MaYan: "Death Symphonic Metal Opera" de Mark Jansen

Resenha - Quarterpast - MaYan

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9


O MaYan é um projeto criado e capitaneado por Mark Jansen, conhecido em todo o mundo pelo seu trabalho no Epica e no After Forever. Aqui, Jansen criou uma banda de death metal sinfônico onde explora a sua fascinação pela civilização Maia. Ao lado de Mark estão os parceiros de Epica Simone Simmons, Isaac Delahaye (guitarra) e Ariën van Weesenbeek (bateria), além de Floor Jansen (ex-After Forever), Henning Basse (vocal, Sons of Seasons), Frank Schiphorst (guitarra), Rob van der Loo (baixo) e Jack Driessen (teclado).

Dave Mustaine: "Kiko é o primeiro que me intimida desde Friedman"Musical Box: Os 20 discos seminais do Hard Rock

Na capa do disco, abaixo do título, há a frase "Death Symphonic Metal Opera", e ela resume com perfeição o que as faixas de "Quarterpast" entregam ao ouvinte. As composições são longas e cheias de mudanças de andamento e climas, proporcionando uma sonoridade surpreendente. Em relação ao Epica, o som do MaYan é muito mais pesado, soturno e até mesmo extremo, revelando uma faceta não tão explorada por Mark Jansen.

O foco é o heavy metal. Passagens orquestrais e coros estão sempre presentes, mas o metal é que dá as cartas em todas as composições. Essa característica faz com que algumas composições soem próximas ao que o Dimmu Borgir vem fazendo em seus últimos álbuns, mas com uma bem-vinda dose menor de grandiloquência e muito menos pomposo.

Os vocais guturais de Jansen são um destaque à parte, assim como o excelente trabalho de guitarra e a bateria criativa de Weesenbeek. Vozes guturais contrastam com as intervenções quase divinas e angelicais de Simone Simmons e Floor Jansen, enquanto que, na parte instrumental, os riffs de guitarra exploram todo o expectro do death metal, amparados por batidas agressivas e blast beats.

O trabalho de composição foi muito bem feito, e o resultado é um tracklist consistente, onde o destaque está no conjunto. Mesmo assim algumas faixas acabam se sobressaindo, como a abertura com "Symphony of Aggression", "Course of Life", "Drown the Demon" e o single "War on Terror".

"Quarterpast" é um disco muito bom, que mostra um dos músicos mais criativos do metal atual explorando a faceta mais extrema de sua musicalidade. Uma grata surpresa que vale o play, e com o repeat acionado!

Faixas:
Symphony of Aggression
Mainstay of Society
Quarterpast
Course of Life
The Savage Massacre
Essenza di te
Bite the Bullet
Drown the Demon
Celibate Aphrodite
War on Terror
Tithe


Outras resenhas de Quarterpast - MaYan

MaYan: Uma espécie de Epica mais calcado no Death Melódico




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Mayan"


Dave Mustaine: Kiko é o primeiro que me intimida desde FriedmanDave Mustaine
"Kiko é o primeiro que me intimida desde Friedman"

Musical Box: Os 20 discos seminais do Hard RockMusical Box
Os 20 discos seminais do Hard Rock

Guitar World: melhores solos de guitarra de todos os temposGuitar World
Melhores solos de guitarra de todos os tempos

Max Cavalera: A opinião de Lemmy, Kiko Loureiro e Vinnie PaulMax Cavalera
A opinião de Lemmy, Kiko Loureiro e Vinnie Paul

Roqueiro poser: 100 regras essenciais para se tornar umRoqueiro poser
100 regras essenciais para se tornar um

Pesquisa: dirigir ouvindo heavy metal pode ser um problemaPesquisa
Dirigir ouvindo heavy metal pode ser um problema

Phil Anselmo: Eu não tenho celular! Não sou um hipster!Phil Anselmo
"Eu não tenho celular! Não sou um hipster!"


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClioIL