Resenha - Consequence Of Power - Circle II Circle

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Zak Stevens conseguiu deixar sua marca no Savatage, gravando álbuns magníficos como "Edge Of Thorns" (1993) e "Dead Winter Dead" (1995) e desde 2003 o vocalista mantém uma carreira produtiva (foram cinco álbuns e quatro EP's até então) com sua banda, este Circle II Circle. Porém, o grupo lançou trabalhos mornos, com poucos destaques

Bon Jovi: o mistério de Tommy e Gina em "Livin' On A Prayer""Cê tá de brincadeira, né?": quando grandes nomes vacilam

"Consequence Of Power", lançado por aqui pela Laser Company (http://www.lasercompanymusicstore.com.br/), é o álbum mais pesado da banda e que possui mais feeling. O Prog Metal praticado pelo grupo se alia de forma concisa com o Metal tradicional, dando um ar pesado e melódico às composições.

Outro fator importante e pouco percebido é que algumas composições possuem groove, onde de início pode parecer estranho, mas que contribui e muito para uma sonoridade mais precisa e própria. A primeira faixa, Whispers In Vain, demonstra esse lado mais grooveado, assim como Remember, ambas com várias quebradas e ótimo trabalho de cozinha, a cargo de Paul Michael 'Mitch' Stewart (baixo) e Johnny Osborn (bateria). Aliás, as linhas de Paul soam pesadíssimas e foram muito bem estruturadas, ponto pros caras!

Apesar de Zak ser o mentor da banda, o guitarrista Andy Lee se destaca no trabalho. Além do bom timbre de seu instrumento, as bases e solos de todas as composições são de alto nível. Ouça a faixa título e Anathema, por exemplo, o cara destrói. Já os vocais de Zak já demonstram certa limitação, mas nada que comprometa o trabalho da banda.

Destaques? O álbum mantém um bom equilíbrio, mas posso afirmar que a faixa título, que é uma baita Power Metal, Out Of Nowhere, que tem belo trampo de guitarra e soa como um belo Hardão e a semi-balada Take Back Yesterday (belíssima e com ótimo arranjo) são os carros chefes. Destaque também para o encarte que ficou maneiro, com gravuras que narram uma história baseada no título do álbum.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Circle II Circle"


Exportando metal: músicos brasileiros que atuam ou já atuaram em bandas gringasExportando metal
Músicos brasileiros que atuam ou já atuaram em bandas gringas

Bill Hudson: BR bangers são persecutivos e têm baixa autoestimaBill Hudson
BR bangers são persecutivos e têm baixa autoestima


Bon Jovi: o mistério de Tommy e Gina em Livin' On A PrayerBon Jovi
O mistério de Tommy e Gina em "Livin' On A Prayer"

Cê tá de brincadeira, né?: quando grandes nomes vacilam"Cê tá de brincadeira, né?"
Quando grandes nomes vacilam

Vocalistas: belíssimos timbres de alguns cantores de rockVocalistas
Belíssimos timbres de alguns cantores de rock

Megadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu GomesRolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosPink Floyd: Nick Mason compara saída de Waters à morte de StalinOriginalidade: 10 Bandas ou Projetos Inusitados

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.