Orange Goblin: Pauleira mesmo, simples e eficiente

Resenha - Eulogy for the Damned - Orange Goblin

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Após cinco anos de silêncio, o Orange Goblin está de volta. A parada fez bem ao quarteto. O intervalo entre "Healing Through Fire" (2007) e "A Eulogy for the Damned" rejuvenesceu o som da banda, característica essa que faz do novo álbum um dos melhores da carreira do grupo.
5000 acessosSeparados no nascimento: Bruce Dickinson e Leopoldo Pacheco5000 acessosOs dez maiores picaretas da música internacional

Um dos maiores ícones do stoner, o Orange Goblin afasta-se do gênero em seu novo trabalho. O que temos aqui é um disco de heavy metal, rock pesado ou, simplificando, pauleira mesmo, simples e eficiente. O distanciamento do stoner se dá através de uma presença bem menor de elementos doom e psicodélicos, substituídos por características mais “metálicas” que tornaram o som mais conciso, direto e eficiente.

As influências principais continuam, com a banda não negando, em nenhum momento, o débito que tem com gigantes como Black Sabbath e Motörhead. Riffs pesados e gooves gordurentos permeiam todo o disco, com os caras dando um passo além de tudo o que já produziram antes.

Merece atenção especial o excelente trabalho do baixista Martyn Millard, com linhas criativas e sempre dobrando a guitarra de Joe Hoari, o que torna o som ainda mais pesado. Millard é a âncora da banda, uma espécie de Steve Harris montado em uma Harley Davidson e vestido de couro da cabeça às pés, em quem a música do Orange Goblin se sustenta.

O play está repleto de ótimas composições. O primeiro single, “Red Tide Rising”, é uma delas, despejando riffs e agressividade sem o menor traço de refinamento. “Acid Trial”, “The Fog”, a monolítica “Death of Aquarius” e “Bishop's Wolf” mostram a categoria habitual do grupo, porém duas canções se sobressaem em todo o tracklist. “Save Me From Myself” é um hard blues sensacional que faz o Orange Goblin soar como uma versão mais pesada do Lynyrd Skynyrd, com direito até a sutis intervenções de órgão. E a faixa-título, uma odisséia cósmica e intensa com mais de sete minutos de duração, que fecha o disco em alto estilo.

Sem abrir mão do seu passado e encarando novas possibilidades, o Orange Goblin fez de "A Eulogy for the Damned" um excelente álbum, que está lado a lado com "Time Travelling Blues" (1998) e "Coup de Grace" (2002) como os pontos altos da sua consistente discografia.

Faixas:
Red Tide Rising
Stand For Something
Acid Trial
The Filthy and the Few
Save Me From Myself
The Fog
Return to Mars
Death of Aquarius
Bishop's Wolf
A Eulogy for the Damned

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Orange Goblin"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Orange Goblin"

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Bruce Dickinson e Leopoldo Pacheco

HumorHumor
Os dez maiores picaretas da música internacional

Frances BeanFrances Bean
Filha de Kurt Cobain assustada com tatuagem de fã

5000 acessosQuais são os rockstars mais chatos do mundo?5000 acessosSílvio Santos: "The Number Of The Beast" em ritmo de festa5000 acessosAC/DC: as 10 melhores músicas da banda com Bon Scott5000 acessosDave Grohl: "foi o melhor desastre da história da banda"5000 acessosRegis Tadeu: "Lemmy era tão poderoso que seu corpo não teve coragem de contrariá-lo"5000 acessosPaul Stanley: A dor e o drama de ser corno de um Caça-Fantasmas

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online