Circle II Circle: "Consequence..." é seu álbum mais pesado

Resenha - Consequence Of Power - Circle II Circle

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar Correções  

publicidade

8


Zak Stevens conseguiu deixar sua marca no Savatage, gravando álbuns magníficos como "Edge Of Thorns" (1993) e "Dead Winter Dead" (1995) e desde 2003 o vocalista mantém uma carreira produtiva (foram cinco álbuns e quatro EP´s até então) com sua banda, este Circle II Circle. Porém, o grupo lançou trabalhos mornos, com poucos destaques

Fotos de Infância: Bon Scott, do AC/DCUltraje a Rigor: Roger diz que foi tratado como lixo pela equipe dos Stones

"Consequence Of Power", lançado por aqui pela Laser Company (http://www.lasercompanymusicstore.com.br/), é o álbum mais pesado da banda e que possui mais feeling. O Prog Metal praticado pelo grupo se alia de forma concisa com o Metal tradicional, dando um ar pesado e melódico às composições.

Outro fator importante e pouco percebido é que algumas composições possuem groove, onde de início pode parecer estranho, mas que contribui e muito para uma sonoridade mais precisa e própria. A primeira faixa, Whispers In Vain, demonstra esse lado mais grooveado, assim como Remember, ambas com várias quebradas e ótimo trabalho de cozinha, a cargo de Paul Michael ‘Mitch’ Stewart (baixo) e Johnny Osborn (bateria). Aliás, as linhas de Paul soam pesadíssimas e foram muito bem estruturadas, ponto pros caras!

Apesar de Zak ser o mentor da banda, o guitarrista Andy Lee se destaca no trabalho. Além do bom timbre de seu instrumento, as bases e solos de todas as composições são de alto nível. Ouça a faixa título e Anathema, por exemplo, o cara destrói. Já os vocais de Zak já demonstram certa limitação, mas nada que comprometa o trabalho da banda.

Destaques? O álbum mantém um bom equilíbrio, mas posso afirmar que a faixa título, que é uma baita Power Metal, Out Of Nowhere, que tem belo trampo de guitarra e soa como um belo Hardão e a semi-balada Take Back Yesterday (belíssima e com ótimo arranjo) são os carros chefes. Destaque também para o encarte que ficou maneiro, com gravuras que narram uma história baseada no título do álbum.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Exportando metal: músicos brasileiros que atuam ou já atuaram em bandas gringasExportando metal
Músicos brasileiros que atuam ou já atuaram em bandas gringas

Bill Hudson: BR bangers são persecutivos e têm baixa autoestimaBill Hudson
BR bangers são persecutivos e têm baixa autoestima


Fotos de Infância: Bon Scott, do AC/DCFotos de Infância
Bon Scott, do AC/DC

Ultraje a Rigor: Roger diz que foi tratado como lixo pela equipe dos StonesUltraje a Rigor
Roger diz que foi tratado como lixo pela equipe dos Stones


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin