Aura Noir: Thrash/Black Metal muito cru, direto e ríspido

Resenha - Out to Die - Aura Noir

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A cena europeia sempre tem nomes fortes que despontam todos os dias no Metal, seja em qual gênero de Metal que o caro leitor goste, mas isso ocorre porque há uma base sólida no passado, que nenhum deles quer renegar, como alguns fãs mais radicais de nosso país teimam em fazer, por conta de pensamentos radicais extremados, mas nem mesmo estes fãs escapam da noção de que o passado deve ser respeitado.
5000 acessosMúsica Fácil: 3 músicas fáceis que você toca errado na guitarra5000 acessosMétodo científico: como escolher seu instrumento musical

E quando tratamos de passado na cena norueguesa de Metal, alguns nomes são pontos comuns, e um que surge vez por outra é do trio Thrash/Black Metal AURA NOIR, conhecido nos porões mais obscuros do underground mundial, já que todos os seus membros possuem currículos invejáveis (pois já passaram por nomes como IMMORTAL, VED BUENS ENDE, GORGOROTH, DØDHEIMSGARD, MAYHEM, SATYRICON, entre tantos outros), e que agora retornam com seu novo CD, ‘Out to Die’, via Indie Recordings, que se mostra cada vez mais como um selo forte na Europa.

Os sujeitos investem em um Thrash/Black Metal muito cru, direto e ríspido, que em nada lembra as bandas onde seus membros já estiveram, mas que ao mesmo tempo, tem vigor e não soa nem um pouco datado, pois apesar da intensidade, não nos parece que eles queriam refazer o que já foi feito antes, mas ir adiante sem se preocuparem com o que se diga de seu trabalho, pois a música da banda transparece grande espontaneidade.

O trabalho usado na arte não é lá muito complexo, mas simples e honesto. A produção sonora (feita pelo próprio trio, tendo feito a mixagem nos Amper Tone Studios pelas mãos de Bård Ingebrigsten, e a masterização no Strype Audio por Tom Kvålsvoll) transpira vitalidade e brutalidade, mas não se enganem, pois nada nela é clichê, muito pelo contrário, pois você consegue ouvir cada instrumento com o devido volume.

O que esperar do CD? Pancadaria extrema e bem feita, mas ao mesmo tempo orgânico e espontâneo, e que em momento algum é repetitivo ou cai em pontos comuns, embora as mudanças no andamento com aquela velocidade característica da banda não seja algo notado muitas vezes nas músicas em si, exceto na rápida e brutal ‘Trenches’, com belas bases de guitarra e vocais bem ‘warriorianos’ por parte de Agressor (que após uma queda de quatros andares de um prédio, não pode mais tocar bateria, ficando pela segunda só nas gravações das guitarras e vocais), na magistral e intensa ‘The Grin from the Gallows’, e em ‘Priest’s Hellish Fiend’, sendo esta um pouco mais cadenciada e com belo trampo nas baquetas (Appolyon mostra que entende da coisa), riffs empolgantes e solos bem feitos, numa escola bem ‘Motorheadiana’. Nas outras, temos destaques em ‘Fed to the Flames’ (com bases bem chapantes e andamento bem Punk/Hardcore em certos momentos), ‘Abbadon’ (uma faixa que tem aquela essência Thrash bruta da escola alemã dos anos 80), e ‘Deathwish’, com suas nas conduções rítmicas bem Hardcore na bateria.

Enfim, mais uma joia na discografia deste trio de loucos noruegueses, dispostos a não deixar ouvidos intactos após algumas ouvidas, e que vale o investimento seja em uma futura versão nacional que pode sair (é apenas especulação, pois não sabemos nada de concreto por enquanto sobre o lançamento do CD por aqui), seja no importado, pois vale cada centavo investido.

Em tempo: ao vivo, a banda ganha apoio do baterista Kristian “Tank” Valbo, do OBLITARATION, enquanto Appolyon se dedica ao baixo e aos vocais, enquanto Agressor fica com os vocais e guitarra base.

Tracklist:
01. Trenches
02. Fed to the Flames
03. Abbadon
04. The Grin from the Gallows
05. Withheld
06. Priest’s Hellish Fiend
07. Deathwish
08. Out to Die

Formação:
Aggressor – Guitarras e vocais
Apollyon – Bateria, baixo e vocais
Blasphemer – Guitarras

Contatos:
http://www.facebook.com/auranoirofficial
http://www.myspace.com/auranoir
http://www.facebook.com/pages/Aura-noir

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Aura Noir"

Música FácilMúsica Fácil
3 músicas fáceis que você toca errado na guitarra

Método científicoMétodo científico
Como escolher seu instrumento musical

MotorheadMotorhead
Segundo Lemmy Kilmister, "Rap não é música"

5000 acessosRandy Rhoads: "Você vai morrer", disse espírito ao guitarrista5000 acessosEm 19/03/1982: Randy Rhoads morre em um acidente de avião5000 acessosCantam muito: onze dos maiores vocais isolados que você vai ouvir3775 acessosMetallica x Reverend: a oração que ambas bandas usaram em letra5000 acessosKiss: quando eles resolveram abandonar a maquiagem5000 acessosJason Newsted: o que ele achou do "Hardwired" e do trabalho de Trujillo?

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online