Killers: uma das melhores bandas do século XXI

Resenha - Battle Born - Killers

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por David Oaski, Fonte: Rock Ideologia
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Após dez anos desde sua formação, a banda norte americana The Killers retorna com seu quarto disco, "Battle Born", mostrando o porque são considerados uma das melhores e mais influentes bandas surgidas no século XXI.
1269 acessosLollapalooza: festival terá 3 dias na edição de 2018, diz site5000 acessosHair Metal: Os maiores cabelos da história do rock pesado

Após dez anos desde sua formação, a banda norte americana The Killers retorna com seu quarto disco, "Battle Born", mostrando o porque são considerados uma das melhores e mais influentes bandas surgidas no século XXI.

Não seria correto usar o clichê de dizer que a banda voltou mais madura, pois o lançamento anterior, "Day & Age" já trazia essa característica na banda de Brandon Flowers (vocais e sintetizador), Dave Keuning (guitarra), Ronnie Vannucci (bateria) e Mark Stoermer (baixo). A banda passou por um hiato após o término da turnê do álbum citado e a pausa parece ter surtido efeito, pois soa moderna e honesta, sem perder a pegada pop que os consagrou no começo da década passada com hits como "Somebody Told Me" e "Mr. Brightside", ambas presentes do debut da banda, "Hot Fuss".

Sabe-se que o entendimento entre os músicos da banda passa longe do ideal, já que Flowers e Vannucci tem constantes conflitos de egos, mas ao que parece, as diferenças foram postas de lado e a banda conseguiu produzir um excelente disco, com potencial para entrar na lista de melhores do ano, fácil.

O disco abre com a tríade formada pelas faixas "Flesh and Bone", "The Runnaways" e "The Way It Was", sendo a primeira uma ótima escolha para abrir o disco, pois inicia com teclados, seguidos pelo vocal apurado de Brandon, vai ganhando forma até chegar num refrão em coro, com alterações no andamento no decorrer da música. A segunda é uma das melhores músicas do ano, e foi lançado como primeiro single, possui as já tradicionais camadas sonoras emoldurando a canção, a letra é boa, enfim, uma canção pop perfeita, com ótima melodia e refrão poderoso, funcionando tanto nas pistas de dança como no seu playlist rotineiro. A terceira tem uma letra melancólica e as linhas vocais transmitem bem isso, nesta o andamento é mais calcado nas guitarras, baixo e bateria, dando maior espaço para os sintetizadores somente no refrão. As três músicas tem grande potencial radiofônico e cheiram a hits.

O play segue com uma balada romântica bem encaixada chamada "Here With Me", com um refrão de belas palavras: "Don't want your Picture on my cell phone / I want you here with me. Sem cair para um lado piegas, a melodia consegue transmitir com suavidade e doçura o que letra pede. O rock "A Matter Of Time" retorna o clima de rock de arena, onde é possível imaginar o público num desses festivais com apresentações no fim de tarde, batendo palmas e cantando o refrão a plenos pulmões junto com a banda. O pop volta com tudo em "Deadlines And Commitments", abusando dos sintetizadores e com um andamento mais arrastado, a canção poderia facilmente estar num disco do Duran Duran, por exemplo. Aqui vale um destaque para os vocais de Brandon que soam impecáveis na gravação, ao que parece ele se encontrou como cantor, aguardemos pra ver se ele manterá a performance ao vivo.

É impossível não relacionar o título de "Miss Atomic Bomb" a "Mr. Brightside", nesta a senhora bomba atômica remete a um clima de andanças de carro numa noite qualquer, refletindo sobre os problemas e soluções da vida num clima nostálgico. "The Rising Tide" mantem o clima da canção anterior, porém com maior destaque para as guitarras, rolando inclusive um solo de Dave Keuning, dando maior peso à música. "Heart Of A Girl" é outra balada romântica, que inicia com Flowers cantando quase à capela, com um leve acompanhamento da guitarra e segue como uma canção que a ala feminina de fãs do The Killers certamente irá se agradar bastante.

Há uma mudança na linha das canções com "From Here On Out", outra das melhores do disco, com um andamento rápido, resvalando em influências country e folk, com ótimo acompanhamento das guitarras e sintetizadores, surge uma bela canção pop. Voltando a quebrar um pouco o ritmo, vem "Be Still", outra canção melancólica / romântica, com maior destaque para o tema de teclado sobre a voz de Brandon, conta ainda com uma bateria eletrônica, dando um ar de música eletrônica dos anos noventa à canção.

O álbum encerra com a faixa título, "Battle Born" que é outro ponto alto do disco, traz na letra um discurso sobre as dificuldades do mundo atual e como temos de supera-las, poderia ser uma letra de Bruce Springsteen. Aqui surge um pouco de tudo, condensado na canção, trechos cantados de forma suave, outros em coro, camadas sonoras, alternando destaque com a guitarra, trata-se de mais uma música que certamente terá grande destaque nos shows da banda.
A edição Deluxe do álbum traz ainda as faixas "Carry Me Home", uma versão alternativa de "Flesh And Bone" e "Prize Fighter", todas com um clima de música pop para pista de dança, sem exageros, divertidas e contagiantes.

Senhoras e senhores, o The Killers está de volta, com tudo que se espera de um excelente disco pop, grandes canções, boas letras, banda entrosada, tocando músicas agradáveis para ouvir praticamente em qualquer momento do seu dia a dia. Goste ou não, o Killers é uma das bandas mais importantes surgidas no novo século, com lançamentos que vêm mantendo uma regularidade imensa e se mantendo popular, sem perder a essência da banda.

Um dos melhores lançamentos do ano até aqui.

Disponível também em:
http://rockideologia.blogspot.com.br/2012/09/the-killers-bat...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Battle Born - Killers

1204 acessosKillers: após um jejum de 4 anos sem lançar nada

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 02 de outubro de 2012

1269 acessosLollapalooza: festival terá 3 dias na edição de 2018, diz site0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Killers"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Killers"

Hair MetalHair Metal
Os maiores cabelos da história do rock pesado

Judas PriestJudas Priest
A bizarra semelhança de Ian Hill e Stênio Garcia

Black MetalBlack Metal
O cotidiano fascinante dos fãs adolescentes

5000 acessosEsquire: Integrantes do Metallica fingem ser do Led Zeppelin5000 acessosRock: 25 fotos pra fazer você continuar acreditando na música5000 acessosAerosmith: curiosidades sobre a voz de Steven Tyler2188 acessosHeavy Metal: os dez álbuns favoritos de Joe Duplantier, do Gojira5000 acessosMichael J. Fox: A volta triunfal de Marty McFly em um show do Coldplay5000 acessosPhil Anselmo: vocalista mostra seu barraco em Louisiana

Sobre David Oaski

David Oaski é editor do blog Ideologia Rock, colunista do site Stereo Pop Club e colabora frequentemente com os sites Galeria Musical e Whiplash, além de já ter escrito para outras plataformas online. Amante de música (principalmente rock) independente de rótulos, escreve por hobby e para exercitar o senso crítico.

Mais matérias de David Oaski no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online