardcore está mais explícita do que nunca. "Meu Filho me Vingará" abre o disco com uma saraivada de riffs na melhor tradição do grandioso álbum "Dividir e Conquistar". "Stalingrado" traz em sua letra uma narração de fatos históricos que remete à "Joseph Mengele" - faixa do célebre ¨Antes do Fim¨- e alguns dos riffs mais memoráveis criados por Carlos. Clássico instantâneo!

"A Invasão do Brasil" é um thrash acelerado na linha das bandas da Bay Area, mas com aquele inconfundível toque "dorsálico". "Eu Minto, Todo Mundo Mente" é punk até a medula, lembrando um pouco bandas como o Cólera. "Colonizado Entreguista" soa como se tivesse sido retirada de "Straight" -considerado o disco mais hardcore da banda.

A elevada qualidade das composições é uma constante, e torna difícil a tarefa de eleger destaques. A impressão mais forte é de um amadurecimento das ideias presentes nos primeiros discos, com uma execução muito mais afiada - cortesia do amadurecimento dos integrantes como músicos. Carlos está cantando melhor do que nunca e evoluiu muito como intérprete; Claudio exibe uma técnica cada vez mais apurada e Hardcore é um monstro das baquetas.

No geral, pode-se dizer que encontramos em "2012" elementos de todos os álbuns da banda e uma forte aura oitentista - sem que se trate obviamente de mera repetição. Muito pelo contrário: o grupo injeta doses cavalares de melodia e, simultaneamente, de agressividade em seu som, misturando em um mesmo "caldeirão" ingredientes da N.W.O.B.H.M, do punk rock e do thrash metal oitentista. É o que se percebe, por exemplo, em "Operação Brother Sam". Esses elementos aparentemente antagônicos combinam perfeitamente com os versáteis vocais de Carlos - guturais, agudos, limpos, conforme pedido pela música. Há espaço para elementos mais modernos, explorados com inteligência em "Jango Goulart" e para um thrash mais cadenciado em "Comissão da Verdade".

As letras são um capítulo a parte, pois casam perfeitamente com o instrumental e constituem verdadeiras lições de história, na melhor tradição da DORSAL.

Tudo isso torna "2012" um dos discos mais geniais lançados no metal nos últimos anos, que traz uma proposta diferenciada e inovadora, quebrando a pasmaceira criativa que infelizmente é característica de 90% das bandas de thrash metal da atualidade.

Espera-se que, após o lançamento de um trabalho desse nível, a banda obtenha o reconhecimento que sempre mereceu, e que possamos conferir essa grande obra ao vivo!


Outras resenhas de 2012 - Dorsal Atlântica

Dorsal Atlântica: Metal mais brasileiro de todos os tempos




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dorsal Atlântica"


Metal nacional: quinze álbuns clássicos de bandas brasileirasMetal nacional
Quinze álbuns clássicos de bandas brasileiras


Guns N' Roses: melhores músicas segundo a Ultimate Classic RockGuns N' Roses
Melhores músicas segundo a Ultimate Classic Rock

Mike Mangini: um dos bateristas mais rápidos do mundo?Mike Mangini
Um dos bateristas mais rápidos do mundo?

Metal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treinoMetal
16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino

Heavy Metal: "cristãos podem aprender muito com o gênero"Queen: algumas curiosidades sobre a bandaMike Terrana: "Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"Burzum: Vikernes diz que não se arrepende de nada

Sobre Pedro Junior da Luz Teixeira

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.