Led Zeppelin: Atingindo o cume do Hard Rock

Resenha - II - Led Zeppelin

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Aos olhos dos fãs de Rock n´ Roll em geral, uma banda, é presença sempre garantida nas listas dos "10 mais". O LED ZEPPELIN se apresentou ao mundo no final dos anos sessenta como uma extensão ao prenúncio sonoro das próxima década, junto ao CREAM, BLUE CHEER, HENDRIX e outro notáveis. Com uma poderosa coqueteleira, mesclando blues, folk, música celta, misticismo e uma dose forte de ‘raiva boa’, a banda inglesa assumiu o posto de tradutora de uma nova linguagem musical.
2347 acessosLed Zeppelin: Dando peso ao trailer de Thor Ragnarok5000 acessosVanusa e Black Sabbath: a notável coincidência nos riffs

Após lançar a pedrada fundamental de sua discografia (“Led Zeppelin I”), a banda notou que podia beber muito mais água dessa fonte. Em dezembro de 1969, foi então lançado sua sequência, com o apropriadíssimo nome de “Led Zeppelin II”. O álbum representa, de fato a continuidade do primeiro: experimentalismo, acidez e muita diversão.

Já virou até clichê dizer que o álbum abre com uma cacetada- “Whole Lotta Love”- mas afinal, é isso mesmo!! Para não cair no lugar comum, vou mencionar apenas a sequência em que Page e a ”cozinha” seguram um groove pra lá de clássico no meio da música, com direito a um som de slide completamente desgovernado (no bom sentido!). A mesma levada “pedreira” aparece em “Heartbreaker” e “Living Love Maid” que, anos depois, daria setenta por cento da base necessária para a turma da NWOBHM.

“Thank You”,- em minha modesta opinião- é a melhor síntese do lado introspectivo da banda (que teve outros 190 clássicos com a mesma característica). Sustentada por uma estrutura simples e coesa, é uma “viagem para dentro”, com uma letra que atinge muito além do aparente romantismo que carrega. O solo de Page ao violão é um tremendo exemplo de bom gosto de dinâmica e escolha de notas.

Antes até do auge das fases solistas ao palco, “Moby Dick” é uma fonte inesgotável de inspiração para os bateristas dos próximos cem anos. Fechando com estilo, “Bring It On Home” consegue ser uma homenagem simultânea a LITTLE WALTER e a guitarra cheia de veneno de LESLIE WEST.

A discografia do LED pode ser dividida entre obras imperdíveis e excelentes. “Led Zeppelin II”, indiscutivelmente se enquadra no primeiro caso.

Track List:

Whole Lotta Love
What Is And What Should Never Be
The Lemon Song
Thank You
Heartbreaker
Living Loving Maid (She's Just A Woman)
Ramble On
Moby Dick
Bring It On Home

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de II - Led Zeppelin

1284 acessosLed Zeppelin: 45 anos de II, a síntese da visceralidade da banda

Steve VaiSteve Vai
A música que o fez querer ser guitarrista

2347 acessosLed Zeppelin: Dando peso ao trailer de Thor Ragnarok689 acessosEduarda Henklein: tocando e cantando "Immigrant Song" do Led1150 acessosDinamarca: garotinha de 10 anos ganha programa tocando Led e RATM0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Led Zeppelin"

Rolling StoneRolling Stone
Revista elege sete hinos para sete décadas de rock

MulheresMulheres
10 músicas que ajudarão a conquistá-las

Led ZeppelinLed Zeppelin
Ex-presidente Bill Clinton tentou reunir a banda

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 13 de junho de 2012

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Led Zeppelin"

Vanusa e Black SabbathVanusa e Black Sabbath
A notável coincidência nos riffs

Em 16/08/1977Em 16/08/1977
Morria Elvis Presley

IndústriaIndústria
Quanto $$$ ganham as bandas do "Time B" do Metal?

5000 acessosSepultura: Max Cavalera recrutou membro do Skank para três álbuns5000 acessosMetallica: corrigindo a injustiça contra Jason Newsted5000 acessosLemmy: seu patrimônio é muito menor do que se pensava5000 acessosMotorhead: "Não somos Heavy Metal, somos Rock and Roll!"5000 acessosAC/DC: "se alguém pode fazer de Axl um bom vocalista, esse alguém é Angus Young"5000 acessosBon Jovi: as 10 melhores canções, segundo o Watchmojo

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n´roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online