Baroness: sem se prender à qualquer padrão ou regra

Resenha - Yellow & Green - Baroness

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Realmente, às vezes a música nos prega algumas peças, seja pelo lado bom, seja pelo lado ruim. Mas, felizmente, no caso do BARONESS, sempre acabamos sendo surpreendidos pelo lado positivo. E dessa vez, os americanos mais coloridos do rock chegam quebrando todos os paradigmas da música pesada com seu terceiro disco de estúdio, "Yellow & Green" (que, ao que tudo indica, não é uma homenagem ao Brasil), um disco duplo.

Mônica Guedes: "seus heróis morreram de overdose, os meus morrem na estrada, trabalhando"Black Metal: banda brasileira fez clipe mais bizarro do universo

Sem se prender à qualquer padrão ou regra, e sem medo de ousar, a banda trilha seu caminho rumo ao topo da música pesada, cada vez evoluindo, mas sem deixar de lado sua essência musical. Se nos trabalhos anteriores da banda já podíamos constar a beleza do sludge praticado pelos caras, com alguma influência de rock progressivo, neste novo disco estas características ficam ainda mais evidentes, mas trazendo ainda outros elementos que deixam tudo ainda mais interessante, fugindo por completo do lugar comum.

Assim, ao longo do play, podemos perceber influências de stoner rock, como na excelente "Take My Bones Away", ou mesmo algo de new age, na ambiental "Little Things", e de progressivo, no melhor estilo YES e PINK FLOYD, em "Cocainium". Mas não é só, pois a cada nova audição podemos perceber novos elementos na sonoridade única do BARONESS, que nos leva a gostar ainda mais do disco, e querer escutá-lo novamente, por diversas vezes.

Além disso, os momentos psicodélicos estão ainda mais evidentes, com aquele estilão setentista, graças ao excelente trabalho instrumental, principalmente nas linhas de baixo e baterial. Ademais, as vocalizações do líder John Dyer Baizley são fascinantes, e cativam logo de cara.

Mas mesmo diante de todas essas influências mencionadas, inclusive com o acréscimo de elementos psicodélicos e progressivos no disco, o que acaba por impressionar é que tal fato, que geralmente acabaria por gerar músicas complexas, acabou tendendo a um sentido completamente oposto: as faixas são todas diretas, acessíveis, e prendem a atenção do ouvinte com facilidade, tendo em vista que tudo é muito simples, mas feito com muito cuidado e bom gosto. Sem dúvida, não se trata de um material dos mais pesados, mas isso é compensado pela musicalidade e energia que exalam durante todo o interregno do CD.

A produção do material é propositalmente suja, e deixou a sonoridade orgânica e "viva", sem excessos de modernidade, contribuindo muito para o excelente resultado final do material. Destaco também a arte gráfica, que além de uma bela capa e contracapa, ainda traz no seu interior diversas figuras que fazem referência às canções. Uma completa obra de arte.

Portanto, se você ainda não conhece o trabalho desses americanos, não perca mais tempo, pois sem dúvida estamos diante de uma das bandas mais interessantes da atualidade, e que tem tudo para se tornar referência na música pesada. E "Yellow & Green" é um disco que, sem dúvida, marcará época.

Yellow & Green - Baroness
(2012 - Relapse Records - Importado)

Track List:

CD 1:
1. Yellow Theme
2. Take My Bones Away
3. March to the Sea
4. Little Things
5. Twinkler
6. Cocainium
7. Back Where I Belong
8. Sea Lungs
9. Eula

CD 2:
1. Green Theme
2. Board Up the House
3. Mtns. (The Crown and Anchor)
4. Foolsong
5. Collapse
6. Psalms Alive
7. Stretchmarker
8. The Line Between
9. If I Forget Thee, Lowcountry


Outras resenhas de Yellow & Green - Baroness

Baroness: extrapola e quebra barreiras estilísticas




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Baroness"


Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 2009Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 2009

Loudwire: as melhores músicas de rock de 2012Loudwire
As melhores músicas de rock de 2012

Metal Moderno: 5 bandas aptas a se tornarem clássicasMetal Moderno
5 bandas aptas a se tornarem clássicas


Mônica Guedes: seus heróis morreram de overdose, os meus morrem na estrada, trabalhandoMônica Guedes
"seus heróis morreram de overdose, os meus morrem na estrada, trabalhando"

Black Metal: banda brasileira fez clipe mais bizarro do universoBlack Metal
Banda brasileira fez clipe mais bizarro do universo

Jim Morrison: ele está vivo e criando cavalos nos EUA?Jim Morrison
Ele está vivo e criando cavalos nos EUA?

Jethro Tull: a fúria de Ian Anderson pra cima do Led ZeppelinSlipknot: Corey Taylor não tem a cara limpa por baixo da máscaraNightwish: Floor Jansen dá a sua receita para uma voz afinadaThe Voice: participante canta "Born To Be Wild" na pegada death metal

Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.