Resenha - Live Over Europe - Black Country Communion

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por João Paulo Linhares Gonçalves, Fonte: ripandohistoriarock
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Mais uma vez escrevo uma resenha de um lançamento do Black Country Communion. Desta vez, falando sobre "Live Over Europe", DVD ao vivo de sua turnê na Europa, no último ano.

Blender: as letras mais repulsivas do Heavy MetalPorta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

Após gravar dois discos quase sem excursionar, a banda agendou uma extensa turnê européia, com shows varrendo o velho continente. Segundo Kevin Shirley (produtor dos dois discos de estúdio da banda e também deste ao vivo) comenta no DVD, a idéia era a banda gravar dois álbuns para ter um repertório mais variado e longo que sustentasse um show completo (após o lançamento do primeiro álbum, a banda somente tocou umas poucas vezes, também na Europa). Antes desta turnê, alguns shows nos EUA como aquecimento e preparação para a turnê a ser gravada. A gravação dos shows, segundo a Wikipedia, ocorreu em apresentações feitas na Alemanha, mais especificamente, nas cidades de Munique, Hamburgo e Berlim. Foram utilizadas 14 câmeras de alta definição para a gravação.

O DVD mostra o show de uma banda extremamente coesa, bem entrosada e com qualidades em cada instrumento. Glenn Hughes é o destaque, claro, com seu visual rock star, caras, bocas e trejeitos, cortesia de mais de quarenta anos de experiência no mundo do rock. E a voz dele está perfeita, o cara está cantando como nunca. Pra completar, além de estar cantando muito, também está matando no baixo... Joe Bonamassa, o caçula da turma, tem aquele visual meio nerd, meio agente Matrix, mas toca guitarra como poucos atualmente e nos traz riffs, solos e performances memoráveis. Jason Bonham mostra que seu pai deve estar todo orgulhoso lá em cima, tocando sua bateria com extrema competência e qualidade. Derek Sherinian pode ser chamado de "patinho feio" da turma; fica mais escondido, até mesmo mais contido, mas adiciona suas camadas de teclados e fecha o ciclo, trazendo unidade ao grupo.

O repertório da turnê foi basicamente o mesmo em todos os shows, com pequenas alterações na ordem de execução das canções, mas sempre com o começo arrasador das duas primeiras músicas do primeiro disco - "Black Country" e seu riff de baixo matador por Hughes, mais "One Last Soul" pra manter o pique. A seguir a banda passeia por algumas canções do segundo disco, com grande destaque para as canções "Save Me", com seu estilo kashmiriano (mais uma palavra inventada...) e "The Battle For Hadrian's Wall", onde um Bonamassa inspirado em Jimmy Page até usa uma guitarra de dois braços. Ainda com Bonamassa nos vocais, "Song Of Yesterday" é outro destaque. A banda dá espaço para uma canção de sua carreira solo, a boa "The Ballad Of John Henry". Na reta final do show, temos uma sequência excelente, começando com o single do segundo disco "The Outsider", a bela "The Great Divide", "Sista Jane" estendida no final com uma bela referência a "Won't Get Fooled Again", do The Who, "Man In The Middle" e o final simplesmente fantástico com o grande clássico do Deep Purple "Burn" (não podia faltar!). Um showzaço desta nova grande banda, que está arrebatando o público roqueiro.

O DVD foi lançado no final de outubro do ano passado, sendo que a versão em blue-ray saiu no mês seguinte. Inclui dois discos, sendo um com o show e outro com extras, além de um livreto com fotos e informações do show. Foi lançado aqui no Brasil no começo de dezembro, pela Som Livre.

Relação das músicas do DVD:
1 - "Revolution Of The Machine" (introdução)
2 - "Black Country"
3 - "One Last Soul"
4 - "Crossfire"
5 - "Save Me"
6 - "The Battle For Hadrian's Wall"
7 - "Beggarman"
8 - "Faithless"
9 - "Song Of Yesterday"
10 - "I Can See Your Spirit"
11 - "Cold"
12 - "The Ballad Of John Henry"
13 - "The Outsider"
14 - "The Great Divide"
15 - "Sista Jane"
16 - "Man In The Middle"
17 - "Burn"
18 - "Smokestack Woman" (créditos finais)

As músicas 2, 3, 7, 9, 14 e 15 são oriundas do primeiro disco da banda. As músicas 4, 5, 6, 8, 10, 11, 13, 16 e 18 são do segundo disco. A música 12 é oriunda da discografia de Joe Bonamassa, do álbum de mesmo nome. E a canção 17 é o clássico do Deep Purple, do disco de mesmo nome.

O segundo DVD, de extras, traz um documentário de cenas por trás dos bastidores da turnê (pouco mais de 20 minutos), além de álbum de fotos. No documentário, Hughes e Bonamassa falam de como se conheceram, a idéia do produtor Kevin de montar a banda, como Hughes conheceu John Bonham, pai de Jason, pouco antes do Led Zeppelin lançar seu antológico quarto disco - e John ensinando o filho a tocar. Hughes também fala que conheceu Sherinian num festival em São Paulo (ele erra o ano, 1999, mas estava se referindo ao Monsters of Rock de 98, quando Glenn e o Dream Theater, com Sherinian nos teclados, tocaram na mesma noite).

Alguns vídeos do DVD:

"Black Country":

"The Battle For Hadrian's Wall":

"The Great Divide":

"Sista Jane":

"Burn":

Acompanhe o blog Ripando a História do Rock (http://ripandohistoriarock.blogspot.com/) para mais resenhas e matérias com muito rock and roll.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Black Country Communion"


Glenn Hughes: ele ama o Brasil pelas pessoas, comida e futebolGlenn Hughes
Ele ama o Brasil pelas pessoas, comida e futebol


Blender: as letras mais repulsivas do Heavy MetalBlender
As letras mais repulsivas do Heavy Metal

Porta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleirosPorta dos Fundos
Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

As regras do New Metal/Nu-metalAs regras do New Metal/Nu-metal
As regras do New Metal/Nu-metal

As novas caras do metal: + 40 bandas que você deve conhecerSlash: Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?Sepultura: a história por trás do álbum "Beneath The Remains"Avenged Sevenfold: Johnny Christ responde se sente falta de Portnoy

Sobre João Paulo Linhares Gonçalves

Roqueiro convicto, de carteirinha, desde os treze anos de idade. Já tive diversas bandas preferidas: de Iron Maiden, Metallica e Black Sabbath a The Who, Pink Floyd e Rolling Stones. O heavy metal sempre me atraiu muito, mas o rock praticado nos anos 60 e 70 é fascinante e estou sempre escutando. De vez em quando, dou chance ao punk, rock alternativo, blues, até ao jazz e MPB, pra variar.

Mais matérias de João Paulo Linhares Gonçalves no Whiplash.Net.