Nightwish: "Imaginaerum" é uma nova era para o grupo

Resenha - Imaginaerum - Nightwish

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Após quatro anos sem inéditas, o NIGHTWISH, maior expoente do metal sinfônico e uma das maiores bandas de heavy metal em atividade lança o seu sétimo trabalho de estúdio e se arrisca no campo do cinema com o filme homônimo, produzido paralelamente.
984 acessosMulheres que cantam Metal: estúdio/ao vivo, expectativa e realidade5000 acessosLed Zeppelin: a origem do anjo símbolo da banda

O processo de produção de Imaginaerum, que resultou na gravação até de um filme, foi acompanhado de perto por fãs ansiosos para saber o que TUOMAS HOLOPAINEN, tecladista, fundador e principal compositor do grupo andou preparando nos últimos anos de trabalho. Mas os metaleiros estavam curiosos também para saber da evolução musical do grupo, em especial a da vocalista ANETTE OLZON, cuja performance no álbum anterior, Dark Passion Play, dividiu opiniões.

Agora vamos ao que realmente interessa: o resultado de mais de dois anos de trabalho é difícil de engolir. Não porque é ruim, muito pelo contrário: a grandiosidade da obra chega a tirar o fôlego de quem a ouve. Só os samples de meio minuto liberados recentemente já estavam excitando fãs pelo mundo afora. A qualidade e diversidade do álbum é tanta que este merece um comentário faixa-a-faixa.

Imaginaerum abre com Taikatalvi (inverno em finlandês, língua nativa da maior parte do grupo) uma canção leve, no clima de The Islander do Dark Passion Play, cujo final emenda no single Storytime, um trabalho mais comercial que a banda já havia revelado há algumas semanas ao mesmo tempo que um vídeo com imagens dos bastidores do filme (veja abaixo).

Mas o álbum começa mesmo é em Ghost River, uma música "básica", com os elementos que marcam o som do NIGHTWISH: orquestra, peso e vocais divididos entre a doce ANETTE e o feroz MARCO HIETALA (que também toca baixo no quinteto).

A primeira surpresa é Slow, Love, Slow. TUOMAS conseguiu aqui dar toques de jazz e R&B em uma canção essencialmente sinfônica com um certo peso na segunda metade. Parece difícil imaginar algo assim – mais difícil ainda deve ter sido compor. Mas o resultado foi positivo.

A próxima é I Want My Tears Back, com uma gaita de foles tocada por TROY DONOCKLEY (o mesmo que tocou em Last of the Wilds do Dark Passion Play). O ritmo da canção beira a alegria do metal céltico que andou fazendo sucesso na Europa nos últimos anos. O duelo de Troy com a guitarra de Erno "Emppu" Vuorinen chega a fazer Last of the Wilds perder a graça.

Scaretale é a sexta faixa, e uma prova definitiva da qualidade da vocalista que a banda escolheu para substituir TARJA TURUNEN. Os viúvos da TARJA podem chorar e espernear à vontade, mas não podem mudar um fato: O NIGHTWISH anda muito bem, obrigado. Divertida, a canção tem uma passagem bem alegre, num jeitão de desenho infantil/video game, que mostra a diversidade de temas que o grupo está explorando para o álbum/filme.

O fim de Scaretale emenda na segunda surpresa de Imaginaerum: a instrumental Arabesque. Como o nome sugere, a faixa tem uma pegada de música típica do oriente médio, a primeira aventura do grupo nessa área, que mostrou-se muito bem sucedida, chegando ao nível de bandas especializadas no gênero, como AMASEFFER e MYRATH.

Turn Loose the Mermaids é bonita, lenta, sem guitarras e mostra-se mais um golpe no orgulho dos viúvos da TARJA. Já Rest Calm não tem nada de calma: traz um dos riffs mais agressivos do álbum, intercalado com um refrão relativamente leve. The Crow, the Owl and the Dove apresenta uma terceira surpresa: a contribuição de TROY nos vocais, que dá um toque de unicidade à faixa (embora Song of Myself também tenha a participação dele como vocalista). Last Ride of the Day não acrescenta muito ao álbum, mas mantém a alta qualidade demonstrada até agora.

Sonf of Myself, por ser a mais longa de todas (mais de 13 minutos), é uma das mais aguardadas. Ela não está no mesmo patamar que Ghost Love Score ou The Poet and the Pendulum, é verdade. O motivo talvez seja o fato de metade da faixa ser uma série de versos declarados com certa emoção teatral e acompanhados por um instrumental constante e cinematográfico. Por outro lado, é provável que, no filme, a passagem correspondente a esta parte do enredo seja uma das mais emocionantes, afinal, é a última.

A faixa título, instrumental, foi a escolhida para fechar o álbum, e nitidamente não foi uma decisão aleatória: Por pouco mais de seis minutos, uma orquestra reprisa os riffs principais do álbum. Uma das duas únicas faixas que não foi composta exclusivamente por TUOMAS (a outra é The Crow, the Owl and the Dove, feita com MARCO), a música que foi concebida para ser tocada durante os créditos do filme foi composta por PIP WWILLIAMS, produtor que desde o Once lida com as partes orquestrais dos álbuns do NIGHTWISH e para quem TUOMAS deu o aval para mexer livremente nos arranjos.

Imaginaerum é sem dúvidas, uma nova era para o NIGHTWISH. Talvez ainda seja cedo para dar a ele o título de melhor disco do grupo finlandês, mas o trabalho será lembrado daqui a anos como uma produção excelente e um trabalho impecável dos músicos envolvidos. Resta agora esperar pelo filme. E esperar também que a criatividade de TUOMAS não tenha acabado aqui.

Abaixo, o vídeo do single "Storytime".

Tracklist:
1 - Taikatalvi
2 - Storytime
3 - Ghost River
4 - Slow, Love, Slow
5 - I Want My Tears Back
6 - Scaretale
7 - Arabesque
8 - Turn Loose The Mermaids
9 - Rest Calm
10 - The Crow, The Owl And The Dove
11 - Last Ride Of The Day
12 - Song Of Myself
13 - Imaginaerum

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Imaginaerum - Nightwish

5000 acessosNightwish: A espera de longos quatro anos valeu a pena4686 acessosNightwish: Imaginaerum carece de músicas impactantes3832 acessosNightwish: Um dos melhores lançamentos do ano4807 acessosNightwish: Sentem nos seus lugares e peguem a pipoca5000 acessosNightwish: Dignamente um álbum não menos que genial5000 acessosNightwish: Anette faz com que não nos lembremos de Tarja

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

FinlândiaFinlândia
As dez melhores bandas de Heavy Metal do país

984 acessosMulheres que cantam Metal: estúdio/ao vivo, expectativa e realidade22 acessosEm 26/09/2007: Nightwish lança o álbum Dark Passion Play0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Nightwish"

TarjaTarja
Reagindo à escolha de canção em casamento de Léo Áquila

NightwishNightwish
A história da estátua de anjo na capa do álbum "Once"

NightwishNightwish
Tuomas fala sobre Anette, DVD, Religião e mais

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Nightwish"

Led ZeppelinLed Zeppelin
A origem do anjo símbolo da banda

Musos do Rock e Heavy MetalMusos do Rock e Heavy Metal
Agora é a vez das garotas!

MetallicaMetallica
Trujillo e seus primos, membros de gangues

5000 acessosGreen Day: 10 coisas que você não sabe sobre a banda5000 acessosRock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os tempos5000 acessosFotos de Infância: Jon Bon Jovi5000 acessosMetallica: Hetfield renega e Lars explica visual da fase "Load"4664 acessosB.B.King: algumas colaborações roqueiras do lendário bluesman5000 acessos2015: 35 discos que não podem passar em branco

Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 0077507/SP) formado pela PUC-SP e membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil. Paulistano e morador de Carapicuíba (Granja Viana), tem um blog de resenhas musicais e outros assuntos chamado Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cinema, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados. Além de ouvir, também toca piano e teclado, compondo algumas bobagens de vez em quando.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online