Imagery: Progressivo e Metal são o recheio dessa massa.

Resenha - Inner Jouney - Imagery

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Luiz Carlos Barata Cichetto
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O Eliton Tomasi é um sujeito de sorte. E por eu ser ateu e não acreditar nessas coisas, definiria "sorte" por algo que advém de uma série de fatores, como competência e oportunidade, entre outros. Depois de encabeçar uma das mais importantes revistas sobre Rock, a Valhalla, o "sortudo" do Eliton montou a Som do Darma e começou a trabalhar com agenciamento e gerenciamento de bandas. E sua maior "sorte": conta apenas com bandas de uma qualidade impressionantemente alta. Como é o caso da Imagery.
5000 acessosOrtografia: como deveriam realmente se chamar as bandas?5000 acessosPiadas sobre músicos

Formada em Londrina, Paraná, em 2088, a partir de duas outras bandas de muita expressão na cidade, a G.A.F. e a Revoult, a Imagery sempre buscou na dualidade a base da massa para seu bolo sonoro. Os ingredientes principais dessa massa: Progressivo e Metal. Uma mistura que poderia fazer com que pessoas de paladar pouco acostumado a misturas, digamos exóticas, torcerem o nariz. Mas os integrantes da banda souberam, e muito, fazer dessa massa algo que agrada em cheio aos mais exigentes e refinados paladares. Em principio, poderíamos pensar que os ingredientes que esses cozinheiros separaram poderiam não dar liga, que seria o mesmo que colocar pimenta em chocolate. E é isso que é: chocolate com pimenta. O chocolate do progressivo com a pimenta do metal. E quem já experimentou sabe o quanto é maravilhoso o resultado.

Mas não apenas de chocolate e pimenta é a massa desse bolo delicioso que é o primeiro CD que tem por título: "The Inner Journey", (A Viagem Interior, em tradução literal), lançado em 2012. De pronto, encanta, com a abertura da primeira faixa, com o teclado de Henrique Loureiro, clássico do Progressivo. E ao longo dos quase cinco minutos dessa faixa instrumental, desfilam todas as influências e tendências da banda, com passagens indo do Jazz a sua prima pobre, a Bossa Nova e aos "riffs" bluseiros, roqueiros e metaleiros da guitarra tocada por Joceir Bertoni.

E a segunda faixa que emenda diretamente, mostra que o guitarrista, que é também o cantor da Imagery, tem um vocal bastante seguro e firme. A música começa mais pesada, mas logo deixa que o ritmo caia, criando uma atmosfera "Fusion" deliciosa. E assim é a faixa que é também o nome da banda "Imagery". Aliás, eu deixei para falar sobre o nome da banda agora, justamente nessa faixa: "Imagery", significa: imaginário, figura de retórica... Daquelas palavras que se formos traduzir, tem um sentido legal, não uma boa sonoridade em português. Em outras palavras, uma banda com o nome de Imaginário não soaria tão forte.. Embora "Som Imaginário", nome de uma antiga banda mineira que tinha músicos talentosíssimos como Wagner Tiso, Tavito, Robertinho Silva e Zé Rodrix, possa ter sido influência ao Imagery. Mas isso é apenas especulação minha, pois em se tratando de influências, a Imagery sofreu decerto as melhores em todas as áreas da música contemporânea, particularmente das vertentes do Blues e do Jazz, que deflagraram no que hoje conhecemos como Rock.

A terceira música "Perception" poderia ser alçada ao patamar de legenda do rótulo "Progmetal",ao iniciar totalmente "progueira", com pitadas de "Funk" e de ritmos brasileiros, mas depois engatando uma marcha mais pesada. E ai o vocal de Joceir dá o tratamento Hard-Metal necessário. A música sofre diversas "desconstruções", indo ali, acolá e alhueres, sem perder a liga. Uma música que precisa ser escutada várias vezes para que percebamos suas temperanças e nuances musicais.

"Start The War", a faixa seguinte tem uma característica clara, de ser uma música mais tradicional no estilo Hard Rock... Mas isso até a metade, quando sofre uma guinada de volta à base Progressiva e depois retorna. Uma faixa para aqueles mais tradicionalistas escutarem sem receio. Do mesmo jeito que "The Rain", que mantém o estilo pesado com um vocal que lembra em certos momentos algo de "Grunge". A quinta faixa da jornada interior do Imagery, "The Rain", ainda segue pelo mesmo caminho, com desconstruções e quebras de ritmo que são no mínimo fascinantes e instigantes, mas sempre mantendo o som pesado como ingrediente principal.

Mas, depois dessas três poderíamos imaginar estarmos, enfim, diante de um estilo marcado, próprio da banda, uma sequencia de músicas com a mesma levada, a mesma mistura de quase sempre os mesmos ingredientes. Mas, como parece que nessa banda nada é previsível e corriqueiro, a sexta música, a introspectiva "Show Me", começa com um violão dedilhado, numa balada singela, com um vocal emocionante. E o que é necessário para relaxar, fechar os olhos e sentir.

"Stranger", a faixa de numero 7 do disco é, na minha opinião, o mais puro Hard Rock Setentista, com os melhores e mais precisos "riffs" do gênero, sem entratanto parecer "out to date". Pesada e competente, preparando para o final, que é, digamos, a cereja do bolo do disco, "Last".

Propositalmente ou não, parece que banda paranaense compôs e tocou a última faixa do disco com a intenção de ser uma espécie de "amostra grátis" da banda. Tipo "Quer saber qual é o gosto da banda? É assim! Prove essa faixa!", pois ela mostra todas facetas e sabores que o Imagery colocou na sua receita musical, reunindo numa única música todo o arsenal dos músicos. Ou melhor, não o arsenal, mas abrindo todo o seu armário de ingredientes que compõem esse delicioso bolo chamado "The Inner Journey" da banda Imagery.

Meu único senão na degustação de "The Inner Journey", é com relação a um ingrediente que me agrada demais em qualquer bolo sonoro e que não senti tão presente no disco: o baixo. Achei que na maior parte das músicas ele ficou um pouco escondido demais. E gosto de sentir o sabor dele por horas se destacando em relação aos demais. Acho que uma encorpada em qualquer massa sonora.

E quanto ao "sortudo" do Eliton Tomasi, que soube pegar esse bolo e, juntamente com esses cozinheiros sensíveis e competentes, nos apresentar uma das melhores obras atuais da cozinha - ops! - música brasileira.

Bon appétit! Enjoy Imagery!

Faixas:
1- Fourth Secret
2- Imagery
3- Perception
4- Start The War
5- The Rain
6- Show Me
7- Stranger
8- Last

Músicos:
Joceir Bertoni (Vocal/Guitarra)
Ricardo Fanucchi (Baixo)
Bruno Pamplona (Bateria/Vocal)
Henrique Loureiro (Teclado)

Discografia:
The Inner Journey (2012)

Internet:
http://www.imageryprog.com.br

http://www.facebook.com/imageryprog

http://www.youtube.com/imageryprog

http://www.twitter.com/imageryprog

http://www.myspace.com/imageryprog

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Imagery"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Imagery"

OrtografiaOrtografia
Como deveriam realmente se chamar as bandas?

HumorHumor
Como você chama alguém que sai com músicos? Baterista!

MetallicaMetallica
Lars Ulrich quase saiu no tapa com Lou Reed

5000 acessosCoincidências: Imagens usadas por grandes bandas em outras capas?5000 acessosKing Diamond: As opiniões do rei sobre Satanismo5000 acessosMike Mangini: um dos bateristas mais rápidos do mundo?5000 acessosDerek Riggs: "O Iron Maiden é muito ciumento"4441 acessosRock In Rio: Você foi? Agradeça ao Frank Sinatra!5000 acessosMetallica: grandes bateristas de verdade respeitam Lars Ulrich

Sobre Luiz Carlos Barata Cichetto

Sou Barata, nascido Luiz Carlos, no dia do Anti-Natal, do ano da Graça do nascimento de Madonna, Michael Jackson, Bruce Dickinson, Cazuza e Tim Burton. Sou poeta, escritor, produtor e apresentador de Webradio, produtor de eventos e procuro pagar as contas trabalhando com criação de sites. Crescí escutando Beatles, Black Sabbath, Pink Floyd e Led Zeppelin. Participei da geração mimeógrafo nos anos 1970, mas quando chegaram os filhos, deixei de ser poeta e fui tentar ser homem, o que no entender de Bukowiski é bem mais difícil. Escrevo poemas desde que comecei a criar pêlos.... nas mãos. Trabalhei como office-boy, bancário, projetista de brinquedos e analista de qualidade. No final do século XX, acordei certo dia de sonhos intranquilos e, transformado em um ser kafkiano, criei um projeto cultural na Internet nos moldes dos antigos panfletos mimeográficos. Mesmo antes de meu processo de metamorfose, nunca deixei de cometer poemas, contos e crônicas. E embora tenha passado dos três dígitos o numero de textos escritos, nunca ganhei um prêmio literário. Fui apaixonado por Varda de Perdidos no Espaço, Janis Joplin, Grace Slick e Sonja Kristina; casei quatro vezes e tenho dois filhos, Raul e Ian. Atualmente sou também editor, costureiro e colador de livros, num projeto de editora artesanal.

Mais matérias de Luiz Carlos Barata Cichetto no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online